• foto-imagem-ar-condicionado-mulheresNão é à toa que a temperatura do ar-condicionado seja motivo de disputa entre homens e mulheres dentro dos escritórios. Enquanto elas preferem, em média, uma temperatura de 25ºC, eles se sentem mais confortáveis com uma temperatura de 22ºC.

    Cientistas da Universidade de Maastricht, na Holanda, resolveram se debruçar sobre o tema para verificar se os edifícios comerciais não estariam gastando mais energia do que o necessário em sistemas de refrigeração que não levam em conta o conforto de todos.

    O que os pesquisadores descobriram é que o sistema de controle de temperatura usado pela maioria dos edifícios comerciais, desenvolvido na década de 1960, é baseado na taxa metabólica de um homem de 40 anos pesando 70 kg.

    Eles resolveram testar se esses valores de referência coincidiam com os encontrados em mulheres jovens durante o expediente em um escritório. Foram analisadas 16 mulheres com esse perfil e a conclusão foi que a taxa metabólica delas era menor do que os valores padrão. Por isso elas se sentem desconfotáveis com as temperaturas mais baixas adotadas pela maioria dos escritórios.

    Segundo os autores, os resultados mostram a importância de usar a taxa metabólica real das pessoas que trabalham naquele ambiente para calcular a temperatura ideal, e não um padrão que só leva em conta o conforto térmico dos homens.

    Além de melhorar o bem-estar dos ocupantes do ambiente de trabalho, essa mudança poderia levar a uma economia no gasto de energia das empresas. Os autores lembram que o consumo de energia de prédios residenciais e comerciais corresponde a cerca de 30% do total de emissões de CO2.

    Portanto, adequar os sistemas de controle de temperatura dos escritórios pode levar também a uma contribuição importante para o meio ambiente. Os resultados do estudo foram publicados na revista “Nature Climate Change” nesta segunda-feira (3).

    Tags: , , , ,

  • Cientistas australianos estão mais próximos de sintetizar uma pílula anticoncepcional para homens – mas o medicamento ainda levará mais de dez anos para chegar às farmácias.

    foto-imagem-pilulas

    Os pesquisadores da Universidade Monash, em Melbourne, encontraram uma forma reversível de impedir que os espermatozóides saiam junto com a ejaculação, sem afetar a função sexual.

    Testes em animais mostraram que o esperma pode ser mantido “em estoque” durante a relação.

    A busca por um anticoncepcional masculino até o momento se concentrou em pesquisar como os homens poderiam produzir espermatozóides não-funcionais.

    Mas, alguns medicamentos usados com este objetivo também tinham efeitos colaterais considerados “intoleráveis”, segundo Sabatino Ventura, um dos pesquisadores da Universidade Monash.

    Estes medicamentos provocavam a infertilidade, mas também afetavam o apetite sexual ou causavam alterações permanentes na produção dos esperma.

    A descoberta foi publicada na revista especializada Proceedings of the National Academy of Sciences.

    Estoque
    Para chegar a este novo anticoncepcional masculino, os pesquisadores australianos tentaram uma abordagem diferente. Normalmente o esperma sai da “área de estoque” no canal deferente antes da ejaculação.

    O grupo de pesquisadores produziu camundongos geneticamente modificados que não conseguiam expelir o esperma para fora do canal deferente.

    “O esperma fica no local de estocagem então, quando o camundongo ejacula, não há esperma, ele é estéril”, disse Ventura à BBC.

    “É facilmente reversível e o esperma não é afetado, mas precisamos mostrar que podemos fazer isto em termos farmacológicos, provavelmente com dois medicamentos”, acrescentou.

    Até o momento o grupo de pesquisas fez com que os camundongos ficassem estéreis mudando o DNA dos roedores para que eles parassem de produzir duas proteínas necessárias para mover o esperma.

    Agora, os cientistas precisam descobrir duas drogas que possam produzir o mesmo efeito. Eles acreditam que uma delas já foi desenvolvida e é usada há décadas em pacientes com crescimento benigno da próstata.

    Mas, a descoberta do segundo medicamento necessário pode levar até uma década.

    O processo descoberto pelos cientistas australianos também não é totalmente livre de efeitos colaterais. As proteínas que foram alteradas pelos cientistas têm um papel no controle dos vasos sanguíneos, então os efeitos colaterais poderão afetar a pressão e o batimento cardíaco.

