• Julho Amarelo, o mês de conscientização das hepatites virais, veio com uma novidade para os brasileiros com hepatite C. Desde o início do mês, dois novos remédios estão sendo distribuídos no SUS – eles são mais cômodos e altamente eficazes contra diferentes genótipos (subtipos) do vírus.

    Segundo o pregão que definiu a compra desses medicamentos pelo Ministério da Saúde, os pacientes com o genótipo 1 – que corresponde a cerca de 75% dos casos – agora têm acesso à droga Harvoni, que reúne as moléculas sofosbuvir e ledispavir. Juntas, elas atacam o vírus C por diferentes vias, com uma chance de cura acima de 95%.

    “Trata-se de um comprimido só, o que facilita a adesão do indivíduo”, afirma o hepatologista Raymundo Paraná, da Universidade Federal da Bahia.
    Já para os outros genótipos, quem entra agora em cena é o Epclusa, um remédio que carrega as moléculas sofosbuvir e velpatasvir. “Ele também age muito bem contra o genótipo 1, porém o governo optou por não utilizá-lo nesses episódios pelo preço um pouco mais alto”, afirma Eric Bassetti, diretor médico da Gilead, a farmacêutica que detém a patente das duas medicações.

    Veja: enquanto o Harvoni vai custar aos cofres públicos 1 148,12 dólares a cada paciente, o Epclusa sai por 1 470 dólares. Isso para 12 semanas de tratamento – o prazo pode se estender ou até ser abreviado a depender de algumas características do paciente e da enfermidade.

    “Além da comodidade, vejo uma vantagem maior para as pessoas com o genótipo 3 do vírus, o segundo mais comum no nosso país”, afirma Paraná. “As opções disponíveis antes eram menos eficientes do que o tratamento atual, que fica em 95% de chance de cura”, completa.

    O tratamento na prática

    Os remédios mais modernos abrem as portas para um cenário de controle da hepatite C – não à toa, há o plano de eliminação da doença até 2030, encabeçado pela Organização Mundial da Saúde e apoiado pelo governo brasileiro.

    O problema: para usarmos essas novas armas, os pacientes precisam ser diagnosticados. A hepatite C é uma infecção silenciosa, que só apresenta sintomas mais claros (pele amarelada, náusea, urina escura…) quando o fígado está bastante comprometido. E as drogas atuais, embora arrasem o vírus, não são capazes de anular os danos que ele provocou ao longo de décadas.

    Portanto, a chave para o bom tratamento é o diagnóstico precoce. Desde 2016, o Conselho Federal de Medicina recomenda que todo doutor, não importa a especialidade, deveria conversar com qualquer paciente sobre os exames para hepatite C – e para sífilis, HIV e hepatite B.

    Infelizmente, estima-se que apenas 25% dos brasileiros com hepatite C saibam ter a doença. “Para complicar, aproximadamente 70% deles não inicia o tratamento”, completa Bassetti.

    Por quê? Entre os motivos, há todo um protocolo de atendimento que, se não for bem encadeado, acaba fazendo o paciente desistir em alguma das etapas.

    Funciona assim: se o teste rápido der positivo, o indivíduo é encaminhado para realizar um exame mais complexo, que confirma a presença do vírus no organismo. Aí, ele passa por mais um exame de sangue, que define o genótipo do vírus.

    Por fim, o paciente é submetido a outra técnica com o objetivo de detectar o grau de lesão no fígado. E só então recebe a sua prescrição (que ainda precisa ser seguida à risca). Agora imagine todo esse vaivém em diferentes cenários no Brasil.

    “Sem uma política de estado para a assistência básica, não vamos resolver esse problema”, sentencia Paraná. “A vítima de uma doença silenciosa precisa ser bem encaminhada ao longo de todo o caminho no SUS para não abandonar o tratamento”, complementa.

    De acordo com o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, lançado no dia 22 de julho de 2019, o vírus C é o que mais mata entre as hepatites. De 2000 a 2017, foram 53 715 óbitos. Os remédios são uma parte importante na contenção desse número – mas não resolverão a questão por si sós.

    Tags: , , ,

  • foto-imagem-hepatite cUma mutação do vírus da hepatite C (HCV) pode estar ligada ao surgimento de câncer de fígado em pacientes brasileiros, informa pesquisa do Instituto Oswaldo Cruz. O estudo, publicado em fevereiro no Journal of Medical Virology, aponta para a descoberta de um marcador precoce desse tipo de câncer em pessoas com hepatite viral crônica — o câncer se mostrou mais comum em portadores do subtipo 1b do vírus com a mutação chamada R70Q.

    O biólogo Oscar Rafael Carmo Araújo, que defendeu dissertação de mestrado sobre o tema, analisou amostras de sangue de 106 pacientes infectados pelo HCV em tratamento no Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, da Universidade Federal do Rio — 40 tinham tumor no fígado, 40 cirrose (estágio que precede o aparecimento do câncer) e 26 não tinham câncer nem cirrose.

    Do total, 41 estavam contaminados por um subtipo do vírus da hepatite C, o genótipo 1b. Foi o grupo que se mostrou mais suscetível ao agravamento da doença, quando havia a presença da mutação R70Q. Desses 41, 30 tinham câncer ou cirrose — ao se analisar o DNA do vírus, a mutação estava presente em metade dos casos.

    Dos pacientes que foram contaminados pela cepa 1b e tinham câncer, 42,9% apresentavam o vírus com a mutação. Entre aqueles com cirrose, a mutação aparecia em 56,3%. Já no grupo que tinha o vírus 1b da hepatite C, mas não tinha cirrose ou câncer, a R70Q só aparecia em 9,1%. Pacientes contaminados pelos genótipos 1a e 3a também apresentaram a mutação R70Q, mas os casos de câncer e cirrose entre esses pacientes não foi estatisticamente significante.

    Netinho: suposto uso de anabolizante pode estar relacionado a câncer no fígado e outras doenças graves

    A ligação entre a mutação do vírus 1b e o surgimento do câncer de fígado em pacientes com hepatite C já havia sido descrita em pesquisas feitas no Japão, explica a pesquisadora Natalia Motta de Araujo, coordenadora do estudo.

    — Mas foi a primeira vez que se mostrou essa associação também em pacientes brasileiros. ?A taxa de sobrevida do paciente com câncer de fígado cai na medida em que a doença se desenvolve mais. É uma doença silenciosa, o que dificulta o diagnóstico. Queríamos encontrar um marcador que pudesse sinalizar para a possibilidade do aparecimento do câncer?.

    [adrotate banner=”2″]

    Hepatite, álcool e anabolizantes são fatores de risco para câncer como de Maria Melilo

    Dados da American Cancer Society apontam que a sobrevida dos pacientes, cinco anos após a descoberta do tumor, é de 15%. Essa proporção sobe para 50% se o câncer for descoberto em estágio inicial e alcança 70% se o paciente passou por transplante.

    Natalia ressalta que a descoberta da associação entre a mutação genética e o hepatocarcinoma não impede o surgimento do câncer. ?

    — É um dado a mais para levar o médico a ficar mais atento, a pedir exames que podem identificar o tumor precocemente?.

    A hepatite C é a principal causa de câncer de fígado no Brasil, e responde por 54% dos casos. Em seguida, vêm hepatite B (16%) e alcoolismo (14%).

    Próximo passo

    Na próxima fase do estudo, os pesquisadores vão analisar também os fatores que levam ao desenvolvimento do câncer.

    Tags: , , , , ,