• foto-imagem-sexo-oralO perfil dos pacientes com câncer de boca mudou nos últimos anos. A doença, que antes tinha uma incidência maior entre homens mais velhos, principalmente por causa do consumo de álcool e cigarro, agora está acometendo homens mais jovens, com idade entre 30 e 44 anos. Entre as mulheres, a doença também tem aumentado, especialmente nessa faixa etária.O motivo, segundo especialistas, é a maior exposição ao sexo oral sem proteção. O vírus HPV, transmitido por contato sexual, aumenta o risco da doença.A conclusão foi de uma revisão de estudos coordenada pela médica epidemiologista Maria Paula Curado, do A.C.Camargo Cancer Center. A revisão incluiu dados de estudos feitos em vários países.

    Ela explica que, embora a população mundial esteja envelhecendo – e o câncer de boca seja uma doença associada a pessoas com mais de 50 anos – existe uma tendência de aumento da doença em pessoas mais jovens.

    A incidência entre homens de 30 a 44 anos aumentou de 4 para 10 casos a cada 100 mil na comparação entre as décadas de 1991 a 2000 e de 2001 a 2010, segundo a revisão. Entre as mulheres de 30 a 44 anos, a incidência subiu de 2 para 5 casos a cada 100 mil no mesmo período. Maria Paula apresentou o trabalho no Congresso Mundial da Academia Internacional de Câncer Oral (IAOO), em São Paulo, nesta quinta-feira (9).

    Sexo oral desprotegido

    Segundo a pesquisadora, muitos casos de câncer de boca têm três causas possíveis de se prevenir: consumo de álcool, cigarro e infecção pelo vírus HPV. “A maioria dos tumores de boca estão relacionados a hábitos de vida de risco. A estratégia de prevenção é modificar isso.”

    Maria Paula observa que, muitas vezes, as pessoas esquecem que é preciso se proteger também no sexo oral usando preservativo, seja na versão masculina ou feminina. “O sexo oral, se é feito sem cuidado, pode resultar em uma infecção por HPV, que aumenta os riscos do câncer”, diz.

    Câncer perigoso

    O câncer de boca pode ser perigoso e, dependendo da fase em que é diagnosticado, a chance de sobreviver pode ser de 50%. Os primeiros sintomas muitas vezes passam despercebidos, pois se parecem com uma afta. “Por isso é muito importante fazer exame clínico na cavidade oral. Um clínico geral ou um dentista podem identificar esses sinais ao examinarem a boca.”

    Segundo estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca), eram esperados 4.010 casos de câncer na cavidade oral entre mulheres em 2014 e 11.280 casos entre homens.

    foto-imagem-hpv

    Tags: , , , ,

  • foto-imagem-gordura-para-esquecerQue ela faz um mal danado ao coração, quase todo mundo lembra e ninguém questiona. Mas a repercussão de alimentos ricos em trans (bolachas, salgadinhos, sorvetes…) alguns palmos acima do peito, lá no cérebro, ainda é um terreno novo entre os estudiosos da nutrição. Terreno que foi chacoalhado por uma pesquisa da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos. Ela traz dados robustos de que o consumo frequente de produtos industrializados cheios de gordura é capaz de comprometer a memória – e muito antes de os cabelos brancos surgirem.

    Os cientistas pediram a 1 018 homens, com idade entre 20 e 45 anos, que respondessem a um questionário sobre hábitos alimentares – um dos tópicos era a carga de trans no cardápio. Depois das perguntas todos participaram de um teste de memória simples, em que assistiam a uma sequência de palavras. A única tarefa dos voluntários era dizer se o que eles estavam lendo naquele momento era igual ao que tinham visto antes. Aí veio a surpresa: a cada grama ingerido do ingrediente, o sujeito se esquecia de 0,76 palavra. “Isso significa que, num exame com 86 vocábulos, as pessoas que comiam muito dessa gordura erravam 11 termos a mais em comparação com quem a evitava no prato”, explica a médica Beatrice Golomb, líder da investigação. A diferença é considerada enorme, ainda mais quando se leva em conta a idade dos participantes. Ora, é entre os 20 e os 45 anos que o indivíduo se forma e cresce na vida acadêmica e profissional – fase crítica para o cérebro trabalhar.

