Arquivo da tag: Especialistas

Teste mostra que pão integral tem mais farinha branca do que o não refinado

[adrotate banner=”2″]O pão integral industrializado não é tão integral assim, mostra análise da Proteste (órgão de defesa do consumidor). Quatro entre sete marcas testadas têm mais farinha tradicional do que a não refinada na composição.

A análise mediu a quantidade de fibras dos produtos (todos tinham mais do que o indicado no rótulo) e avaliou a lista de ingredientes da embalagem que, por determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, devem ser organizados em ordem decrescente de quantidade.

“Em quatro marcas, o primeiro item da lista é a farinha refinada. Não é o que se espera de um pão integral”, diz Manuela Dias, nutricionista e pesquisadora da Proteste.

O resultado evidencia a falta de regulamentação do setor e levanta a questão: quanto de grãos não processados um alimento precisa ter para ser vendido como “integral”?

As normas brasileiras ignoram o tema. “Faltam parâmetros. O consumidor não sabe o que compra”, critica Dias.

Outros países têm normas específicas sobre isso. Nos EUA, o pão integral de trigo só pode levar esse nome se for produzido apenas com farinha integral. Na Holanda, apenas pães feitos com 100% de grãos não processados ganham o rótulo de integrais.

A nutricionista Tatiana Barão diz que um produto rico em farinha branca não oferece os benefícios daquele feito principalmente com trigo não processado.

Em geral, pães integrais industrializados usam entre 40% e 70% de trigo não refinado, segundo a nutricionista Raquel Pimentel. A farinha branca é adicionada para prolongar a data de validade e melhorar a aparência.

“O pão 100% integral é mais duro e quebradiço e pode ter sabor forte”, diz Barão.

O trigo não refinado preserva parte da casca do cereal, além do gérmen. É onde estão os principais nutrientes, lembra Pimentel. “Vitamina E, B12 e minerais”, lista.

O pão integral tem mais fibras que o outro, o que ajuda no funcionamento do intestino, prolonga a sensação de saciedade (as fibras são digeridas devagar) e ajuda a manter estáveis os níveis de glicemia no sangue. “O pão branco é rico em amido, que é absorvido rapidamente e resulta em picos glicêmicos, o que pode levar ao diabetes”, diz Lara Natacci, nutricionista.

Para as especialistas, não há problemas no fato de os pães testados terem mais fibras do que o indicado no rótulo. “O medo é que o rótulo esteja errado também nas quantidades de sódio e de gordura“, afirma Pimentel.

pesquisa-proteste-marcas-de-pao

OUTRO LADO

Em nota, a Wickbold disse que não divulga dados sobre a proporção de ingredientes utilizados em seus produtos. Além disso, afirma que os pães da marca que levam o nome “integral” utilizam fibra de trigo ou fibra de trigo com outros cereais integrais na sua formulação, seguindo a legislação brasileira.

A fabricante informa que realiza análises laboratoriais anuais do produto analizado pela Proteste e que os resultados são diferentes dos apresentados pela organização.

“Conforme análises laboratoriais, o peso máximo [de fibras] detectado em 50 gramas do produto desde 2001 foi 3,8, e não 4,7, como indicado no resultado da Proteste. É uma variação inferior aos 20% determinados pela legislação brasileira, dado que comprova que o pão está de acordo com as normas estabelecidas.”

Representantes da Líder Minas, fabricante do pão Milani, informaram que a empresa utiliza entre 23% e 25% de farinha integral no produto avaliado pela Proteste.

A Bimbo do Brasil, que detém as marcas Firenze, Plus Vita e Nutrella, informou em nota que segue as regras para produtos integrais da organização internacional Whole Grains Council.

Procurada pela Folha, a Bread Life não respondeu. Os representantes da GrãoLev não foram encontrados.

A Vigilância Sanitária informou que pretende rever a regulamentação dos produtos integrais, mas o tema não está na agenda deste ano.

Como eliminar mofo e alergias – Especialistas dão dicas de como combater a doença

[adrotate banner=”2″]Em dias de chuva, junto com a umidade, vem o mofo, um fungo que pode provocar crises de alergia ou até uma infecção mais grave, como a pneumonite.

Para falar sobre o assunto e explicar as maneiras de evitar problemas como rinite, bronquite e sinusite, o  imunologista e alergista Fábio Castro, do Hospital das Clínicas, e o infectologista Caio Rosenthal, que também é consultor.

Em pessoas alérgicas, segundo os médicos, o fungo e a poeira agem como um gatilho, desencadeando essas reações. Os agentes entram pelas vias aéreas respiratórias (nariz e boca) quando o ar é inalado. Os pelos e o muco dessas regiões servem de proteção, filtro, aquecedor e umidificador do ar. Porém, quando os fungos encontram uma situação favorável – como a baixa umidade – no rosto ou nos pulmões, acabam desenvolvendo doenças.

A primeira atitude do organismo é expulsar os invasores. Se a barreira da pele e das mucosas não funcionar, os anticorpos e as células entram em ação. É por isso que a pessoa com alergia costuma tossir, espirrar ou ter coriza. Mas, se o corpo não conseguir eliminar esses agentes, o pulmão pode ser atacado e iniciar uma pneumonia, por exemplo.

A rinite atinge cerca de 30% a 40% da população mundial, de acordo com Castro. E também é comum confundi-la com gripe ou resfriado.

Quanto ao mofo, de acordo com os médicos, há maneiras eficientes e baratas de acabar com ele, como impermeabilizar as paredes.

Para uma casa de dois quartos, com 40 metros quadrados, o custo é de R$ 200. Se o serviço for feito durante a construção, sai mais ou menos 2% do gasto total da obra. Se ocorrer depois, sobe para 12%.

Em Nazaré Paulista (SP), a 100 quilômetros da capital, a repórter Marina Araújo foi conferir como os moradores convivem com o mofo e o que fazem para se livrar dele. Para roupas brancas, é recomendado lavá-las com água sanitária – que também pode ser usada nas paredes.

As coloridas podem ser limpas com suco de limão, e as sintéticas, com leite.

Fonte: G1

Dicas que como recuperar a pele danificada pelo excesso de sol – Especialistas ajudam a combater os principais problemas da estação

[adrotate banner=”2″]É do tipo que não perde uma praia? Então sua pele não deve ter tido descanso nos últimos meses. Sem a cautela necessária, a irradiação solar pode causar ardência, descamação, ressecamento, manchas e até brotoejas. Com a proximidade do fim do verão, reunimos abaixo dicas de dermatologistas para recuperar a pele de quem esqueceu de se proteger nesta estação.

 

 

Confira:

foto-imagem-pele-queimada-bronzeada-do-sol

Foto pele bronzeada

Pele queimada e ardida

Logo após a queimadura solar, antes de descascar, a pele tende a ficar avermelhada e ardida. Neste caso, o dermatologista Jardis Volpe, da Clínica Volpe, alerta para o perigo de utilizar receitas caseiras na hora de tratar o problema: “não se deve passar, de jeito nenhum, óleo de cozinha, pasta de dente ou quaisquer outras receitas populares que não sejam os medicamentos indicados”. O profissional indica produtos com calamina, uma substância calmante eficaz contra queimaduras de sol. Em casos mais graves, deve-se procurar um médico para avaliar a necessidade de um antiinflamatório. “Esse processo de queimadura pode desencadear uma inflamação, que é o que causa a insolação e a febre em alguns casos”, explica Jardis Volpe.

