Especialista explica como uma nova técnica conhecida como CRISPR poderá mudar a maneira como enfrentamos doenças hereditárias e incuráveis