    Com uma gordura interfere nas atividades dos neurônios?

    Numa ação chamada pró-oxidante, a trans promove, dentro do organismo, uma enxurrada de radicais livres, moléculas que, em excesso, danificam as células nervosas – inclusive nas áreas cerebrais que retêm as lembranças. “O abuso de itens ricos em trans também está associado ao ganho de peso, que, por sua vez, impacta negativamente na massa cinzenta”, acrescenta o neurologista Paulo Bertolucci, da Universidade Federal de São Paulo

    A partir de que quantidade é prejudicial?

    Apesar de a presença do ingrediente ter sido reduzida no mercado nos últimos anos, o assunto ainda preocupa os profissionais de saúde – até porque produtos mais baratos permanecem lotados dessa gordura. “A trans deve representar, no máximo, 1%, ou 2,2 gramas, das calorias diárias”, indica a nutricionista Selma Sanches Dovichi, da Universidade Federal do Triângulo Mineiro.

    Se pensarmos que uma porção de batata frita pré-cozida tem 6 gramas de trans e uma única fatia de pizza congelada leva 1,1 grama, ultrapassar esse limite é mais fácil do que se imagina. E o mesmo raciocínio se aplica a quem se entrega aos pacotes de bolacha recheada ou salgadinho. “Quanto menos trans na dieta, melhor”, frisa Silva.

    Tags: , , , , , ,

  • foto-imagem-hpvSexo oral não é brincadeira quando se trata do HPV, o papilomavírus humano. Todo mundo associa a famosa doença sexualmente transmissível — ou DST — com a área genital, mas ela também representa um perigo para a boca. E, uma vez instalado na mucosa bucal, seu vírus é transmitido até pelo beijo. Resultado: o aumento dos casos de câncer de boca e garganta em gente cada vez mais jovem.

    Antes, as vítimas desses tumores costumavam ter mais de 50 anos e, em comum, o hábito de acender um cigarro atrás do outro e de consumir demais bebidas alcoólicas. Mas uma pesquisa feita pelo Hospital A.C. Camargo, em São Paulo, revela que o perfil mudou: hoje, mais de 30% das pessoas com câncer na cavidade bucal têm menos de 40 anos. “Muitas nunca fumaram na vida”, conta o líder do estudo, o cirurgião oncologista Luiz Paulo Kowalski. Segundo ele, entre os que desenvolvem o carcinoma na garganta, a contaminação pelo HPV alcança 80%. “O sexo oral é o principal comportamento de risco, mas a epidemia é tão grande que suspeitamos de formas de contágio mais simples, que ainda nem conhecemos”, afirma Kowalski.

    Existem mais de 100 tipos de HPV por aí. Uns passam batidos pelo organismo, enquanto outros causam as grandes infecções. Mas as variações que provocam tumores e mais preocupantes são a 16 e a 18 — a primeira é responsável por 90% das encrencas no pescoço. Esses dois tipinhos desencadeiam o câncer nas mucosas em que se instalam — sempre no revestimento externo dos órgãos. Na garganta, a região preferida é a orofaringe, ou seja, tudo o que fica atrás do tal sininho: a amígdala e a base da língua. Mas o HPV também protagoniza tumores na laringe, na ponta da língua, na gengiva, no assoalho e no céu da boca.

    O câncer começa como algo parecido com uma afta que não desaparece. “São como pequenas feridas e verrugas que até podem sangrar. Mas, se não cicatrizar em até duas semanas, é preciso buscar a avaliação de um médico ou dentista”, aconselha o otorrinolaringologista Onivaldo Cervantes, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). Quando não é descoberto ligeiro, evolui para um formato de couve-flor; isso quando ele não cresce internamente. O principal sintoma, por incrível que pareça, é a dor de ouvido. Mas é possível sentir também dificuldade para mastigar, engolir e até para falar.

    Os estudos ainda não esclareceram o motivo pelo qual a garganta é a favorita do HPV, mas as suspeitas recaem sobre a rica rede linfática da região. “A hipótese é que ela favoreça a disseminação do vírus na mucosa e a sua transformação, alterando a maquinaria celular e facilitando a proliferação do câncer”, considera André Lopes Carvalho, diretor científico do Hospital de Câncer de Barretos, no interior de São Paulo.

    Visualmente, o aglomerado de células malignas causado pelo papilomavírus se assemelha a qualquer outro tumor originado sem a sua participação — por isso só uma biopsia pode confirmar a culpa do HPV. Seja qual for o resultado, o tratamento segue o padrão indicado a outros tipos de tumor. “Se a lesão é pequena, é feita a operação convencional. Se é grande, segue-se um protocolo de preservação do órgão para evitar uma grande mutilação”, diz o cirurgião Terence Farias, do Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Rio de Janeiro. “E sempre recomendamos a quimioterapia e a radioterapia mesmo se o paciente não é HPV positivo”, ele complementa.

    Uma característica, porém, diferencia o carcinoma causado pela DST: ele é menos agressivo e tem um desenvolvimento mais lento. Por isso, o prognóstico de cura é mais otimista. “Esse tipo de tumor é mais sensível às terapias. Se a pessoa não fuma para complicar a situação, as chances de eliminá-lo são ainda maiores”, diz Carvalho.

    E a vacina?
    Existem dois tipos: a bivalente, que só protege contra as variantes que causam o câncer, e a quadrivalente causadores das verrugas genitais. Embora as duas versões só devam entrar no calendário oficial de vacinação no ano que vem, elas já estão disponíveis em clínicas particulares — e para meninos e meninas, a despeito de a turma do sexo feminino ser o alvo preferencial do vírus. Ambas são aplicadas em três etapas, e têm eficácia comprovada por dez anos. A única contraindicação é a gravidez.

    Uma questão ainda controversa diz respeito a quem deve ser vacinado. Uns defendem que o procedimento vale a pena só para jovens que não iniciaram a vida sexual. Outros alertam: ser sexualmente ativo não é sinônimo de ter sido contaminado, portanto deixar de receber a imunização seria uma roubada.

    “A vacinação é sempre recomendada, até para quem já foi contaminado por um tipo, lembrando que o corpo não fica imune para sempre após esse contato, como acontece com o vírus do sarampo”, argumenta o ginecologista José Focchi, professor da Unifesp e consultor do laboratório SalomãoZoppi, na capital paulista. “Os riscos de ser reinfectado são enormes”, acrescenta. O fato é que a vacina não mata o HPV já instalado. Em 90% das vezes, o próprio organismo se encarrega de eliminar o agente infeccioso — o problema é que isso pode levar muitos anos.

    Alerta final: a eficácia da camisinha em conter a transmissão do vírus é de 70 a 80%, porque ela não cobre todas as áreas suscetíveis à infecção. Isso, claro, não legitima as desculpas para esquecê-la na hora H. Afinal, esse ainda é o melhor método de prevenção, além da vacina.

    foto-imagem-hpv

    Tags: , , , , , ,

  • Obesidade 18.03.2013 No Comments

    A partir de abril, jovens mineiros que estão acima do peso poderão ter a prática de atividades físicas custeada pelo governo. Gerido pela a Secretaria de Estado de Saúde (SES) em parceria com Secretaria de Estado de Esporte e da Juventude (Seej), o projeto “Geração Saúde”, uma espécie de “bolsa-academia”, quer beneficiar, neste primeiro ano, entre 10 mil e 14 mil adolescentes em Minas Gerais.

    De acordo com a diretora de Promoção à Saúde e Agravos não Transmissíveis da SES, Daniela Souzalima Campos, dados preocupantes levaram à criação do programa. “Um dos motivos foi que atualmente temos no estado de Minas Gerais um número considerável de jovens com sobrepeso. Cerca de 15% dos adolescentes, entre 10 e 19 anos , que foram atendidos em 2012 nas unidades básicas de saúde e pelo Programa Saúde da Família (PSF) apresentaram sobrepeso”, aponta.

    Ela explica que o projeto objetiva proporcionar qualidade de vida aos jovens, além de consolidar hábitos de vida saudável. Segundo Daniela Souzalima Campos, o foco do “Geração Saúde” é a faixa etária entre 15 e 19 anos.