 

imagem-pele-descascada

Imagem pele descascada

Pele descascada

Quando a pele está descamando após a queimadura solar, Jardis Volpe recomenda evitar banhos quentes. “A água quente deixa a pele ainda mais espessada e ressecada”, diz ele. O ideal é tomar banhos mornos a frios e usar um hidratante corporal logo depois. No verão, o médico indica loções calmantes leves, fluidas e com toque refrescante. Os produtos de consistência pesada podem causar acne nessa época do ano. “Uma dica legal é colocar o hidratante na porta do refrigerador, para ficar geladinho e aliviar aquela sensação de pele quente”, aponta Jardis.

Se a pele estiver muito ressecada, evite usar sabonete no corpo. “Passe apenas na região das axilas, virilhas, mãos e pés. No restante do corpo, faça a higienização com um óleo de banho. O sabonete tem uma propriedade adstringente que pode agredir a pele quando ela está muito seca e descamativa, podendo até causar algum tipo de dermatite”, explica o médico.

foto-imagem-labios-ressecados

Imagem lábios ressecados

Lábios ressecados

Segundo Jardis Volpe, a mucosa do lábio está sujeita ao câncer de pele como qualquer outra parte do corpo e, por isso, é muito importante usar um protetor solar labial na hora de se expor ao sol – que, geralmente, é em formato de stick e aplicado como batom. Para tratar o lábio já detonado pelo sol, o especialista explica que a maioria dos produtos disponíveis no mercado brasileiro é à base de óleo mineral, enquanto na Europa utiliza-se a cera vegetal mais comumente. “A cosmética dos produtos à base de cera vegetal é melhor, porque o óleo mineral hidrata o lábio apenas a curto prazo. Pouco tempo depois de aplicado, tem-se novamente uma sensação de ressecamento da mucosa”, explica.

Uma boa alternativa para hidratar os lábios são pomadas como Bepantol e Hipoglós, fáceis de encontrar em qualquer drogaria. “São produtos cicatrizantes, com vitaminas hidratantes e propriedades reparadoras muito fortes. Apesar de não serem adaptadas para o lábio, essas pomadas refazem o epitélio da pele quando há um trauma e são um ótimo quebra-galho”, diz Jardis Volpe, que indica, ainda, o lip balm Ceralip, da La Roche-Posay. “É em formato de bisnaga e tem uma cosmética excelente”, aponta o médico.

foto-imagem-mancha-na-pele

Imagem mancha na pele

Manchas

Quando as manchas são sardas, que ocorrem por predisposição individual e apenas escurecem temporariamente com o sol, é mais fácil de resolver. “Diminuímos as sardas acentuadas pela ação do sol com cremes clareadores ou tratamentos a laser”, explica Jardis Volpe. Quando a mancha é um melasma, problema agravado pela gravidez e pílulas anticoncepcionais, não só o sol mas também o calor em si são grandes vilões. “Por isso, algumas pessoas vão à praia, passam filtro solar e mesmo assim têm essas manchas acentuadas. É porque o calor também propicia o aumento do melasma”, explica Jardis. Para diminuir esse tipo de mancha, deve-se evitar calor, sol e, além do filtro convencional, utilizar proteção solar de via oral prescrita por um médico. “São vitaminas que têm um papel antioxidante que atua reduzindo a formação do pigmento. Elas têm um papel não de substituir o protetor tópico, mas de auxiliar no tratamento de doenças agravadas pelo sol”, explica o especialista.

foto-imagem-tratamento-na-pele

Tratamento de pele

Tratamentos de reparo

Alguns tratamentos com lasers e peelings são indicados para reconstituir a pele danificada pela radiação solar, água do mar e outros malefícios cumulativos desses três meses de verão intenso. A dermatologista Denise Barcelos, da Clínica Paula Bellotti, indica o laser fracionado de CO2, técnica nova no mercado que devolve o viço e a firmeza da pele fotodanificada. “Essa tecnologia envolve um laser profundo que você pode graduar, tornando-o mais suave. Ela promove a regeneração das camadas da pele, como se você arrancasse a parte danificada e produzisse uma pele nova e saudável. Como é mais profundo que os lasers antigos, esse tratamento, além de remover a epiderme danificada, faz uma remodelação de colágeno, conferindo um efeito de rejuvenescimento”, explica a especialista. Feito com um aparelho chamado Repair, o laser fracionado é aplicado em 1 a 5 sessões de, mais ou menos, uma hora e meia (uma hora apenas para o creme anestésico). O preço varia entre R$ 3.400,00 e R$ 5.400,00 e é indicado para pessoas a partir de 25 anos.

foto-imagem-tratamento-na-pele-brotoejas

Tratamento na pele: brotoejas

Brotoejas

Engana-se quem pensa que as brotoejas só aparecem em bebês e crianças. Causada pelo entupimento das glândulas sudoríparas, o problema é comum no verão – sendo, inclusive, agravado pelo uso excessivo de filtro solar e até hidratantes, que podem entupir as glândulas. Denise Barcelos diz que a principal ação para tratar as brotoejas é arejar a área lesionada. Em crianças, a especialista recomenda abolir o uso de calcinhas, cuecas e outras peças que abafem o local. “Deve-se passar uma loção hidratante à base de calamina também e, em casos mais graves, pode-se misturar corticóide à loção, com orientação médica”, explica Denise.

Quarto ideal para dormir – Especialistas explicam como deve ser o ambiente para um sono tranquilo – Aprenda a evitar a insônia.


Você sempre deverá levar em consideração no ambiente em que dorme.
Tudo influencia: o travesseiro, o colchão, a luminosidade, barulho e até as cores da parede. Aprenda a evitar a insônia.

[adrotate banner=”2″]Insônia é um problemão. Atinge milhões de brasileiros de todas as idades. O que se pode fazer para melhorar a quantidade e a qualidade do sono?

Médicos da USP de Ribeirão Preto descobriram que o local onde a pessoa dorme afeta diretamente a qualidade do sono. Segundo eles, o ideal é um quarto com temperatura adequada, sem barulho e nenhuma luz.

No começo é só um pontinho brilhante no meio da escuridão. Mas, sem que percebam, as pessoas deixam o quarto mais iluminado e desconfortável. A cama fica no meio de um painel luminoso. Há luzes do DVD, do celular, do computador, do som.

O estudante Ícaro Bernucci Ferracini coloca a cabeça no travesseiro, mas o sono não vem. Falta carneirinho para contar. É muito estímulo na hora em que é preciso se desligar de tudo.
“O computador fica ligado, eu deixo baixando filme, música. No dia seguinte eu acordo cansado”, comenta o estudante Ícaro Bernucci Ferracini.

Três situações resumem o que é insônia: demorar para pegar no sono, acordar várias vezes à noite e antes do que devia. Estudos científicos mostram que pelo menos 15% das pessoas têm insônia crônica.

O ambulatório do sono da USP de Ribeirão Preto atende em média 300 pessoas por mês. A maioria não dorme por causa de uma coisa simples: as condições do quarto.

“Temos que lembrar de algumas características de uma quarto ideal, como o conforto térmico. A pessoa tem que dormir em um lugar com temperatura adequada. Não deve ter barulho no ambiente. O quarto deve ser isolado da luz”, enumera o médico do Ambulatório do Sono/USP Alan Luiz Eckeli.

Nem sempre é tão fácil dormir porque muita coisa influencia na qualidade do sono. Mas duas são importantes: altura do travesseiro e a densidade do colchão. Quem vai dizer o que é melhor para uma noite tranquila é o médico Manoel Sobreira, especialista em sono: “Para quem dorme de lado, o ideal é que o travesseiro seja mais alto. Já para a pessoa que dorme de barriga para cima, o ideal é um travesseiro mais baixo. Existem tabelas em lojas especializadas em colchão que relacionam o biotipo da pessoa ao colchão”.

