• Crianças de todas as idades precisam ser incentivadas a praticar atividades físicas. E elas devem ser agradáveis e apropriadas ao seu crescimento e desenvolvimento, além de respeitar suas limitações. Podemos incluir aqui caminhadas, jogos, brincadeiras, danças, esportes e outros exercícios que fortalecem os músculos e os ossos.

    A aptidão física da criança ou do adolescente tem de ser estimulada com o objetivo de encorajar a adoção de um estilo de vida saudável, que contemple a prática de exercícios ao longo da fase adulta e na maturidade. Trata-se de um fator importante inclusive para a prevenção ou controle da obesidade infantil, tão frequente atualmente.

    Há consenso nos estudos de que atividades que visam o ganho de força e a resistência muscular (caso da própria musculação) são benéficas para crianças e adolescentes por auxiliar em uma série de questões ligadas à saúde:

    Desenvolvimento corporal
    Equilíbrio
    Concentração
    Ganho de massa óssea
    Controle do peso
    Flexibilidade
    Redução do risco de lesões
    Aumento da força muscular
    Controle do colesterol

    A recomendação para a população infantil é praticar ao menos 60 minutos de atividades físicas (moderadas a vigorosas) ao dia. Vale pedalar, nadar, correr, saltar… A partir dos 6 anos de idade, a musculação pode ser considerada. O ponto é que a musculação se mostra segura e eficiente para crianças e adolescentes, desde que sistematizada e orientada de perto por um profissional especializado.

    De acordo com o Colégio Americano de Medicina Esportiva e outros guias, crianças e adolescentes devem fazer atividades de força e resistência para os principais grupos musculares de duas a três vezes por semana, respeitando um dia de intervalo entre os treinamentos para o descanso da musculatura.

    As sessões devem durar até 50 minutos e contar com duas a quatro séries de exercícios. A orientação é realizar de oito a 15 repetições por série, com carga moderada e foco no aperfeiçoamento do movimento. Nos outros períodos deve-se incentivar a prática das modalidades que estimulam o convívio social (como os jogos coletivos) e a coordenação motora.

    Agora, a Sociedade Brasileira de Pediatria orienta que meninos antes do estirão do crescimento (normalmente, entre 14 e 15 anos) e meninas antes da primeira menstruação não pratiquem musculação sem a devida supervisão e orientação. Isso porque atividades de intensidade moderada e vigorosa podem interferir na liberação e circulação do hormônio do crescimento. Se forem realizados de forma extenuante, exercícios podem, portanto, levar a um comprometimento do ganho de altura, sem contar as lesões osteomusculares.

    Assim, consultar sempre o pediatra antes de dar início à atividade física regular e contar com supervisão adequada durante os exercícios de força ou musculação são medidas importantes para que crianças e adolescentes se desenvolvam sem riscos.

    Tags: , , , ,

  • cross-fit-tecnica-57501

    Crossfit – Técnica

    Na segunda parte da sessão, o professor introduz uma série de movimentos que, nos dias seguintes, poderá ser incluída no WOD (veja a seguir). O foco, nesse momento, está na precisão dos gestos. “Se a técnica não é ensinada corretamente, há um grande risco de lesões”, alerta o educador físico Murilo Drago, do Esporte Clube Pinheiros.

    mulher-em-caiaque-57528

    Atividades ao ar livre

    “Existem evidências de que o exercício outdoor gera mais prazer”, comenta Tony Meireles, da UFPE. Quando os esportes são realizados em parques, calçadões, pistas ou até na água ? no caso de canoagem e passeios de caiaque ?, eles se transformam em algo pra lá de lúdico. Sem contar que, ao fugir das quatro paredes, fica fácil juntar amigos e familiares na hora de suar a camisa.

    mulher-fazendo-agachamento-57495

    Crossfit – aquecimento

    A aula começa com exercícios menos vigorosos ? mas que, atenção, não são leves ?, como três séries de flexões de braço ou 30 agachamentos utilizando o próprio peso. “A meta é elevar a temperatura do corpo, preparando músculos e articulações para as etapas que virão”, descreve o educador físico André Turatti, da Companhia Athletica, na capital paulista.

    mulher-fazendo-flexao-57505

    Um novo jeito de trabalhar o corpo vem chacoalhando a ciência do esporte. Seu nome é treino intervalado de alta intensidade ? e a prova de que ele deve ganhar espaço em 2014 vem de uma enquete promovida pelo Colégio Americano de Medicina do Esporte, realizada com mais de 3.800 profissionais da área. O objetivo dos especialistas era justamente apontar quais modalidades lotarão academias, parques, quadras e pistas no ano que vem. Para surpresa da própria entidade, o primeiro lugar ficou com essa prática já em franca ascensão.

    Esse tipo de treino aposta em atividades vigorosíssimas e que se valem de movimentos que fortalecem o corpo inteiro de uma só vez. A malhação convencional, ao contrário, costuma adotar um ritmo moderado e trabalhar grupos musculares isoladamente. “O princípio básico da nova modalidade é oscilar entre estímulos muito intensos e breves períodos de descanso”, define o professor de educação física Tony Meireles, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Hoje, seu principal expoente no Brasil se chama Crossfit.

    mulher-fazendo-spinning-57504

    Crossfit – Workout of the day

    WOD é sigla para workout of the day, ou exercício do dia. É a parte central do Crossfit. Os participantes precisam realizar uma missão no menor tempo e na maior intensidade possível. O WOD é modificado a cada aula. “A falta de rotina é algo desafiador, que foge do comum, e agrada a muita gente”, elogia Caio Revite, educador físico da Reebok Sports Club, em São Paulo.

    mulher-jogando-tenis-57525

    Treino dirigido para um esporte

    A ideia é apostar em práticas específicas que melhoram o desempenho em uma modalidade. Um tenista, por exemplo, necessita de braços firmes para dar raquetadas certeiras. Então, ele adota um trabalho de fortalecimento que prioriza os membros superiores. “Mas a estratégia é mais indicada para atletas”, opina o fisiologista Claudio Pavanelli, do Clube de Regatas do Flamengo.

    mulher-praticando-core-training-57497

    Core training

    Nosso corpo reúne 29 pares de músculos na região do abdômen, das costas, dos glúteos e da pelve. Tudo isso forma o chamado core. “Quando bem trabalhado, ele dá sustentação à coluna e centraliza as forças do aparelho locomotor”, ensina Guiselini. Acontece que, durante muito tempo, o core foi negligenciado pelos treinos tradicionais. Nos últimos anos, porém, as academias criaram aulas focadas no fortalecimento da área. Os exercícios se valem de bases instáveis, como a bola de ginástica e a cama elástica.

    mulher-praticando-cross-fit-57506

    Por uma malhação segura

    À primeira vista, um esforço tão extenuante como o exigido pelo Crossfit parece perigoso, o que leva à falsa noção de que sujeitos sedentários, com problemas de saúde ou acima dos 60 anos seriam proibidos de realizá-los. “Porém, como os tiros são curtos e há um período de relaxamento, o risco de complicações é pequeno”, garante o cardiologista Daniel Kopiler, diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte.

    O segredo está na adaptação do treinamento. Enquanto uma pessoa em ótima forma costuma pegar mais pesado nos exercícios, outra menos preparada terá de maneirar nas anilhas ? embora ambas possam executar os mesmos movimentos. Ou seja, conversar com profissionais de educação física capacitados é primordial para ajustar a atividade às suas características. “Além disso, recomendamos um checkup completo antes de iniciar o treino”, prescreve o médico do esporte Ricardo Nahas, do Hospital 9 de Julho, em São Paulo. Com esses cuidados, a nova febre das academias tem tudo para continuar por anos no topo do ranking.

    A seguir, saiba mais sobre o Crossfit, treino intervalado de alta intensidade baseado nos exercícios militares americanos. Veja também quais são as outras modalidades mais citadas pelos experts do Colégio Americano de Medicina do Esporte, que devem virar tendência no próximo ano.

    mulher-praticando-ioga-57498

    Ioga

    O documento americano enaltece a prática oriental por sua capacidade de reinvenção. Unindo amplitude e meditação, instrutores sempre apresentam posições e movimentos inéditos aos praticantes de ioga. “E ela é indicada para todas as idades, porque alivia o estresse, ajusta a postura e atenua as dores lombares”, ressalta o professor de ioga Marcos Rojo, da Universidade de São Paulo.

    musculacao-57499

    Musculação

    Os bons e velhos exercícios de força continuam em destaque. Eles têm como base o treinamento em aparelhos de ginástica e trabalham grupos musculares isoladamente. Isso proporciona um ganho de músculos e facilita o emagrecimento. “Quanto mais massa magra, maior a queima de gordura”, esclarece Anderson Cunha, educador físico da rede Smart Fit, no Rio de Janeiro.

    treinamento-funcional-57503

    Body Weight e treinamento funcional

    Diferentemente do Crossfit, eles quase não lançam mão de equipamentos ? muitas vezes, só uma cadeira já é suficiente. “Esses programas de exercício utilizam o peso do próprio corpo, sem muitos acessórios ou máquinas”, conta o educador físico Mauro Guiselini, das Faculdades Metropolitanas Unidas (FMU), em São Paulo. Agachamentos, saltos, alongamentos e corridas são alguns dos desafios propostos por essas atividades

    Tags: , , , , , , ,

  • O trabalho, publicado na revista científica Circulation, constatou que pessoas que faziam as duas horas e meia de exercícios recomendadas apresentavam índices menores de marcadores inflamatórios em seu sangue.

    Os marcadores inflamatórios são importantes porque, segundo os especialistas, sua presença em grandes quantidades foi associada a um aumento nos riscos de problemas cardiológicos.

    A pesquisa contou com a participação de mais de 4 mil pessoas e foi conduzida por cientistas da University College London, em Londres.

    A descoberta não é inédita, uma vez que outros estudos já comprovaram os imensos benefícios para a saúde dos exercícios físicos, porém pesquisadores puderam verificar a redução dos problemas cardíacos mesmo para aquelas pessoas que começam a praticá-los na meia-idade.

    A boa notícia é de que não é preciso fazer exercícios pesados na academia – caminhadas vigorosas e até jardinagem já contam para preencher a cota de duas horas e meia de atividade moderada por semana, acrescentaram os especialistas.

    A equipe explicou, no entanto, que o estudo se focou em indicadores de problemas cardíacos de maneira geral e não sobre doenças do coração específicas, e que são necessárias mais pesquisas sobre o assunto.

    Além disso, o estudo se baseou em relatos dos próprios participantes sobre a quantidade de exercícios que fizeram. É sabido que as pessoas tendem a superestimar a quantidade de exercícios que fazem.

    Mexa-se

    Os participantes que disseram ter praticado a quantidade recomendada de exercícios durante os dez anos de duração do estudo apresentaram os índices mais baixos de marcadores inflamatórios.

    Até aqueles que disseram ter começado a fazer os exercícios bem depois dos 40 apresentaram melhorias. Eles tinham menores índices de marcadores inflamatórios do que os participantes que relataram nunca ter feito exercícios suficientes.

    Os resultados se mantiveram mesmo quando os pesquisadores levaram em consideração outros fatores, como obesidade e o hábito de fumar.
    “Deveríamos estar encorajando mais pessoas a ficar ativas”, disse Mark Hamer, chefe do estudo. “Por exemplo, a andar em vez de pegar o ônibus. Você pode beneficiar sua saúde com atividades moderadas em qualquer momento da sua vida”.

    Tags: , ,

  • 1. Você deveria comer mais ovoNão há melhor símbolo para ilustrar e começar a reportagem do que esse alimento. Por décadas, ele permaneceu à margem daquilo que é considerado um cardápio saudável. A má reputação parecia ter motivo. Afinal, o ovo era encarado como um poço de colesterol. A absolvição veio quando cientistas descobriram um composto especial em sua fórmula: a lecitina. “Trata-se de um emulsificante natural de gordura, que inibe a absorção do colesterol no intestino”, explica Rosana Perim, gerente de nutrição do Hospital do Coração, na capital paulista. Com seu retorno triunfal ao menu, uma porção de nutrientes do bem ficou disponível. “Ele é fonte de minerais e proteínas, das quais a albumina é o destaque. Também reúne vitaminas A, D e as do complexo B”, descreve a nutricionista Ana Clara Martins, professora da Universidade Federal de Goiás. Mas atenção: como a gema é rica em colesterol, recomenda-se não exagerar todo dia, especialmente se a dieta já for composta de carne, leite e queijos gordurosos. Três unidades semanais já são um prato cheio para a saúde.

    2. Quem tem doença séria precisa malhar
    “Sob a alegação de que o corpo deveria guardar suas energias, já foi padrão prescrever repouso absoluto em casos como câncer ou infarto”, relata Moisés da Cunha Lima, fisiatra do Hospital Nove de Julho, em São Paulo. Mas trabalhos científicos ao redor do globo derrubaram essa tese. “Obviamente há restrições e cuidados especiais logo após o diagnóstico, mas manter-se em movimento, hoje, é parte integrante do tratamento de vários males considerados graves”, reforça Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, em Salvador. Uma das razões para essa quebra de paradigma é que as atividades físicas aplacam as dores, a fadiga, o estresse e a perda de massa muscular, sintomas pra lá de comuns quando um problema sério dá as caras. Aliás, elas são cada vez mais vistas como um remédio eficaz para atuar diretamente nas enfermidades, já que fortificam o sistema imunológico, regulam os batimentos cardíacos, promovem emagrecimento…

    3. Cuidado com o excesso de exames
    Um trabalho americano assinado por nove sociedades médicas avaliou 1 200 indivíduos submetidos a uma bateria de testes e concluiu que, na maioria dos casos, as informações obtidas eram irrelevantes. O problema é que, além de expor as pessoas à radiação nos exames de imagem, pecar pelo excesso atrapalha a busca pelo diagnóstico porque pode desviar o foco inicial da investigação ou gerar resultados falsos positivos – quando acusam uma doença inexistente. “Assim como remédios, os exames têm indicações específicas e contraindicações”, afirma o clínico-geral Nelson Carvalhaes, do laboratório Fleury, na capital paulista. “Conhecer bem o paciente e seu histórico corresponde a 90% do diagnóstico”, diz Paulo Olzon, clínico-geral da Universidade Federal de São Paulo. O excesso não é bom.

    4. Tratar problemas antes de aparecerem
    Pré-diabete, pré-hipertensão… Houve uma época em que, na ausência desses nomes criados para designar um estágio que antecede o problema propriamente dito, o médico esperava o diagnóstico e, só aí, traçava o plano terapêutico. Hoje, as mudanças no estilo de vida e, se necessário, a prescrição de medicamentos são cobradas antes de os exames cravarem os valores da doença em si. “Os pré-diabéticos têm só metade do seu pâncreas produzindo insulina, e os estudos mostram que, entre eles, as taxas de mortalidade são mais altas”, exemplifica o endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri, da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto. “Não por menos já receitamos a esses pacientes remédios para melhorar a ação da insulina”, diz.

    5. Veneno dá origem a novos remédios
    Um escorpião que guarda em sua peçonha uma promessa e tanto contra a pressão alta, uma aranha cuja toxina estimula a ereção e outro aracnídeo que tem, em seu veneno, compostos bactericidas. Os bichos citados acima e suas aplicações terapêuticas são objetos de estudo do laboratório da professora Maria Elena de Lima, do Departamento de Bioquímica e Imunologia da Universidade Federal de Minas Gerais. E dão ideia de como pode ser aproveitada uma exímia fonte de novas drogas: os venenos animais. Tanto no Brasil como lá fora são realizadas pesquisas com esse material oferecido por cobras, insetos e companhia. “Ao analisar os venenos e seu efeito sobre o organismo, conseguimos descobrir outros mecanismos de ação para remédios ou criar fármacos com as substâncias encontradas”, explica Maria Elena. Ainda na década de 1960, um médico brasileiro desvendou, pelo veneno da jararaca, a base para um medicamento que se tornou um dos principais recursos contra a hipertensão. Mas há casos em que a doença resiste a ele. Em breve, porém, um escorpião poderá oferecer o antídoto para driblar o problema.

    6. Limpeza demais prejudica
    Criar o pequeno em ambientes muito limpos propicia uma situação indesejada: o sistema imune da criança fica destreinado para enfrentar germes e, pior, tende a disparar reações alérgicas diante de substâncias inócuas. É o que propõe a “teoria da higiene”, que ganha força com um estudo da Universidade Harvard, nos Estados Unidos. Ao deixar ratos – cujas células de defesa são parecidas com as nossas – em um local estéril, observou-se que esses animais apresentavam mais doenças inflamatórias no intestino e nos pulmões do que os largados em habitat normal. Lógico que ninguém defende conviver com a sujeira 24 horas por dia. “Cuidados como lavar as mãos após as brincadeiras devem ser mantidos”, orienta a alergologista Renata Cocco, da Universidade Federal de São Paulo.

    Amizade animal Crescer com um pet em casa é um modo divertido de entrar em contato com micro-organismos e substâncias que ajudam o sistema imune a se desenvolver. Com a vantagem de que essa relação desperta afeto e senso de responsabilidade.

    7. Evite carne grelhada demais
    Não vá pensando que você pode se esbaldar de fritura. A melhor forma de degustar carne ainda é na versão grelhada. Mas no ponto certo. Torrar demais leva à produção de substâncias nocivas – caso das aminas heterocíclicas, apontadas como patrocinadoras de males neurodegenerativos. “O ideal é que não fique nem cru nem muito passado. Ou seja, o cozimento deve ser suficiente para fazer o interior da carne mudar de cor, mas sem apresentar sinais de tempo excessivo no fogo, como aparência queimada, ressecamento e rigidez”, ensina Gilberto Simeone, professor do curso de nutrição da Escola de Enfermagem da Universidade Federal de Minas Gerais.

    8. Vício por comida deve ser tratado
    Embora a compulsão alimentar tenha sido descrita há algumas décadas, só agora passará a integrar o manual que serve de referência internacional para o manejo das desordens psiquiátricas. A condição é marcada por ataques periódicos e recorrentes de gula, com direito a iguarias estranhas. “Entre os obesos que procuram tratamento para o excesso de peso, a prevalência da compulsão é de 30%”, conta o psiquiatra Adriano Segal, do Hospital das Clínicas de São Paulo. Esse quadro requer orientação especializada. “Podemos indicar sessões de terapia cognitivo-comportamental e receitar remédios como inibidores de apetite e antidepressivos”, esclarece Segal.

    9. Todo mundo tem que consumir gordura
    O nutriente tão censurado em regimes da moda deve, sim, fazer parte da dieta. Com bom senso, é claro. O primeiro passo para um consumo inteligente é entender que há mais de uma versão de gordura dando sopa por aí e cada uma merece seu espaço no dia a dia (confira no slideshow abaixo). A mono e a poli-insaturada, por exemplo, têm prioridade. “A primeira evita a formação de placas nos vasos e, por isso, auxilia a prevenir complicações cardiovasculares”, informa a nutricionista Samantha Rhein, professora do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo. “Já a segunda combate inflamações, melhora o controle da pressão e contribui para a integridade do sistema nervoso.” A saturada demanda mais controle. “Em excesso, ela coloca o coração em risco”, avisa Ana Paula Chacra, cardiologista do Instituto do Coração de São Paulo. O perigo maior mora na trans – aquela dos alimentos industrializados. É que, além de elevar os níveis do colesterol ruim (LDL), ela derruba os do bom (HDL). Esta é melhor esquecer.

    Ômegas em desequilíbrio Das poli-insaturadas, duas versões sobressaem: o ômega-3, dos peixes de água fria, e o ômega-6, dos óleos vegetais. O problema é que consumimos muito mais o tipo 6. “Essa desproporção pode potencializar os riscos cardiovasculares”, avisa a nutricionista Samantha Rhein.

    10. Videogame pode ser saudável
    Os novos consoles exigem do jogador muito movimento e preparo físico. Se antes era necessário deslocar somente os dedos, sentado confortavelmente no sofá, agora o desafio é superar os obstáculos do jogo remexendo o esqueleto. E isso, para começar, resulta num belo gasto de calorias. “Ao se exercitar com o videogame em intensidade moderada por um tempo prolongado, já é possível melhorar o condicionamento”, atesta o cardiologista Daniel Kopiler, chefe do Serviço de Reabilitação Cardíaca do Instituto Nacional de Cardiologia. Se os golpes, corridas e danças virtuais ainda não substituem em 100% os esportes tradicionais, no mínimo afastam o sedentarismo e promovem bem-estar, sobretudo para os idosos. “Os games aperfeiçoam o caminhar e o equilíbrio em pessoas com idade avançada”, confirma o geriatra Virgílio Garcia Moreira, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Hoje, eles já são usados inclusive como ferramenta na recuperação de pacientes que sofreram baques como um derrame.

    11. Exercício em excesso faz mal
    A resistência dos triatletas passa a ideia de que eles são extremamente saudáveis. Mas na Universidade Cruzeiro do Sul, em São Paulo, pesquisadores avaliaram o sistema imunológico desses atletas e, depois, compararam-no com o de idosas que faziam atividades físicas leves. “Acredite se quiser: as defesas das senhoras estavam mais preparadas para combater infecções do que as dos esportistas”, revela a educadora física Tânia Pithon-Curi, que coordenou o trabalho. E isso é apenas um exemplo. Se suar a camisa moderadamente traz benesses dos pés à cabeça, o exagero é um tiro pela culatra, como você verá na tabela à direita. “Daí a importância de buscar profissionais que tracem os limites segundo as características do indivíduo”, salienta Jomar Souza.

    12. Parto normal depois da cesárea
    As mães de segunda viagem podem escolher o parto natural mesmo que o primogênito tenha nascido de cesariana. O grande temor, há alguns anos, era o rompimento da cicatriz uterina do primeiro procedimento. “Mas agora sabemos que é possível fazer um parto normal, com anestesia, dois anos depois da cesárea”, esclarece o obstetra Luiz Fernando Leite, do Hospital e Maternidade Santa Joana, em São Paulo. É por meio de uma conversa com o médico que fica definido se o bebê pode vir ao mundo sem cirurgia. “Tudo deve ser acompanhado de perto no hospital, que está munido dos equipamentos necessários para possíveis emergências”, ressalta a obstetra Márcia Maria da Costa, do Hospital e Maternidade São Luiz, na capital paulista.

    Tags: , , , , , , , , ,

  • Dores intensas em alguma parte da cabeça por várias horas, sensibilidade à luz ou a sons, tonturas, irritação, alteração do apetite e, em crises mais graves, náuseas e vômitos. Esses são os sintomas mais comuns da enxaqueca, doença que atinge grande parte da população. Segundo estatísticas, o “tormento” acomete 80% das pessoas que sofrem com dores crônicas.

    A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que a enxaqueca e as diversas cefaleias existentes atormentam 93% da população mundial, afetando mais as mulheres, na proporção de duas a três para cada homem. E o mais grave é que, na maioria dos casos, a enxaqueca costuma ser tratada como uma simples dor de cabeça. Contudo, a enxaqueca é mais complexa e requer tratamento médico específico. De acordo com especialistas, um dos melhores remédios naturais contra a doença é a prática de atividade física, especialmente os exercícios aeróbicos.

    Um estudo conduzido por pesquisadores do Instituto de Psicologia Médica na Alemanha encontrou, em 2010, resultados que comprovam a tese de que a atividade aeróbica é eficaz no combate ao incômodo. Oito pacientes com episódios recorrentes de enxaqueca foram submetidos a três sessões de exercícios semanais com 50 minutos de duração cada, por 10 semanas. As sessões consistiam em um aquecimento de 10 minutos, 30 minutos de corrida leve e 10 minutos de diminuição gradativa da intensidade. Nas primeiras cinco semanas, os pacientes fizeram um programa de adaptação, alternando corrida e caminhada, até que estivessem aptos a trotar durante 30 minutos ininterruptos. Enquanto isso, outro grupo de oito pacientes com histórico similar de episódios de enxaqueca não se exercitou, sendo denominado como grupo controle.

    Os pesquisadores observaram que, enquanto o grupo controle continuou sofrendo uma média de quatro enxaquecas por mês, o grupo que se exercitou diminuiu as ocorrências pela metade, ou seja, dois episódios a cada mês. Além disso, a intensidade e a duração dos episódios de enxaqueca também sofreram diminuição significativa.

    Os resultados mostram que o exercício aeróbio atua de forma benéfica para atenuar a frequência, intensidade e duração das dores de cabeça. Tanto neurologistas, quanto outros profissionais que estudam os efeitos da atividade física na saúde aconselham que se evite a automedicação, já que a recorrência das dores faz com que os remédios viciem e podem causar a dor crônica, muito mais difícil de ser tratada. A atividade aeróbica neste é bem mais segura e tem resultados comprovados. Se tiver que viciar em algo, que seja na corrida.

    Tags: , , , ,


  • Exames de ressonância magnética de 40 atletas que se preparavam para participar de eventos esportivos extremos, como triatlos ou competições de ciclismo em montanha, revelaram que a maioria apresentava distensões no músculo cardíaco.

    A maior parte se recuperou completamente depois de uma semana, mas cinco dos atletas, que vinham treinando há mais tempo, apresentaram cicatrizes – possivelmente um indício de danos permanentes.

    A equipe da Universidade de Melbourne disse à revista científica European Heart Journal que as alterações encontradas poderiam, no futuro, provocar problemas cardíacos como a arritmia.

    Mas eles enfatizaram que não se deve concluir, com base nesse estudo, que esportes extremos sejam ruins para a saúde.

    Para a maioria dos atletas, uma combinação de treinamento sensato e recuperação adequada deve trazer melhorias na função do músculo cardíaco, os pesquisadores disseram.

    A equipe disse que são necessários mais estudos.

    Treinamento extremo

    O diretor médico da Maratona de Londres, Sanjay Sharma, disse que os resultados convidam à reflexão, mas concordou que é preciso fazer mais pesquisas.

    “Minha opinião é de que exercícios extremos provavelmente causam danos ao coração em alguns atletas. Não acredito que o corpo humano seja desenhado para (suportar) exercícios durante até 11 horas por dia, então danos ao coração não são implausíveis.”

    Shama disse, no entanto, que era cedo para dizer se a prática de esportes radicais causa danos a longo prazo.

    Doireann Maddock, representante da British Heart Foundation, disse que as pessoas não devem deixar de fazer exercícios com base no novo estudo.

    “É importante lembrar que os benefícios da atividade física para a saúde estão bem estabelecidos. Os atletas altamente treinados envolvidos nesse estudo estavam competindo em eventos de longa distância e treinavam mais de dez horas por semana”, afirmou.

    “Mais pesquisas de longo prazo serão necessárias para determinar se os exercícios extremos podem causar danos ao ventrículo direito em alguns dos atletas.”

    Formato alterado

    Como parte do estudo, os cientistas avaliaram os atletas duas semanas antes das competições, imediatamente após os eventos e cerca de uma semana depois.
    Logo após a competição, os corações dos atletas tinham o formato alterado. O ventrículo direito do órgão – uma das quatro câmaras do coração envolvidas em bombear o sangue pelo corpo – parecia dilatado e não funcionava tão bem como nas semanas que antecederam a competição.

    Níveis de uma substância química chamada BNP (Peptídeo Natriurético tipo B), que é fabricada pelo coração em resposta a distensões extremas, haviam aumentado.

    Uma semana mais tarde, os corações dos atletas haviam voltado à condição em que estavam antes da competição.

    Nos cinco atletas que vinham treinando e competindo há mais tempo, os exames revelaram indícios de cicatrizes no tecido cardíaco. Além disso, a função do ventrículo direito nesses atletas continuava diminuída em comparação com os resultados anteriores ao evento.

    “É importante lembrar que os benefícios da atividade física para a saúde são bem estabelecidos. Os atletas altamente treinados envolvidos nesse estudo estavam competindo em eventos de longa distância e treinavam mais de dez horas por semana. Mais pesquisas de longo prazo serão necessárias para determinar se os exercícios extremos podem causar danos ao ventrículo direito em alguns dos atletas”

    Tags: , ,


  • Praticar uma atividade física duas horas e meia por semana desempenha papel essencial na prevenção do câncer, em particular do cólon e de mama, estima a OMS (Organização Mundial da Saúde), em estudo publicado nesta sexta-feira.

    O presidente da UICC (União Internacional contra o Câncer), Eduardo Cazap, diz que “25% desses tumores poderiam ser evitados”.

    De acordo com a OMS, pessoas de mais de 18 anos que fazem ao menos 150 minutos de atividade física aeróbica por semana pode reduzir o risco desses tipos de câncer e também de outras doenças, como diabetes e problemas cardíacos.

    Para crianças e adolescentes de cinco a 17 anos, a recomendação é de 60 minutos de exercícios. O papel da atividade física na prevenção desses dois tipos de doença foi provado cientificamente, lembrou Cazap.

    De acordo com a OMS, o sedentarismo é o quarto maior fator de risco de morte no mundo, mas 31% da população mundial não é fisicamente ativa.

    Segundo os dados da OMS, cerca de 460 mil mulheres morreram por câncer de mama em 2008, enquanto que 610 mil pessoas morreram por tumor colorretal.

    Tags: , , , , , , , , ,

  • Doenças, saúde 18.05.2010 1 Comment

    Endocrinologista e profissional de Educação Física alertam sobre os cuidados e destacam como a prática de exercícios pode mudar a qualidade de vida de um idoso.

    Mais do que nunca os idosos estão investindo nos avanços da medicina e em uma vida mais ativa para se manter longe dos problemas que antes eram relacionados à idade. Mas, para se viver a chamada “melhor idade” plenamente, é fundamental a prática de exercícios físicos!

    “Os benefícios de incluir atividades na sua rotina são muitos. Dentre eles, o aumento da densidade de minerais ósseos, o que auxilia no tratamento da osteoporose, por exemplo, e a conquista de mais vitalidade e força para exercer as atividades diárias, como descer e subir escadas, ir ao banheiro sozinho, sentar e levantar”, destaca Patrícia Carneiro, Gerente da A! BodyTech (Unidade Goiânia).

    E as vantagens não param por aí: “Os exercícios físicos ajudam a diminuir a intensidade de doenças cardiovasculares e hipertensão e, ainda, diminuem os riscos de infarto, derrame e diabetes, principalmente para aqueles que já apresentam pré-disposição para a doença. A melhor tática é optar pela combinação de exercícios aeróbicos com os exercícios de força”, completa o Dr. Haroldo Souza, endocrinologista.

    Se para você, os exercícios de força não combinam com este grupo de pessoas, o melhor é se atualizar. “Antigamente, a maioria dos idosos preferia exercícios mais leves, como a hidroginástica. Porém, o que temos percebido é uma migração de grande parte deles para as aulas de musculação, exatamente por indicação médica”, ressalta Patrícia.

    Segundo ela, ainda existe, sim, aquele grupo que prefere os aeróbicos, mas isto já não é uma regra, como acontecia antes: “Elevação da taxa de colesterol, triglicerídeos e ácido úrico, por exemplo, são problemas comuns na terceira de idade que podem ser combatidos apenas com este tipo de atividade. Os prediletos são exercícios na bicicleta e na esteira, a própria hidroginástica e, atualmente, aulas de ritmos, o que inclui a dança de salão”.

    E as melhoras vão além da parte física. “Com a idade, é maior o risco de depressão ou outras doenças causadas por questões emocionais. Ao se manter em plena atividade o idoso consegue espantar este tipo de doença e se mantém em contato com o mundo. Ele cuida da saúde e da mente ao mesmo tempo”, ressalta o Dr. Haroldo.

    Contudo, o Endocrinologista alerta sobre a importância de escolher uma academia que tenha infra-estrutura para este público: “Os idosos demandam uma atenção maior de seus professores. Existe o problema das cargas, que devem ser menores, o monitoramento constante da pressão, dos batimentos cardíacos, enfim, eles exigem uma série de cuidados diferenciados, típicos deste grupo. Se em uma academia normal o número de alunos é 20 por professor, ao se tratar da terceira idade deve ser 4 ou 6 por professor, por exemplo”.

    Por isso, a dica é tentar freqüentar as academias fora de seus horários de pico, aproveitando a flexibilidade de horário que este grupo de pessoas costuma ter, e se cercar de todos os cuidados necessários. “A escolha de profissionais habilitados e competentes é que garantirá que os exercícios surtirão o efeito desejado”, conclui Patrícia.

    Fonte Sua Dieta

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  • Esta pergunta é feita praticamente por todas as pessoas que me procuram para emagrecer. Em seguida, geralmente vem à afirmação: “Eu tenho o metabolismo lento”.

    Muitos não tem certeza, mas pelo fato de não estar eliminando peso já “culpam” o metabolismo. Diante disso é preciso analisar se realmente a pessoa está seguindo a proposta alimentar corretamente.

    Uma forma de acelerar o metabolismo é praticando exercícios regularmente, assim se gasta mais calorias. Comer várias vezes ao dia também, pois o organismo a cada 2 ou 3 horas (depende do intervalo das suas refeições), estará trabalhando para fazer a digestão e queimar as calorias e assim se torna mais ativo.

    Alguns alimentos considerados como termogênicos, de acordo com alguns estudos, também provocam um gasto calórico, mas na minha opinião seria necessário um consumo elevado para que esse gasto fosse relevante.

    Outra situação muito comum que acontece é a seguinte, o indivíduo faz uma restrição calórica excessiva quando começa uma dieta, querendo obter o emagrecimento o quanto mais rápido possível, no início o organismo responde bem, mas com o passar do tempo, começa estacionar, ou seja, entra no efeito platô, porque ele se acostuma com aquela quantidade ingerida, só que o indivíduo não tem o que fazer, pois não tem como diminuir ainda mais as calorias.

    Nessa situação o melhor a fazer é aumentar as calorias e depois de um tempo diminuir devagar.

    Por isso muito cuidado com dietas muito restritas e não almeje eliminar peso muito rápido, o correto é que a redução de calorias aconteça aos poucos, até que se conquiste a meta de peso.

    Medicamentos, alterações na tireóide, estresse e outros fatores também podem alterar o metabolismo, por isso, analise bem se realmente o seu metabolismo é lento e faça as atitudes ou tratamento correto para acelerá-lo.

    Fonte Cyberdiet

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,