    Mas, pelo menos nos camundongos, a única alteração detectada foi uma queda “muito pequena” na pressão sanguínea. Também pode haver uma alteração no volume da ejaculação.

    “É um estudo muito bom, quase como uma vasectomia biológica, que impede a saída do esperma”, afirmou Allan Pacey, palestrante de andrologia na Universidade de Sheffield, na Inglaterra.

    “É uma boa ideia, mas eles precisam continuar (com a pesquisa) e observar o que faz com as pessoas”, acrescentou.

    Tags: , , , , , , ,

  • foto-imagem-geneticaOs pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Harvard descobriram que pessoas que têm mais gordura no fígado, tecidos musculares e no sangue têm também mais gordura na medula óssea, o tecido esponjoso dentro dos ossos onde surgem as células responsáveis pela formação óssea.

    Para chegar à conclusão, uma equipe de cientistas fez exames de ressonância magnética em 106 homens e mulheres de entre 19 e 45 anos, considerados obesos, mas saudáveis.

    A conclusão é que há uma relação entre a maior presença de gordura no fígado e nos músculos e a existência de mais gordura na medula óssea ? independentemente do índice de massa corporal, da idade ou da quantidade de exercícios físicos que a pessoa diz fazer.

    ‘Ossos gordos’

    Segundo Miriam Bredella, que liderou o estudo, “antigamente se pensava que a obesidade ajudava a proteger contra o enfraquecimento dos ossos”, disse Bredella. “Nós descobrimos que isso não é verdade.”

    “No nosso estudo, nós nos concentramos na gordura da medula óssea porque é lá que nossas células-tronco podem se transformar em osteoblastos – as células responsáveis pelos ossos – ou em células de gordura.”

    “A presença de gordura na medula óssea faz com que os ossos fiquem fracos. Se você tem uma coluna vertebral que está cheia de gordura, ela não será tão forte”, disse a cientista.

    Ainda de acordo com Bredella, as pessoas cujo corpo tem o formato de uma maçã, com a gordura localizada em volta da cintura, podem ter um risco maior de desenvolver a doença nos ossos.

    Como não podemos escolher para onde vão os quilos a mais e a gordura, a única possibilidade de minimizar esse risco seria permanecer em forma, disseram os pesquisadores responsáveis pelo estudo.

    A pesquisa foi divulgada na publicação científica Radiology.

    Tags: , , , , , , , , ,

  • Homens que perdem cabelo no topo da cabeça têm mais chances de sofrer de problemas cardíacos, segundo um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Tóquio, no Japão.

    foto-imagem-homem-calvo

    A pesquisa, que analisou 37 mil homens, sugere que os calvos tem 32% mais probabilidade de desenvolver males do coração. O estudo foi divulgado na publicação online britânica BMJ Open.

    Apesar de terem concluído que há uma relação entre a escassez de cabelos e doenças coronárias, os pesquisadores ponderam que o risco desses males é maior em fumantes e obesos.

    “Nós encontramos um elo (entre calvície e problemas do coração), mas ele não é tão forte quanto outros, como fumo, altos níveis de colesterol, pressão alta e obesidade”, afirmou à BBC o pesquisador Tomohide Yamada, da Universidade de Tóquio.

    A mudança da estrutura capilar é uma realidade para muitos homens. Grande parte fica com o cabelo mais ralo aos 50 anos e, aos 70, cerca de 80% sofrem de alguma perda capilar.

    No entanto, o estudo sugere que homens com “entradas” não correriam mais riscos de desenvolver as doenças.

    Vida saudável

    Yamada enfatizou que homens jovens com perda de cabelo no topo da cabeça deveriam levar um estilo de vida saudável, mas descartou que eles devem ser examinados apenas para tentar identificar problemas cardíacos.

    Os pesquisadores afirmam que não há uma explicação clara para os resultados do estudo, acrescentando que entre as possíveis causas estariam aumento da sensibilidade aos hormônios masculinos, resistência à insulina e inflamação dos vasos sanguíneos.

    A enfermeira-cardiologista Doireann Maddock, da British Heart Foundation, disse que apesar de os resultados serem interessantes, homens que perdem cabelos “não devem ficar assustados” com a conclusão da pesquisa.

