• Doença de Chagas, hanseníase, febre amarela, malária… Enfermidades bastante comuns no Brasil há séculos foram reduzidas e até controladas nas últimas décadas. Mas uma delas continua a se expandir e preocupar as autoridades: a leishmaniose.

    Ela é causada por diversas espécies de protozoários do gênero Leishmania, que invadem células de defesa chamadas macrófagos. Mas sua transmissão depende da picada de insetos conhecidos como flebótomo, mosquito-palha ou birigui.

    Estima-se que entre 20 e 25 mil pessoas sejam infectadas todos os anos por aqui — o problema está espalhado por vários estados, mas tem maior incidência em locais como Amazonas, Acre, Pará, Mato Grosso e Bahia. Somos os campeões em números de casos nas Américas, junto com países andinos como o Peru e o Equador.

    Aproximadamente 12% da população brasileira possui o micro-organismo circulando pelo corpo — na maioria das vezes, ele é silencioso e não causa complicações. Mas, às vezes, uma baixa na imunidade pode despertar esse inimigo. “Estamos falando de um quadro amplamente disseminado e em franca expansão”, constata o infectologista Marcelo Simão Ferreira, da Universidade Federal de Uberlândia, em Minas Gerais. O especialista deu uma aula sobre o tema no último Congresso Brasileiro de Infectologia.

    A leishmaniose se manifesta de duas maneiras: por meio de lesões na pele ou em órgãos como o fígado, o baço e a medula óssea. Além de humanos, ela acomete os cachorros — para nossos amigos caninos, há inclusive uma vacina e uma coleira inseticida que acaba com os mosquitos transmissores.

    Mas por que a doença continua a crescer?

    Existem vários motivos para isso. O primeiro é a negligência e a falta de investimentos em pesquisas e campanhas de conscientização. O diagnóstico laboratorial até avançou nos últimos tempos, mas segue com um preço elevado.

    Outro fator que complica esse cenário é a quantidade de espécies causadoras da moléstia — só no Brasil, há uns sete tipos de Leishmania circulando. Definir o agente que está por trás dos sintomas é essencial para determinar a melhor forma de tratamento.

    Entre as atitudes preventivas, é possível pensar em medidas de controle do mosquito, como instalação de telas em portas e janelas de casas em locais com maior número de casos. Repelentes podem ser indicados em algumas situações.

    Por fim, não existe nenhuma droga específica para combater o protozoário. Os médicos lançam mão de quimioterápicos da classe dos antimoniais pentavalentes, utilizados desde a década de 1940. Ainda se discute a necessidade de associar outros fármacos na terapia.

    Para piorar, a leishmaniose costuma aparecer mais frequentemente em pacientes com alguma condição crônica, como a asma e a aids. “Portadores do vírus HIV, aliás, têm um risco de 100 a 2 mil vezes maior de desenvolver a doença quando o protozoário invade o organismo”, completa Ferreira.

    Tags: , , , ,