A cor das paredes do quarto influencia também? “O ideal é que as cores sejam mais claras e amenas”, diz o médico.

E a temperatura do quarto? “O ideal seria uma temperatura diferente para o homem e para a mulher”, brinca o especialista.

“Ele me disse que realmente o homem e a mulher têm temperatura corporal diferente. A diferença chega a 5ºC. Eu me conformei. Acabaram as brigas”, diz a dona de casa Ana Paula Butelli Hentschke.

Dormir e acordar no mesmo horário e evitar tomar substâncias estimulantes, como café, ou comer alimentos pesados antes de dormir.

Fonte G1

Diminuir de peso – Dietas estranhas – Médicos criticam dietas “bizarras” para emagrecer


Para especialistas, só alimentação saudável e atividade física fazem efeito.
Existe dieta até que promete prevenir sintomas da tensão pré-menstrual.

Médicos endocrinologias e especialistas em glândulas ouvidos pelo Fantástico criticaram dietas “bizarras” que as pessoas fazem para emagrecer. As mais variadas dietas estranhas, no entanto, não ajudam a emagrecer com saúde, garantem os especialistas.

Entre as dietas mais estranha existe uma até que promete prevenir os sintomas da tensão pré-menstrual (TPM) e evitar que a mulher coma demais. “De todas as dietas que eu fiz a que eu mais gostei foi a da TPM (…) vai ser montado um cardápio de alimentos que vão prevenir os sintomas da TPM e ele funcionam muito bem, eu perdi peso e ganhei felicidade e tranqüilidade”, conta a dona de casa Liz Polania.

A estudante Adriana Sandoval, por sua vez conta que já fez muitas dietas. “Já fiz dieta do chá, dieta da bolacha de água e sal, dieta das frutas, dieta do nada, que não come nada, vive de água, de luz”.

Leonardo Fae diz que já fez uma dieta em que ingeria limão em jejum. Ele diz ter perdido sete quilos com este regime. “Fiz a dieta do limão (…) Tu inicia com um limão em jejum puro e vai até dez, quando dá dez você começa a retornar”. Adriana diz que também fez essa dieta e só conseguiu “uma gastrite crônica” como resultado.

Médicos criticam a prática das dietas bizarras. João Alberto Ferreira Mattos destaca a possibilidade de uma gastrite com a dieta do limão. “Não funciona. E a vida inteira chupando limão? Quando as pessoas acordam de mau humor, aquelas pessoas mal humoradas, o que foi, chupou limão hoje cedo?”, brinca.

Para a médica Zuleika Halpern, a mais absurda é a dieta em que as pessoas dizem se “alimentar de luz”. “Para mim, a mais absurda de todas é aquela que as pessoas se alimentam de luz. Tudo tem um limite na vida”.

Fazer dieta mastigando trinta e duas vezes cada porção de comida também não funciona, segundo os médicos. “Essa é uma das dietas da lista das esdrúxulas. Você calcula e depois da quinta garfada quem está em volta levanta e vai embora”, diz Mattos.

[adrotate banner=”2″]No cardápio das dietas bizarras existem ainda as que determinam que só se pode comer papinha de neném ou as que fazer um cardápio de acordo com o tipo sanguíneo. Existe até dieta espiritual que promete emagrecer com receitas do “além”.

Para o médico Pedrinolla, é possível brincar até de criar uma “receita mágica” para os chocólatras. “A gente pode inventar aqui rapidamente a dieta do bombom(…) A pessoa vai emagrecer se ela comer só cinco bombons por dia e água, por exemplo”.

Os médicos destacam que para emagrecer não há outro jeito além de escolher alimentos de modo saudável e fazer atividades físicas. Pedrinolla destaca que nem é preciso fazer atividades físicas em grande quantidade, mas sim com frequência. “Sobre atividade física, a má notícia é que tem que fazer, a boa é que não precisa fazer tanto, mas tem que ter regularidade”. Ele destaca que o emagrecimento acontece quando a quantidade de calorias gastas é superior às ingeridas.