    “Outros estudos ainda devem ser feitos para confirmar a ligação entre calvície e problemas cardíacos. Por enquanto, é mais importante prestar atenção na circunferência (barriga) do que na perda capilar”.

    Ela acrescenta: “perda de cabelo hereditária pode estar fora do seu controle, mas muitos outros fatores de risco para doenças coronárias não estão. Parar de fumar, manter um peso saudável e ser o mais ativo possível são coisas que podem ser feitas para proteger seu coração”.

    Tags: , , , , ,

  • A vacina contra quatro tipos de Papilomavírus Humano (HPV), disponível em Portugal desde 2007 para o sexo feminino, vai estar disponível também para homens. De acordo com um estudo da Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP), o HPV provoca anualmente mais de 11 mil novos casos de lesões genitais no sexo masculino.

    De acordo com o comunicado do Portal de Oncologia Português (POP), a vacina, até agora indicada para mulheres até aos 45 anos, vai poder ser aplicada em homens, para que beneficiem de proteção dos tipos 6, 11, 16 e 18 do vírus.

    O POP refere que a infeção é muito frequente, “estimando-se que 75 a 80% dos homens e mulheres sexualmente ativos sejam infetados pelo HPV ao longo da vida”. A ideia de que o homem é apenas transmissor do vírus é errada, uma vez que também eles são afetados, podendo sofrer vários tipos de cancro e outras doenças genitais.

    O estudo da ENSP indica ainda que os condilomas genitais são a doença por HPV mais frequente em Portugal, surgindo em cerca de 11.100 novos casos por ano no sexo masculino, o que representa um custo de cerca de 2,5 milhões de euros em diagnóstico e tratamento.

    Os dados preliminares do estudo “HPV Vaccination – Quantitative Market Assessment for Boys and Young Men”, conduzido pelo IFOP (Market Research and Opinion Poll Institute) e pela Sanofi Pasteur MSD, apontam para que apenas 50% dos homens portugueses, com idades entre os 18 e 26 anos, tenham conhecimento da existência do HPV.

    Do grupo que conhece o HPV, apenas 55% acredita estar em risco de contacto com o vírus. Quando confrontados com o facto de o HPV causar cancros e doenças genitais também no sexo masculino, 68% dos homens portugueses mostram-se surpreendidos.

    Com a nova indicação da vacina, dados do mesmo estudo estimam que 85% dos homens portugueses são favoráveis ou muito favoráveis à vacinação contra o HPV.

    Tags: , , , , , , , , ,

  • Segundo laboratório, fármaco age em 15 minutos, tempo inferior ao dos principais concorrentes

    O laboratório americano de biotecnologia Vivus apresentou neste mês uma nova análise de um teste clínico realizado com o Avanafil, fármaco experimental contra a impotência, que atuaria 15 minutos depois do consumo –ou seja, mais rápido que o Viagra, o Cialis e o Levitra.

    “A amplitude do Avanafil nos primeiros 15 minutos foi surpreendente”, afirma Leland Wilson, presidente do Vivus, num comunicado que detalha resultados do teste clínico de fase 3 –a última antes da autorização da FDA (Food and Drug Administration), agência de regulação de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos.

    “Estes novos dados vêm confirmar as características do Avanafil e suas diferenças com os demais fármacos usados por via oral atualmente no mercado para tratar a impotência”, salientou Wilson.

    Fonte Planeta Médico

    Tags: , , , , , , , , ,

  • Galera, dá sim para ficar com um corpo sarado, sem fazer uso de bombas, demora um pouco, e não se iludam com o ganho rápido dos anabolizantes, por que com saúde nunca devemos brincar!!!
    O-modelo-Richeli-Murari-venceu-etapa-SP-do-Concurso-Garoto-Garota-Fitness-2009-titulo-para-mostrar-que-e-possivel-ter-musculos-e-barriga-tanquinho-sem-usar-anabolizantes-Foto-Claudia-Silveira

    Nutricionista ouviu cem praticantes de musculação em Campinas.
    Estudo indica que maioria dos que usam ergogênicos não tem orientação.

    Pesquisa realizada com cem homens maiores de 18 anos e praticantes de musculação em dez academias de Campinas, a 93 km de São Paulo, constatou que 68% deles consomem substâncias ergogênicas, aquelas que melhoram o desempenho físico. Desses homens que consomem, 10% assumiram usar anabolizantes e 9% estimulantes, como a anfetamina e efedrina.

