Coronavírus: “Prefiro morrer em casa a ir para quarentena”, diz Wenjun Wang, moradora de Wuhan

Wenjun Wang é moradora da cidade chinesa de Wuhan, epicentro do surto do novo coronavírus.

Wang, uma dona de casa de 33 anos, e a família estão confinados desde que a cidade foi colocada em isolamento em 23 de janeiro.

Desde então, o vírus infectou mais de 24,3 mil pessoas na China e provocou pelo menos 490 mortes.

Foram registrados ainda 175 casos em outros 25 países.

Wang compartilhou com a BBC a luta desoladora da família pela sobrevivência.

“Desde que o surto de coronavírus começou, meu tio já faleceu, meu pai está gravemente doente, e minha mãe e minha tia começaram a apresentar alguns sintomas.

Uma tomografia mostrou que os pulmões delas estão infectados. Meu irmão também está tossindo e com problemas respiratórios.

Meu pai está com febre alta. A temperatura dele ontem chegou a 39,3°C, e ele está sempre tossindo e com dificuldade para respirar. Nós conseguimos uma máquina de oxigênio para usar em casa, e ele conta com ela 24 horas por dia.

Ele está tomando medicamentos chineses e ocidentais no momento. E não pode ser internado porque o caso dele não foi confirmado devido à falta de kits de teste.

Minha mãe e minha tia vão ao hospital todos os dias na esperança de conseguir um leito para o meu pai, apesar da própria condição de saúde delas. Mas nenhum hospital vai aceitá-los.

‘Ninguém está nos ajudando’

Em Wuhan, há muitos postos de quarentena para acomodar pacientes que apresentam sintomas leves ou ainda estão no período de incubação.

As instalações são simples e bem básicas. Mas para pessoas gravemente doentes como meu pai, não há leitos adequados.

Meu tio morreu, na verdade, em um dos postos de quarentena, porque não havia estrutura médica para pacientes com sintomas graves. Eu realmente espero que meu pai possa receber um tratamento adequado, mas ninguém está em contato conosco ou nos ajudando no momento.

Entrei em contato com agentes comunitários várias vezes, mas a resposta que recebi foi: ‘não há chance de conseguirmos um leito no hospital’.

No começo, achamos que o posto de quarentena para onde meu pai e meu tio foram era um hospital, mas descobrimos que era um hotel.

Não havia enfermeira ou médico, tampouco aquecimento. Eles foram à tarde, e os funcionários serviram um jantar frio naquela noite. Meu tio estava muito doente, com sintomas respiratórios graves, e começou a perder a consciência.

Nenhum médico foi atendê-lo. Ele e meu pai ficaram em quartos separados, e quando meu pai se levantou para vê-lo, às 6h30 da manhã, ele já havia falecido.

‘Preferimos morrer em casa’

Os novos hospitais que estão sendo construídos são para pacientes que estão internados em outros hospitais no momento. Eles serão transferidos para as novas unidades.

Mas pessoas como nós não conseguem sequer um leito agora, muito menos nos novos hospitais.

Se seguirmos as orientações do governo, o único lugar para onde podemos ir agora é para esses pontos de quarentena. Mas, se formos, o que aconteceu com meu tio aconteceria com meu pai.

Então, preferimos morrer em casa.

‘A população infectada é enorme’

Há muitas famílias como nós por aqui, todas enfrentando as mesmas dificuldades.

O pai de um amigo meu foi rejeitado pelas equipes dos postos de quarentena porque estava com febre alta.

Os recursos são limitados, mas a população infectada é enorme. Estamos com medo, não sabemos o que vai acontecer em seguida.

A mensagem de Wang para o mundo

O que quero dizer é que, se soubesse que eles fechariam a cidade em 23 de janeiro, eu sem dúvida teria levado toda a minha família embora, porque não há assistência aqui.

Se estivéssemos em outro lugar, poderia haver esperança. Não sei se pessoas como nós, que ouviram o governo e ficaram em Wuhan, tomaram a decisão certa ou não.

Mas acho que a morte do meu tio responde a essa pergunta.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *