Estudo sugere que falar mais de uma língua pode ‘proteger’ cérebro de sequelas após derrame