    A pesquisa foi realizada pela nutricionista Adriana Camurça Pontes Siqueira, que defendeu tese de doutorado na Faculdade de Engenharia de Alimentos da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O resultado surpreendeu a pesquisadora, que não esperava um consumo tão alto dessas substâncias. “Esperava um índice alto, mas nem tanto”, diz.

    De acordo com a pesquisa, os entrevistados passaram a consumir substâncias ergogênicas em busca de aumento da força e da agressividade, além da redução da fadiga. O problema, constatou Adriana, é que a maioria não consultou um médico ou nutricionista antes e buscou informações apenas com o professor da academia: apenas 12% consultavam nutricionistas e 3% procuraram um médico para ter orientação.

    Após as entrevistas, Adriana percebeu que os rapazes sabiam na ponta da língua os benefícios dessas substâncias, mas, de acordo com a pesquisa, não tinham conhecimento sobre os riscos.

    O modelo Richeli Murari, de 29 anos, conhece bem esta conversa. Por frequentar academias de ginástica seis dias por semana, ele costuma ouvir colegas detalhando os efeitos dos anabolizantes. “Mas eles não têm certeza sobre o mal que faz e se preocupam apenas com o risco de impotência”, detalha.

    Murari, que foi eleito Garoto Fitness 2009 na etapa paulista do concurso, usa o título e a forma física para mostrar que é possível exibir músculos e barriga tanquinho sem consumir substâncias como os anabolizantes. “Faço o tipo saudável e ouço muitos garotos com menos de 22 anos, em média, perguntando como fazer para conseguir os músculos. Tento explicar que não é rápido, que levei dez anos trabalhando nisso”, conta o jovem.

    A endocrinologista Ruth Clapauch explica que o consumo de substâncias ergogênicas nem sempre é prejudicial à saúde. O risco está em usá-las sem acompanhamento médico e em doses muito mais altas do que o indicado para o organismo.

    “As doses com recomendação médica, geralmente, são muito menores do que as doses que frequentadores de academia querem para ter resultados rápidos”, observa a médica, que é vice-presidente do Departamento de Endocrinologia Feminina e Andrologia da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM).

    Riscos

    Entre as consequências no uso indiscriminado de substâncias ergogênicas, a nutricionista Adriana cita sobrecarga hepática e renal, desidratação, perda de cálcio, gota, além dos efeitos gastrintestinais, como diarréia e edema abdominal. Os prejuízos podem vir tão rápidamente quanto os benefícios, dependendo da dose ingerida, orienta a endocrinologista.

    A endocrinologista Ruth Clapauch orienta frequentadores de academia a desconfiar de produtos que aparentemente são denominados de suplementos vitamínicos. “Esses produtos podem trazer várias substâncias que não são detalhadas, como os esteróides, Um rótulo não vai ser específico e dizer, por exemplo, que ‘este produto contém anabolizante’”. Mesmo sendo contra o uso, uma pessoa pode consumir os anabolizantes sem saber, achando que ingere apenas suplemento vitamínico.

    Fonte G1

    Tags: , , , , , , ,

  • Foto-cancer-de-prostata-homemUrologistas enfatizam os elevados índices de cura quando diagnóstico é realizado precocemente; exames preventivos são fundamentais para evitar a doença

    Durante muito tempo, por falta de métodos precisos de diagnóstico e de tratamentos eficazes, o câncer de próstata foi considerado uma sentença de morte. Hoje, dos cerca de 200 tipos de câncer, o de próstata está entre os mais curáveis, desde que diagnosticado em estágio inicial. “Atualmente, o risco de um homem morrer de câncer de próstata é de 3%” afirma o médico Eriston Uhmann, diretor do Hospital Urológico de Brasília.

    Estimativas mundiais da doença apontam que um a cada seis homens terá câncer de próstata, sendo esse o tumor mais frequente no universo masculino. “Mais de 50% de homens acima de 80 anos apresentam doença microscópica, ou seja, sem sintomas“, complementa Dr. Eriston. Entre os principais fatores de risco estão, a idade e o histórico familiar.

