• foto-imagem-amaranto

    Chegando à América, o colonizador europeu tratou logo de proibir essa semente, usada em rituais que lhe causavam estranheza. Sorte que a medida não vingou. “Sua proteína é considerada de alto valor biológico”, aponta a nutricionista Valéria Caselato, professora da UFRJ. Para testar o poder do nutriente, a especialista deu pipoca de amaranto (isso mesmo!) a 20 idosos por três meses – o estudo foi realizado na Universidade Estadual de Campinas, no interior paulista. A experiência mostrou que a semente contribuiu para o ganho de massa magra, que vai minguando com o avançar da idade. Ventila-se por aí mais um benefício da proteína. “Após vários testes, concluímos que ela é a responsável por uma redução do colesterol”, revela o bioquímico José Arêas, professor da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo. De acordo com ele, o segredo está na digestão do nutriente. É que esse processo dá origem aos chamados peptídeos bioativos. Durante experiências em laboratório, esses pedacinhos de proteína se mostraram capazes de inibir uma enzima que participa da produção do colesterol no fígado. Para isso, seria necessário ingerir 25 gramas das proteínas do amaranto, o correspondente a 170 gramas de semente. O dilema: no estudo em seres humanos, Valéria não identificou essa vantagem. Na verdade, as taxas até subiram um pouco. “Então, enquanto não há trabalhos definitivos, não indicaria o amaranto como alimento funcional para baixar o colesterol”, pondera a nutricionista. Por outro lado, ela reforça que a qualidade da proteína e a capacidade de essa semente saciar fazem dela uma ótima escolha para grande parte das pessoas.

    A tal pipoca de amaranto

    É fácil preparar o petisco que foi oferecido aos participantes do experimento na Unicamp. Basta jogar uma colher de sopa de amaranto em uma panela quente, sem adicionar óleo. Leve ao fogo baixo até que grande parte dos grãos se torne branca. Isso deve demorar de 10 a 30 segundos. “É bem rápido. Só cuidado para não deixar queimar”, orienta Valéria. “E repita quantas vezes quiser”, completa. Os grãos também podem ser servidos em sopas e saladas ou cozidos junto com o arroz. A farinha cai bem em mingaus, panquecas, biscoitos, pães e pudins.

    Tags: ,

  • foto-imagem-cebola

    Ingrediente de origem asiática, a cebola é indispensável na cozinha mundial. O sucesso milenar caiu nas graças da culinária europeia. Conta-se, aliás, que o rei Luís XV (1710 – 1774), da França, foi um dos criadores da famosa sopa de cebola. Mas há controvérsias. Afinal, é difícil imaginar um monarca se acabando em lágrimas só para aquecer o estômago. A choradeira, marca registrada da hortaliça, se dá por causa do vaporzinho vindo de uma reação entre moléculas da família do enxofre e enzimas. Os dois grupos ficam muito bem guardados em diferentes partes e se encontram quando o vegetal é picado. A mesma mistura de compostos também confere o sabor ardido.

    A hortaliça ainda esconde entre seus anéis carnosos uma preciosidade que atende pelo nome de frutooligossacarídeos (FOS). O que torna tais substâncias especiais é que conseguem a proeza de passar incólumes em grande parte do trato digestivo, e chegam quase intactas ao intestino grosso, onde são fermentadas. Essa atuação promove a multiplicação das bactérias benéficas que povoam a região – o efeito prebiótico. Entre as vantagens dessa proliferação está a melhora da imunidade, com a redução de infecções, e uma maior absorção de nutrientes caso do cálcio, amigo dos ossos.

    Um conselho

    Uma tática para não derramar um rio de lágrimas na cozinha é mergulhar a cebola inteira em água com gelo por 40 minutos antes da manipulação. Isso desacelera a reação química que acontece quando o vegetal é picado.

    Tags: , , ,

  • foto-imagem-o-poder-do-alhoDesde a época dos faraós egípcios já se conhecia bem o alho por suas propriedades medicinais. De lá pra cá, seus dentes ficaram famosos mesmo pelo sabor forte e ardido que imprime às receitas e pelo odor impregnado na boca. Sorte que a ciência não se esqueceu dos escritos deixados pelos antigos e, cada vez mais, leva o alho à mesa… do laboratório. Conheça os benefícios comprovados recentemente.Coração

    Na Universidade de Hong Kong, na China, pesquisadores recrutaram 125 pacientes que haviam sofrido um derrame e investigaram sua rotina alimentar, dando atenção especial aos vegetais da família Allium, da qual fazem parte o alho, a cebola, a cebolinha e o alho-poró. Foi aí que perceberam um coincidência, que de mera não tem nada: quem comia alho diariamente apresentava uma melhor função endotelial. Isso significa que os vasos sanguíneos teriam maior facilidade para dilatar. “Esse trabalho identifica um dos possíveis mecanismos para explicar como o alho provoca uma redução na pressão arterial”, elucida a nutricionista Marcia Gowdak, diretora do Departamento de Nutrição da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (Socesp). Tal efeito, nunca é demais frisar, contribui para a prevenção de um infarto ou de um derrame.