A médica Zuleika destaca a atenção à quantidade que se deve comer de cada alimento. “Não dá para comer tudo o que gosta todo dia, a quantidade que quer, a hora que quer, então tem que ter uma certa disciplina até pra comer”. Ela ressalta que se o regime não for equilibrado a pessoa pode voltar a comer até mais do que antes quando abandonar a dieta.

Fonte G1

Exercícios físicos na terceira idade – Especialistas falam sobre a importância de praticar atividades físicas

Endocrinologista e profissional de Educação Física alertam sobre os cuidados e destacam como a prática de exercícios pode mudar a qualidade de vida de um idoso.

Mais do que nunca os idosos estão investindo nos avanços da medicina e em uma vida mais ativa para se manter longe dos problemas que antes eram relacionados à idade. Mas, para se viver a chamada “melhor idade” plenamente, é fundamental a prática de exercícios físicos!

“Os benefícios de incluir atividades na sua rotina são muitos. Dentre eles, o aumento da densidade de minerais ósseos, o que auxilia no tratamento da osteoporose, por exemplo, e a conquista de mais vitalidade e força para exercer as atividades diárias, como descer e subir escadas, ir ao banheiro sozinho, sentar e levantar”, destaca Patrícia Carneiro, Gerente da A! BodyTech (Unidade Goiânia).

E as vantagens não param por aí: “Os exercícios físicos ajudam a diminuir a intensidade de doenças cardiovasculares e hipertensão e, ainda, diminuem os riscos de infarto, derrame e diabetes, principalmente para aqueles que já apresentam pré-disposição para a doença. A melhor tática é optar pela combinação de exercícios aeróbicos com os exercícios de força”, completa o Dr. Haroldo Souza, endocrinologista.

Se para você, os exercícios de força não combinam com este grupo de pessoas, o melhor é se atualizar. “Antigamente, a maioria dos idosos preferia exercícios mais leves, como a hidroginástica. Porém, o que temos percebido é uma migração de grande parte deles para as aulas de musculação, exatamente por indicação médica”, ressalta Patrícia.

Segundo ela, ainda existe, sim, aquele grupo que prefere os aeróbicos, mas isto já não é uma regra, como acontecia antes: “Elevação da taxa de colesterol, triglicerídeos e ácido úrico, por exemplo, são problemas comuns na terceira de idade que podem ser combatidos apenas com este tipo de atividade. Os prediletos são exercícios na bicicleta e na esteira, a própria hidroginástica e, atualmente, aulas de ritmos, o que inclui a dança de salão”.

[adrotate banner=”2″]E as melhoras vão além da parte física. “Com a idade, é maior o risco de depressão ou outras doenças causadas por questões emocionais. Ao se manter em plena atividade o idoso consegue espantar este tipo de doença e se mantém em contato com o mundo. Ele cuida da saúde e da mente ao mesmo tempo”, ressalta o Dr. Haroldo.

Contudo, o Endocrinologista alerta sobre a importância de escolher uma academia que tenha infra-estrutura para este público: “Os idosos demandam uma atenção maior de seus professores. Existe o problema das cargas, que devem ser menores, o monitoramento constante da pressão, dos batimentos cardíacos, enfim, eles exigem uma série de cuidados diferenciados, típicos deste grupo. Se em uma academia normal o número de alunos é 20 por professor, ao se tratar da terceira idade deve ser 4 ou 6 por professor, por exemplo”.

Por isso, a dica é tentar freqüentar as academias fora de seus horários de pico, aproveitando a flexibilidade de horário que este grupo de pessoas costuma ter, e se cercar de todos os cuidados necessários. “A escolha de profissionais habilitados e competentes é que garantirá que os exercícios surtirão o efeito desejado”, conclui Patrícia.

Fonte Sua Dieta