    “É de extrema importância a realização de visitas regulares ao urologista a partir dos 40 anos, porque na fase inicial não observamos sintomas”, afirma Dr. Eriston. Em estágio mais avançado da doença podem surgir sintomas urinários irritativos e obstrutivos, como ardência ou dificuldade ao urinar. “É possível também apresentar dor nos ossos, isso quando já ocorreu metástase óssea“, acrescenta o urologista.

    Tratamento

    Após o diagnóstico, que é realizado com exames de rotina e biopsia, o câncer deve ser classificado e, normalmente, para cada caso existe mais de uma opção de tratamento. “O médico deve discutir com o paciente as opções e a probabilidade de cura”, destaca Dr. Eriston. A modalidade padrão para o tratamento do câncer de próstata é a cirurgia aberta, chamada de prostatectomia radical, que é a retirada cirúrgica de toda a próstata. Essa mesma cirurgia pode ser feita através da videolaparoscopia, sendo menos agressiva ao paciente.

    Segundo o especialista, em casos nos quais não há a retirada total do tumor, é indicado um tratamento complementar com radioterapia externa e medicamentos. “Para câncer de próstata em fase inicial, tanto a cirurgia radical como a braquiterapia, apresentam bons resultados, mas o tratamento tem características distintas. Enquanto a cirurgia é uma técnica extirpativa, a braquiterapia usa a radiação ionizante para matar o tumor dentro do próprio órgão sendo, portanto, menos agressiva”, finaliza Dr. Eriston.

    Fonte Planeta Médico

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  • Dicas, Medicina 18.11.2009 No Comments

    sexo-viagra-feminino-flibanserin-droga-experimental

    Uma droga criada como antidepressivo se mostrou eficiente no tratamento da baixa libido em mulheres.

    Em testes, o flibanserin mostrou ser capaz de aumentar a libido em mulheres testadas que reportavam pouco desejo sexual. No geral, elas tiveram aumento significativo na libido e na quantidade de experiências sexuais satisfatórias.

    Assim como o Viagra, droga masculina que trata a disfunção erétil, o poder do flibanserin foi descoberto sem querer. Enquanto a pílula azul era testada para tratamentos de pressão, a nova droga deveria tratar a depressão quando foi constatado um dos efeitos colaterais.

    Daí o apelido de “Viagra para mulheres” dado pela equipe de pesquisadores liderada por John M. Thorp Jr., da Universidade da Carolina do Norte: a queda na libido é o problema sexual mais comum entre as mulheres, da mesma forma que a disfunção erétil é para os homens.

    Nos Estados Unidos, a falta de desejo sexual afeta de 9% a 26% das mulheres; no Brasil, segundo Projeto Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, 22% das mulheres de todas as idades têm problemas relacionados ao desejo sexual.

    Com o flibaserin, quatro testes foram realizados nos Estados Unidos, Canadá e Europa com1946 mulheres em pré-menopausa com mais de 18 anos. Elas foram divididas para receber placebo e a droga durante 24 semanas, com quatro semanas de acompanhamento pré tratamento o mesmo período de tempo de medições e acompanhamentos após.

    Inicialmente, foram usadas quatro dosagens: 25 miligramas duas vezes ao dia, 50 miligramas uma vez antes de dormir, 50 miligramas duas vezes ao dia e 100 miligramas antes de dormir. As dosagens que totalizavam a ingestão de 50 miligramas ao dia não se mostraram eficiente, mas as de 100 sim. Os resultados, portanto, se referem a três dos quatro grupos de testes baseados em dosagens de 100 miligramas uma vez ao dia.

    Os testes mediram mudanças em seis variáveis, entre elas o número de eventos sexuais satisfatórios, o nível de desejo, o nível de estresse relacionado às disfunções e medições específicas da libido.

    A conclusão é a de que as mulheres tratadas com flibanserin uma vez ao dia, quando comparadas às que ingeriram o placebo, tiveram uma melhora significativa no número de relações sexuais satisfatórios e no desejo sexual, além da diminuição do estresse relacionado às disfunções.

    Esses são os primeiros testes que comprovam a eficácia de uma terapia que atua no cérebro aumentando a libido em mulheres que se queixavam de pouco desejo sexual. O flibanserin ainda é uma droga experimental, não comercializável, mas os resultados do estudo foram apresentados ontem, no Congresso da Sociedade Européia de Medicina Sexual, em Lyon, França.

    Fonte Info

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , ,