• A meningite meningocócica pode ser confundida com infecções menos ameaçadoras – principalmente durante a temporada de gripe e afins. Quem faz o alerta é a Federação dos Hospitais, Clínicas e Laboratórios do Estado de São Paulo (Fehoesp).

    Em campanha lançada nesta semana, a entidade pede cautela redobrada na avaliação de pessoas que chegarem ao pronto-atendimento. “Serviços de saúde devem estar atentos à ocorrência de doenças como meningite, zika, dengue e chikungunya, e realizar um diagnóstico criterioso para evitar erros”, declarou à imprensa o médico Yussif Ali Mere Jr, presidente da Fehoesp.

    O diagnóstico correto é importante, mesmo que às vezes a única opção seja combater os sintomas e acompanhar a evolução do quadro, caso dos resfriados e das infecções transmitidas pelos Aedes aegypti. Se o que estiver por trás dos sintomas for uma gripe forte ou mesmo a meningite bacteriana, o tratamento é mais específico.

    Como diferenciar meningite de gripe e outras infecções

    Muitas infecções têm, como primeiro sintoma, a febre. Por isso nem sempre é evidente qual a origem da subida na temperatura quando a pessoa chega ao pronto-socorro.

    “Num primeiro momento, pode ser difícil suspeitar de meningite ou outra coisa mais séria”, aponta Renato Kfouri, infectopediatra diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

    Vale esclarecer que estamos falando de uma situação relativamente rara no Brasil. Em 2018, foram 1 072 ocorrências da versão meningocócica, a mais comum entre as meningites transmitidas por bactérias, com 218 mortes. Há também uma versão viral da doença, mas seus sintomas são mais brandos.

    As bacterianas, por sua vez, merecem atenção por causa da taxa alta de mortalidade – cerca de 20% dos casos, geralmente crianças e adolescentes. A meningocócica, destaque da categoria, é causada por 12 subtipos do micro-organismo meningococo. No país, os mais comuns são os A, B, C, W e Y, todos evitáveis com a vacinação.

    As semelhanças entre gripe e meningite são febre alta e mal-estar abruptos, além de vômito. Depois, elas evoluem de maneiras diferentes.

    O vírus da gripe ataca as vias respiratórias. Por isso, provoca coriza, tosse e cansaço.

    Já a meningite desencadeia dores de cabeças e vômito intensos, rigidez no pescoço, além de sintomas neurológicos, como surdez, perda de consciência e, em alguns casos, paralisia. “É um quadro que evolui rapidamente, geralmente em 24 horas”, destaca Kfouri.

    Diagnóstico

    O diagnóstico das duas pode ser feito com exames de sangue. No caso da meningite bacteriana, o médico solicita ainda a coleta do líquor da medula espinhal, um líquido que banha as meninges, para identificar qual o agente causador do problema.

    “Esse teste sempre é feito para saber qual antibiótico deve ser administrado. Dependendo do tipo da bactéria, também é preciso fazer um tratamento preventivo em quem teve contato com o doente”, aponta Kfouri.

    O ideal é que a análise seja feita antes de iniciar o tratamento, pois o uso de antibióticos pode interferir no exame. Entretanto, como o resultado às vezes demora até três dias para chegar, em alguns episódios é necessário aplicar a medicação imediatamente.

    Eu devo me preocupar?

    É claro que uma febre alta sempre chama a atenção, mas a meningite não está em alta no Brasil. “Vivemos uma tendência de queda nos casos há anos, e a incidência diminuiu muito depois que a vacinação começou no SUS”, reforça Kfouri.

    Atualmente, só as doses contra a meningite meningocócica C – a versão mais comum – estão na rede pública. Nas clínicas particulares, dá ainda para se imunizar contra os tipos A, B, W e Y.

    “Temos a vacina contra o tipo mais frequente gratuitamente para crianças e adolescentes, mas nossas taxas de cobertura estão aquém do esperado”, alerta o médico.

