Estudo compara as formas de reposição hormonal e conclui que a aplicação pela pele não está ligada ao tromboembolismo venoso, ao contrário das pílulas