• A ascensão dos chamados nutricosméticos reforça a importância da alimentação saudável. Afinal, essas cápsulas e sachês que prometem rejuvenescer a pele, fortalecer as unhas e dar brilho ao cabelo são, na verdade, extratos superconcentrados de nutrientes encontrados em produtos de origem animal e vegetal. Confira a ficha completa dos ativos campeões de audiência:

    Colágeno

    Na alimentação

    Tutano bovino e algas

    Função

    Atua na formação e na renovação das fibras de sustentação da pele

    Benefícios

    Redução da flacidez e prevenção de estrias

    Biotina

    Na alimentação

    Gema de ovo e castanhas

    Função

    A vitamina auxilia na síntese da queratina, uma proteína

    Benefícios

    Cabelos e unhas mais bonitos e saudáveis

    Vitamina C

    Na alimentação

    Frutas cítricas

    Função

    Neutraliza os efeitos nocivos dos radicais livres no organismo

    Benefícios

    Controle do envelhecimento precoce

    Ômega-3

    Na alimentação

    Peixes e linhaça

    Função

    Combate processos inflamatórios e estimula a produção de elastina

    Benefícios

    Melhora o aspecto e o grau da celulite

    Resveratrol

    Na alimentação

    Uva

    Função

    Antioxidante, defende as células, mantendo-as em bom estado

    Benefícios

    Controle do envelhecimento precoce

    Silício orgânico

    Na alimentação

    Aveia e leguminosas

    Função

    Contribui, entre outras coisas, para a fabricação de queratina

    Benefícios

    Cabelos e unhas mais bonitos e saudáveis

    Betacaroteno

    Na alimentação

    Alimentos alaranjados

    Função

    Colore os queratinócitos, células que compõem a epiderme

    Benefícios

    Reforço no bronzeado e combate a manchas

    Ácido hialurônico

    Na alimentação

    Carnes com pele e osso

    Função

    Recruta e ajuda a preservar a água ingerida no tecido dérmico

    Benefícios

    Hidratação profunda e prolongada da pele

    Tags: , , ,


  • Muito em breve, extratos feitos de nutrientes originalmente encontrados em certos alimentos estarão literalmente na boca do povo — pelo menos daquela parcela mais vaidosa. É o que apontam pesquisas de mercado, como a Transparency Market Research, cuja previsão é a de que o segmento dos chamados nutricosméticos cresça 5% em nível mundial em comparação ao ano passado, ultrapassando a marca de 7 bilhões de dólares até 2025.

    O apelo justifica a demanda. Quem não gostaria de manter uma pele jovem e bronzeada tomando alguns comprimidos ou dissolvendo um sachê em água? “O problema é que muita gente encara esse recurso como um substituto para a boa alimentação e outros hábitos importantes”, pondera a dermatologista Betina Stefanello, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, no Rio de Janeiro.

    Veja o caso da exposição ao sol: raios ultravioleta potencializam a liberação de radicais livres, moléculas que fazem os sinais da idade aparecerem antes do tempo. Logo, o poder antioxidante do betacaroteno, responsável pela cor alaranjada da cenoura, da abóbora e do mamão, é muito bem-vindo.

    Só que nem mesmo uma montanha dessa substância — já disponível em cápsulas — seria capaz de criar uma barreira fotoprotetora sobre o corpo. Ou seja, não dá para abdicar do filtro solar. “São mecanismos de ação diferentes, que devem se complementar”, avisa o farmacêutico Emiro Khury, consultor técnico da Associação Brasileira de Cosmetologia, na capital paulista.

    Também é preciso acertar na dose. Pesquisas indicam que a suplementação de colágeno só faz diferença na cútis em níveis diários superiores a 5 gramas. “Considerando que uma cápsula possui, no máximo, 0,5 grama dessa proteína, o ideal é investir na versão em pó. Uma colher de sopa tem cerca de 10 gramas”, recomenda a farmacêutica Janete Grippa, professora da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais.

    Foi essa quantidade de colágeno que 60 voluntárias de 45 a 60 anos foram convidadas a ingerir, todos os dias, em um estudo da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo. Resultado: três meses depois, a suplementação não só se equiparou aos cremes indicados para estrias na melhora da elasticidade como se mostrou mais eficiente que os cosméticos anti-idade frente à flacidez.

    Em outro experimento brasileiro, foram testados suplementos diários de colágeno (5 gramas) e de vitamina C (1 grama), além de sessões semanais de radiofrequência, aparelho que estimula a produção de certas proteínas. “Separamos 40 participantes em quatro turmas. E o grupo que aliou as três alternativas obteve mais benefícios”, conta a fisioterapeuta Patrícia Froes, autora do trabalho e professora da Universidade Potiguar, em Natal (RN).

    Sendo assim, por que não abandonar os cremes e focar nas cápsulas de colágeno, por exemplo? “Ao cair no sistema digestório, ele é quebrado em diversos aminoácidos, que serão direcionados de acordo com as necessidades do organismo”, explica a nutróloga Letícia Fontes, membro da Associação Brasileira de Nutrologia, em São Paulo.

    Então, não dá para afirmar que consumir essa substância favorecerá a pele em vez de outro órgão e tecido. “Melhor dar preferência a alimentos ricos em vitamina C, que contribuem para a formação natural de colágeno”, completa a nutricionista Ceres Della Lucia, da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais.

    Quanto aos demais tipos de nutricosméticos, vale recapitular: utilizá-los não exclui a necessidade de outros cuidados. E eles devem começar antes de as primeiras rugas ameaçarem apontar. Dietas restritivas e cardápios cheios de gordura e açúcar cobram um preço caro à aparência. “Há evidências de que a insônia e o estresse também são prejudiciais nesse sentido, já que levam a alterações hormonais”, destaca o endocrinologista Renato Zilli, do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

    Uma análise conduzida por cientistas da Universidade Cornell, nos Estados Unidos, chegou a escancarar os efeitos negativos de alguns fatores do cotidiano na beleza. Uma noite de privação de sono, uma entrevista de emprego no dia seguinte e a prática de atividades físicas intensas provocaram, em 46 mulheres, redução da capacidade de recuperação da pele ou aumento da atividade inflamatória. Um combo que atrapalha mesmo a relação com o espelho.

    Tem mais um detalhe para garantir que o investimento nos nutricosméticos valerá a pena. “É fundamental passar pela avaliação de um profissional”, diz o gastroenterologista Guilherme Andrade, do Hospital 9 de Julho, na capital paulista. “Tanto para confirmar se há necessidade de recorrer a esses produtos quanto para ter certeza de que o organismo absorverá bem seus nutrientes”, completa. No fim das contas, as pílulas só funcionam se você cumprir sua parte. Sozinhas, elas não conseguem duelar com o relógio.

    As diferenças entre nutricosméticos, nutracêuticos e cosmecêuticos

    Cosmecêuticos

    Falamos de cremes, loções, pomadas e outros itens de uso tópico, isto é, externo. Voltados para casos que demandam maior atenção, como acne e celulite severas.

    Nutracêuticos

    São suplementos que dão ênfase à saúde em geral. Aliados de quem comete deslizes na alimentação, podem dar força na prevenção de doenças e na melhora da disposição.

    Nutricosméticos

    Aqui, o foco é puramente estético. No entanto, lançar mão desses produtos de uso oral (em cápsulas, sachês…) às vezes repercute em outras áreas do organismo.

    Tags: , , ,

  • Já aprovado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária, o aparelho se chama iGrow e possui 51 feixes de luz que incidem sobre o couro cabeludo e impedem a perda das madeixas. Segundo o fabricante, a tecnologia aumenta em 35% a contagem dos fios. Basta utilizá-la em casa por 20 minutos durante três dias da semana – há até fones para ouvir música e deixar as sessões menos maçantes.

    “O capacete, que pode ser usado junto com outros tratamentos, está indicado para a calvície androgenética, relacionada a mudanças hormonais“, diz a dermatologista Letícia Arsie Contin, de São Paulo. Antes de comprá-lo, porém, é importante buscar orientação médica.

    Como a nova tecnologia reverteria o problema

    1. Raízes do penteado
    Os fios crescem a partir do bulbo capilar, que fica no interior do couro cabeludo.

    2. Sumiço na cuca
    Com o tempo, essa estrutura pode definhar. Até o momento em que ela se fecha totalmente.

    3. Hora de iluminar
    O laser do capacete chega até o bulbo e promoveria a dilatação dos vasos sanguíneos da região.

    4. Fortes e nutridos
    Com mais sangue por ali, os cabelos tendem a se manter e ganham força para crescer.

    Tags: , ,

  • Cientistas da Universidade Yale, nos Estados Unidos, descobriram que um medicamento criado para tratar reumatismo pode estimular o crescimento de cabelo e pelos em pessoas que sofrem de alopecia universal, quando há perda de todos os pelos do corpo.

    De acordo com a pesquisa, publicada no “Journal of Investigative Dermatology”, do grupo “Nature”, uma grande quantidade de cabelo após um tratamento proposto pelos médicos.

    Atualmente, não há cura ou tratamento de longo prazo para este tipo de alopecia, enfermidade que deixou careca o paciente voluntário aos 25 anos. Segundo os investigadores, foi o primeiro caso de tratamento bem sucedido para esta enfermidade.

    Além do cabelo, cresceram ainda os pelos das sobrancelhas e cílios, além do rosto e axila, todos afetados pela alopecia. “Os resultados foram exatamente o que esperávamos”, disse Brett King, professor assistente de dermatologia da Escola de Medicina da Universidade Yale e autor principal do artigo científico. “É um enorme passo para o tratamento de pacientes com esta condição”, disse ele, em comunicado.

    O caso

    Veja matéria completa no blog:
    www.blog.implantecapilar.med.br

    Tags: , , , , ,

  • Não são só as folhas da árvore de caem. Os cabelos também. Mas, segundo os dermatologistas especialistas em medicina capilar (tricologia), esse é um processo natural, relacionado às mudanças climáticas que ocorrem com a mudança das estações e acabam modificando o ciclo dos cabelos.

    Na verdade, não há como prevenir a queda de cabelo que se acentua a cada mudança de estação. O processo depende de fatores climáticos que interferem no ritmo de produção e secreção dos hormônios de cada ser humano e também na forma como as estruturas que originam os cabelos (folículos pilosos) se comportam.

    Veja matéria completa no Blog CIC – Centro de Implante e Transplante Capilar

    Tags: , , ,