    Já a gripe preocupa mais as autoridades públicas – não pela gravidade, que é menor do que a da meningite, mas pelo alto número de casos. Essa infecção costuma ser mais incidente nos meses frios do ano. Fique ligado e aproveite as campanhas de vacinação.

    Tags: , , , , , , ,

  • O mosquito Aedes aegypti tem assustado as gestantes há alguns anos, quando o surto do zika foi relacionado a casos de microcefalia entre bebês cujas mães foram infectadas na gestação. Porém, esse inseto também ameaça a gravidez de outras formas. Um artigo publicado no periódico Scientific Reports aponta que a dengue catapulta em pelo menos três vezes o risco de falecer durante os nove meses de gravidez e logo após esse período – é a chamada morte materna.

    A pesquisa foi liderada pela brasileira Enny Paixão, epidemiologista do Centro de Integração de Dados e Conhecimentos para Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz (Cidacs/Fiocruz Bahia). Para o trabalho, ela e seus companheiros chafurdaram várias bases de dados públicas – como o Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM) –, coletando informações referentes ao período de 2007 a 2012.

    Após uma triagem inicial, os cientistas selecionaram 4 053 óbitos para uma análise minuciosa. Esses casos também foram comparados a 17 391 826 nascidos vivos.

    Daí veio o resultado: quando a dengue foi diagnosticada por análise dos sintomas (febre alta, dores de cabeça, cansaço, por exemplo), as gestantes corriam um risco três vezes maior de morrerem. Já no caso da confirmação da enfermidade por exame de sangue, a probabilidade era oito vezes maior, em comparação com grávidas não infectadas.

    Essa diferença tem motivo de ser. Muitas vezes, os sinais da dengue são confundidos com os de outras infecções, eventualmente mais brandas. Portanto, sem um teste de confirmação, não dá para saber se certos “episódios de dengue” eram, na verdade, outros problemas menos nocivos para as futuras mamães.

    Agora, quando a paciente apresentava um quadro de dengue hemorrágica confirmado em laboratório, aquele número é ainda mais assustador. Frente ao tipo mais grave da moléstia, a possibilidade de a gestante morrer é 450 vezes maior.

    Também se constatou que a pré-eclâmpsia e a eclâmpsia, complicações caracterizadas pelo aumento da pressão arterial durante a gravidez, eram mais frequentes no grupo infectado. E esses problemas, se não tratados, favorecem complicações para a mãe e o bebê.

    Por que a dengue afeta gestantes com mais intensidade

    No artigo, os pesquisadores afirmam que ainda é complicado definir a razão pela qual essa infecção eleva tanto o risco de morte materna. Uma das possíveis explicações seria a de que as mudanças no organismo típicas da gravidez aceleram o avanço da dengue.

    Além disso, os autores pontuam que essas mesmas mudanças fisiológicas e outras possíveis complicações durante os nove meses esconderiam os sintomas de dengue hemorrágica, o que dificulta sua identificação precoce.

    O que é, afinal, morte materna?

    Segundo a décima versão da Classificação Internacional de Doenças (uma lista da Organização Mundial da Saúde que caracteriza todo tipo de enfermidade), esse termo é definido como “a morte de uma mulher durante a gestação ou dentro de um período de 42 dias após o término da gestação, independentemente da duração ou da localização da gravidez, devida a qualquer causa relacionada com ou agravada pela gravidez ou por medidas em relação a ela, porém não devida a causas acidentais ou incidentais”.

    Os autores concluem o artigo dizendo que, apesar da saúde das gestantes já ser uma prioridade de saúde pública, é importante que os médicos deem uma atenção maior para aquelas que moram em locais com focos de dengue. “Quando a infecção for diagnosticada, a paciente deve ser acompanhada de perto”, conclui Enny Paixão, em comunicado à imprensa.

    Tags: , , , , ,