    Na prática

    A “bolsa-academia” será oferecida a jovens atendidos pelo Programa Saúde da Família (PSF) e que tiverem o sobrepeso constado pela equipe de profissionais. Depois de serem encaminhados a uma academia, eles passarão por uma avaliação física, que apontará as atividades físicas mais indicadas para cada caso.

    De acordo com subsecretário de Estado de Esporte, Adenilson Idalino de Sousa, os jovens poderão praticar atividades variadas, no mínino, três vezes por semana e, no máximo, cinco. A freqüência mínima de 75%, verificada por meio de um sistema de biometria, será obrigatória para que os participantes do projeto continuem a receber o benefício. Os jovens também serão acompanhados por psicólogos e nutricionistas e passarão por reavaliações periódicas.

    Para cada aluno frequente, as academias receberão, por mês, o valor de R$ 50. Segundo Daniela Souzalima Campos o pagamento será feito diretamente aos estabelecimentos credenciados. O governo feito pelo governo previsto para 2013 é de mais de R$ 10,1 milhões.

    Até esta quarta-feira (13), 82 academias já haviam sido aprovadas para atender os participantes do “Geração Saúde”. Entretanto, apenas 38 dos 853 municípios mineiros constavam na lista das cidades que já aderiram ao projeto. Belo Horizonte, por exemplo, cidade com maior número de habitantes do estado, ainda estava de fora. De acordo com Sousa, o projeto foi apresentado ao secretário de Saúde da capital, Marcelo Teixeira, que, segundo o subsecretário, manifestou interesse em aderir ao programa. Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que o edital para adesão ainda está em análise.

    O subsecretário destaca o caráter pioneiro do projeto por unir iniciativa privada e equipes do PSF. “O fim não é nenhuma obra, é a prática da atividade física, em equipamentos adequados para esta prática, com profissionais adequados, na região em que o jovem mora”, explica.

    Tags: , , , , , ,

  • saúde, Sono 01.03.2010 No Comments


    Cientistas americanos provaram que jovens que tiram um cochilo à tarde têm desempenho melhor na aprendizagem do que os que ficam acordados.

    Dormir é muito bom, muita gente gosta e faz bem para a saúde. Uma pesquisa, divulgada essa semana na reunião anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, mostrou que quem dorme mais ou menos uma hora e meia durante a tarde passa a ter mais facilidade para receber informações novas.

    Cientistas da Universidade de Berkeley, na Califórnia, recrutaram 39 jovens saudáveis. Eles tiveram que decorar cem nomes e rostos ao meio-dia. Em seguida, uma parte foi dormir. Às 18h, o grupo teve que decorar outros cem nomes e rostos. Os 20 jovens que tiraram uma soneca tiveram um desempenho 10% melhor na tarefa. E o cansaço daqueles que ficaram acordados fez com que eles perdessem também 10% da capacidade de aprendizagem. Ou seja: soneca à tarde faz bem.

    Boa notícia para Justine Hack, de 17 anos, que, como a maioria dos adolescentes, adora dormir. “Eu acordo às 6h e vou para o colégio. Às 12h20, eu volto, almoço, e às 13h, eu durmo”, conta.

    O músico Eduardo Hack, pai de Justine, também é adepto da soneca. “Depois que eu almoço, encosto o prato, estico as pernas e dou minha cochilada”, diz. Mas o descanso dele dura só meia horinha.

    Depois do cochilo, Eduardo, que é músico, vai ensaiar. Enquanto isso, Justine continua dormindo.

    O irmão do meio, Renato, desce para brincar com os amigos. Enquanto isso, Justine continua dormindo. A caçulinha Beatriz entra no quarto, mexe no armário e Justine continua dormindo. Essa soneca está longa. A mãe segue para a árdua tarefa de acordar Justine.

    Na casa de Jane, a soneca da tarde dela e dos filhos adolescentes – Nicole e Mário – também costuma se estender.

    “Perdi a hora. Se eu deixar, os dois dormem mais de quatro horas. Eu também dormi demais”, diz Jane.

    Será que essa sonequinha mais longa continua trazendo benefícios?

