• O número de casos notificados de sífilis congênita – quando o bebê nasce com a doença, transmitida pela mãe – subiu de 6.964 em 2010 para 9.374 no ano passado, um aumento de 34%, segundo o Ministério da Saúde.

    A elevação, porém, é reflexo de um avanço no diagnóstico, e não de um acréscimo no número de casos, acredita o governo.

    A notificação é feita entre crianças com até 1 ano de idade, mas o contágio pode ser facilmente prevenido. Assim que a mulher engravida, um dos exames tradicionalmente exigidos é o de sífilis.

    Nordeste lidera casos

    A taxa de incidência de sífilis congênita no Brasil é de 3,3 casos para cada mil nascidos vivos. A região que lidera o ranking é o Nordeste, com 3,8 casos por mil, seguido do Sudeste, com 3,6; do Norte, com 2,6; e do Sul, com 2,5. No fim da lista está o Centro-Oeste, com 1,8.

    Por estado, o Rio de Janeiro é o que tem a maior taxa da doença: 9,8 ocorrências a cada mil recém-nascidos. O Ceará é o segundo (6,8) e o Sergipe, o terceiro (6,7). O estado com o menor índice de sífilis em bebês é o Piauí (0,8), mas esse dado pode refletir uma falta de notificações, avalia o ministério.

    Teste rápido

    Até 2015, o governo pretende eliminar a sífilis congênita como um problema de saúde pública, e o alvo principal são mulheres e homens entre 15 e 24 anos.

    Para isso, o ministério tem oferecido testes rápidos, de 30 minutos, às gestantes durante o pré-natal. Se o resultado der positivo, a mulher precisa iniciar um tratamento, até um mês antes do parto, para evitar que a doença passe para o filho.

    De janeiro a setembro, 237 mil exames rápidos foram distribuídos no país – no ano passado, foram 31,5 mil unidades, um aumento de mais de sete vezes. O teste identifica no sangue a presença da bactéria Treponema pallidum.

    Como a doença é sexualmente transmissível, o ministério ressalta que os homens também precisam se tratar, pois as parceiras podem ser reinfectadas caso eles não se cuidem. Das mulheres identificadas com sífilis durante o pré-natal no ano passado, apenas 11,5% tiveram seus companheiros tratados.

    Desde 2006, o Dia Nacional de Combate à Sífilis é lembrado sempre no terceiro sábado de outubro – este ano, foi dia 20.

    Tags: , ,