    Pressão

    A derrocada da pressão apareceu de forma mais cristalina em um artigo publicado recentemente no The Journal of Clinical Hypertension. Os autores, da Universidade Soochow, também na China, revisaram 17 estudos sobre o tema e concluíram: em comparação com pílulas placebo, suplementos à base de alho propiciaram um queda média de 3,75 mmHg na pressão sistólica e de 3,39 mmHg na diastólica. Em outras palavras, uma pessoa com a pressão 14 por 9 talvez chegue à casa dos 13 por 9. Ao ajustar ainda mais os resultados, os experts descobriram que a pressão sistólica caiu pra valer nos hipertensos, ou seja, aqueles que mais precisavam tirar as artérias do sufoco. Enquanto os cientistas racham a cabeça para descrever em detalhes como o alho combate a hipertensão, é importante observar que nessa revisão chinesa a ingestão do vegetal ocorreu em forma de cápsulas. Calma: não precisa desanimar. “Podemos usufruir desses benefícios ao consumirmos o alimento in natura”, garante Laís Bhering, mestre em ciências dos alimentos pela Universidade Federal de Minas Gerais.

    Colesterol

    Num trabalho da Universidade Ewha Womans, na Coreia do Sul, os experts analisaram mais de 80 estudos sobre a relação entre o vegetal triturado e os fatores de risco para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares. Entre os desfechos, registra-se que o alho em pó – facilmente encontrado no mercado, caso a ideia lhe apeteça – não só controla a pressão como contribui para a diminuição do colesterol LDL, aquele infeliz que entope as artérias. Como? É provável que ele breque sua formação lá no fígado. De novo, o que se tem são boas teorias.

    Câncer

    Pesquisadores da Universidade de Sydney, na Austrália, se debruçaram sobre 17 estudos – no total, havia 8 621 pessoas com câncer de estômago e 14 889 livres da doença – e constataram que qualquer vestígio do vegetal bulboso na dieta reduzia a probabilidade de encarar esse tipo de tumor. Quem o ingeria com mais frequência contava com blindagem ainda maior. O câncer de pulmão é outro que estaria na mira do ilustre representante da família Allium. De 2003 a 2010, cientistas chineses analisaram 1 424 indivíduos com a doença e 4 543 sem ela. Depois de afinar os dados, eles perceberam que comer o vegetal cru pelo menos duas vezes por semana derrubaria o risco de ter esse tumor em 44% – claro que não adianta ingerir e fumar, né? – Segundo a nutricionista Ana Carolina Cantelli, do A.C. Camargo Cancer Center, na capital paulista, existem também sólidas evidências de que o câncer de mama seria afugentado quando o alho entra na rotina.

    Tags: , , , , , , ,

  • foto-imagem-chocolate-meio-amargo

    1. Previne o câncer

    As substâncias funcionais e antioxidantes do chocolate reduzem os radicais livres. O que isso quer dizer? Significa que as substâncias protegem as células da degeneração causada pelo tumor. Mas não adianta comer uma barra de chocolate ao leite. Dê preferência ao chocolate meio amargo, que tem mais cacau e promove todos estes efeitos positivos.

    2. Dá sensação de bem-estar

    Basta um tabletinho, ou 6g por dia, para garantir aquela sensação boa que o cacau proporciona. Ele libera a serotonina no organismo, neurotransmissor responsável pelo nosso bem-estar. Quem não quer comer um docinho e ficar menos estressada e ansiosa? Sucesso!

    3. Ajuda a emagrecer

    O cacau dá saciedade e diminuiu nossa ansiedade. Só não vale comer o chocolate recomendado e depois manter uma dieta desiquilibrada.

    4. Previne doenças cardíacas e aumenta o colesterol bom

    O consumo correto melhora o fluxo de sangue nas artérias e aumenta o colesterol bom (HDL). Consequentemente, a saúde cardíaca é bastante beneficiada.

    5. Previne o envelhecimento

    Os mesmo antioxidantes que ajudam a prevenir o câncer e detonam os radicais livres também dão uma forcinha para retardar o envelhecimento.

    Tags: , , , ,