• Um exame no pescoço de apenas cinco minutos seria capaz de prever casos de demências, como a doença de Alzheimer, uma década antes dos sintomas aparecerem, de acordo com novo estudo feito por pesquisadores da Universidade de London, no Reino Unido.

    A ideia é medir o pulso do paciente no pescoço e com isso prever danos cerebrais que causam problemas de memória e habilidades de pensamento na velhice.

    O trabalho científico contou com mais de três mil voluntários, com idade média de 61 anos, e descobriu que aqueles com pulso intenso nas artérias carótidas estavam cerca de 50% mais propensos a sofrer um rápido declínio cognitivo nos próximos dez anos

    Com os dados, os médicos se animaram para fazer novos testes e comprovar a eficácia do exame no pescoço, para que ele se torne um teste de rotina para pessoas de meia-idade com risco de demência.

    Pode parecer sem sentido, mas há uma explicação para associar a pulsação a demência.

    É preciso compreender que o pulso de alguém -o pulsar das artérias quando o coração bombeia o sangue por elas- é “amortecido” por vasos sanguíneos elásticos e saudáveis, que impedem que o pulso seja muito agressivo. Nos idosos e naqueles com pressão alta, os vasos sanguíneos ficam mais rígidos e o pulso se torna forte demais.

    Um pulso forte pode penetrar profundamente nos frágeis vasos sanguíneos que suprem o cérebro, causando problemas de raciocínio e possíveis sangramentos pequenos, chamados de miniderrames.

    O exame no pescoço foi feito em minutos com ajuda de um ultrassom que registra as ondas sonoras dos vasos sanguíneos. Nos 15 anos seguintes as análises, os pacientes foram monitorados para os cientistas conseguirem acompanhar as habilidades de memória e resolução de problemas.

    Um quarto das pessoas que mostraram pulso mais intenso no início do estudo foi cerca de 50% mais propenso a ter um declínio cognitivo acelerado. Isso significa ter uma queda 15% mais rápida nas habilidades de memória, linguagem, raciocínio e julgamento, frequentes sinais de demência.

    Os pesquisadores prometem fazer mais pesquisas para compreender e confirmar os laços entre os eventos, mas estão otimistas por conseguirem um aviso de diagnóstico tão anterior aos sintomas.

    Tags: , , , ,