Pesquisadores argumentam que proteção de longo prazo pode ser adquirida mesmo se depois crianças evitarem ingerir alimento por até um ano.