• F_317522_c6KHZ1f7HreolYV5FYUQNSGhVw1gLn

    A maneira mais eficaz de se proteger contra as DSTs é usando o preservativo

     

    Estudiosos alertam especialistas na área médica para a existência de um novo tipo de gonorreia (doença sexualmente transmissível), que pode matar em poucos dias.

    O principal responsável pelo estudo é o cientista Alan Christianson, fundador do centro de pesquisa Integrative Health Care. Em entrevista ao site CNBS ele afirmou que a espécie identificada como HO41 é muito perigosa, tendo efeitos semelhantes aoS da Aids.

    [adrotate banner=”2″]Atuando no organismo de forma mais direta, a DST faz a pessoa entrar em choque e morrer em questão de dias. A doença se mostra tão perigosa quanto o vírus do HIV, que já matou cerca de 30 milhões de pessoas em todo o mundo.

    A versão mais perigosa da gonorreia foi descoberta no Japão há dois anos em uma mulher de 31 anos de idade. Segundo o diretor executivo da Coalizão Nacional de Administração de DST (Doenças Sexualmente Transmissíveis), William Smith, a situação só piora com o tempo, pois com o passar dos anos, a tendência é que a bactéria se torne cada vez mais nocivo ao organismo.

    A maneira mais eficaz de se proteger contra as DSTs é usando o preservativo.

    Tags: , , , , , , ,

  • AIDS, Doenças, Sexo 19.05.2010 1 Comment

    [adrotate banner=”2″]Comitê vai estudar indicação logo após pessoa passar por situação de risco.
    Espécie de ‘pílula do dia seguinte‘ para a Aids será debatida em junho.

    Qualquer que seja a decisão, a espinha dorsal da prevenção continuará sendo o uso de camisinha. O coquetel seria uma estratégia complementar”

    Ronaldo Hallal, assessor técnico do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

    O governo federal está discutindo ampliar a indicação de antirretrovirais no país: além de tratar pacientes, o coquetel seria usado para prevenir o contágio pelo HIV. Comitê de especialistas vai avaliar em junho a proposta de antecipar o início da terapia de soropositivos para reduzir o risco de transmissão por via sexual a parceiros sem o vírus. Outra medida analisada é a indicação do coquetel logo após uma pessoa ter se submetido a uma situação de risco de contágio, como relação sexual desprotegida – uma espécie de “pílula do dia seguinte” para a Aids.

    As informações são da repórter Lígia Formenti, do jornal “O Estado de S. Paulo”.

    Qualquer que seja a decisão, a espinha dorsal da prevenção continuará sendo o uso de camisinha. O coquetel seria uma estratégia complementar”, diz o assessor técnico do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, Ronaldo Hallal. O preservativo é uma medida segura, sem contraindicações, com baixo custo. Antirretrovirais, por sua vez, podem trazer efeitos colaterais, além de o preço ser bastante alto.

    Antirretroviral pode ter efeitos colaterais, além de ser caro

    O consenso de 2006 já previa o uso de antirretrovirais para evitar a doença após a exposição ao vírus. A estratégia era recomendada, por exemplo, para vítimas de estupro e profissionais de saúde que, por acidente, tivessem tido contato com sangue de soropositivos. Nesses casos, depois da situação de risco, aqueles que procuram atendimento recebem tratamento com antirretrovirais por um período de 28 dias.

    “A ideia é discutir novas indicações”, conta Hallal. Entre as possibilidades, está a de fornecer o coquetel para pessoas que tiveram relação sexual sem proteção com um parceiro eventual ou com alguém que sabidamente seja soropositivo.

    Fonte G1

    Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Arquivos