    O neurologista Márcio Bezerra, especialista em sono, tira a dúvida da família. “O tempo ideal desse sono da tarde varia entre 30 e 50 minutos. No máximo, 50 minutos”, orienta o médico. “Você sente que ele ainda está sonolento, irritado, querendo dormir mais. Na fase deles, temos que dar uma olhada no sono noturno para podermos entender o que está acontecendo”.

    Adolescente tem mesmo necessidade de dormir mais que o adulto, entre oito e nove horas por noite. E é justamente para não prejudicar o sono noturno que a soneca não pode ser muito longa, nem tirada muito tarde. O ideal é que seja feita logo depois do almoço.

    “Resista àquele sono que às vezes vem às 18h, porque, caso você durma, você vai acordar de madrugada. Isso vai atrapalhar a consolidação do sono noturno”, diz o médico.

    Pois é, com sono não se brinca, ainda mais em ano de vestibular, caso da dorminhoca Justine. “Pode estudar, o vestibular te espera”, fala a mãe para a estudante.

    Fonte Fantástico

    Tags: , , , , , , , , , , , , ,

  • Um estudo com 20 mil mulheres revelou uma associação entre a iniciação sexual precoce e índices mais elevados de câncer do colo do útero. O objetivo da pesquisa era entender por que mulheres mais pobres correm maior risco de desenvolver esse tipo de câncer. Os especialistas constataram que essas mulheres tendem a iniciar sua vida sexual em média quatro anos antes do que mulheres de classes sociais mais elevadas.

    Por conta disso, elas entrariam em contato mais cedo com o vírus que leva ao desenvolvimento do câncer do colo do útero, dando ao vírus mais tempo para produzir a longa cadeia de eventos que, anos mais tarde, levaria ao câncer.

    Acreditava-se anteriormente que a disparidade era resultado de baixos índices de controle preventivo em regiões mais pobres. O estudo, feito pela International Agency for Research on Cancer, parte da Organização Mundial de Saúde (OMS), foi publicado na revista científica British Journal of Cancer.

    Embora a diferença na incidência do câncer do colo do útero entre ricos e pobres – verificada em todo o mundo – tenha sido constatada há muitos anos, os cientistas não sabiam explicá-la.

    Especialmente porque os índices de infecção pelo vírus HPV (sigla inglesa para papiloma vírus humano) – uma infecção transmitida sexualmente que é responsável pela maioria dos casos de câncer do colo do útero – pareciam ser semelhantes em todos os grupos.

    O estudo confirmou que os índices mais altos de câncer do colo do útero não estavam associados à maior incidência de infecção pelo HPV. O que a pesquisa revelou foi que o risco, duas vezes mais alto, é explicado pelo fato de que mulheres mais pobres iniciam sua vida sexual mais cedo. A idade em que uma mulher tem seu primeiro filho também pareceu ser um fator importante.

    O estudo revelou que exames preventivos, como o Papa Nicolau, exercem um certo efeito sobre o nível de risco. Mas o número de parceiros sexuais que uma mulher tem, e o hábito de fumar, não pareceram interferir nos resultados.
    Risco maior aos 20 anos do que aos 25 anos

    A responsável pelo estudo, Silvia Franceschi, disse que os resultados não se aplicam apenas a jovens adolescentes. Por exemplo, o risco de desenvolver câncer do colo do útero também é maior em mulheres que tiveram sua primeira relação sexual aos 20 ao invés dos 25 anos.

    – No nosso estudo, mulheres mais pobres se tornaram sexualmente ativas em média quatro anos antes. Então, elas também podem ter sido infectadas pelo HPV mais cedo, dando ao vírus mais tempo para realizar a longa sequência de eventos que são necessários para o desenvolvimento do câncer – explica Silvia.

    A representante da entidade britânica de pesquisas sobre o câncer Cancer Research UK, Lesley Walker, disse que o estudo levanta questões importantes:

    – Embora mulheres possam ser infectadas pelo HPV a qualquer idade, a infecção em idade menor pode ser especialmente perigosa, já que (o vírus) tem mais tempo para causar os danos que levam ao câncer. Os resultados parecem reforçar a necessidade de vacinação contra o HPV em escolas, antes que (as meninas) comecem a ter relações sexuais, especialmente entre meninas de áreas mais pobres.

    Fonte BBC Brasil

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , ,