• A avaliação de que o açaí, fruta típica da Amazônia, é uma preciosidade do ponto de vista cardiovascular vem com novos dados colhidos pelo nutricionista Heitor Oliveira Santos, da Universidade Federal de Uberlândia (MG). Segundo eles, o alimento pode ajudar a evitar a hipertensão.

    “Já temos evidências de que, após o consumo de açaí, há uma dilatação das artérias”, conta Santos. Com a passagem do sangue facilitada, por sua vez, diminui a tensão nas paredes dos vasos e a pressão tende a baixar.

    Para fazer jus ao efeito protetor, porém, é preciso ingerir ao menos 150 gramas de polpa, e quase todo dia. Quem aderir a esse plano ganha de quebra as fibras e as vitaminas da fruta, além de beta-sitosterol, substância que atua na redução dos níveis de colesterol e triglicérides no sangue. Sorte do coração.

    O melhor é comer a polpa do açaí pura

    “Com açúcar, mel e leite condensado, o açaí vira uma bomba calórica”, alerta o pesquisador Heitor Santos. O ideal, aconselha, é consumir a polpa o mais pura possível.

    “Quando muito, dá para adicionar leite em pó desnatado, que agrega cálcio e proteína, ou oleaginosas como castanhas e amêndoas, que dão crocância e potencializam os bons efeitos da fruta”, sugere.

    Confira, a seguir, os nutrientes da polpa congelada e da versão com xarope de guaraná e glucose.

    Polpa congelada (100 g)

    Calorias: 58

    Carboidratos: 6,2 g

    Fibras: 2,6 g

    Polpa com xarope de guaraná e glucose (100 g)

    Calorias: 110

    Carboidratos: 21,5 g

    Fibras: 1,7 g

    Tags: , , ,

  • Ele é conhecido como açaí da palmeira juçara, planta nativa da Mata Atlântica. Sim, é a mesma que dá origem ao palmito

    Se confiar na aparência, dá para confundir o açaí amazônico (aquele tradicional) com o fruto da palmeira juçara. “Eles são do mesmo gênero, mas de espécies diferentes”, ensina a nutricionista Cynthia Howlett, do Rio de Janeiro. Isso explica certas particularidades. De acordo com a especialista, o produto da juçara tem três vezes mais antocianinas, substâncias protetoras do coração e do cérebro.

    Se quiser provar, a Ciano Indústria de Alimentos Sustentáveis lançou a marca Juçaí, que oferece a polpa desse fruto somada a ingredientes como inhame (fonte de fibras) e frutas, cheias de vitaminas e minerais. Por ser adoçado, é bom pegar leve. “Logo mais teremos a versão zero açúcar”, avisa Cynthia, consultora da marca. Abaixo, você confere o que encontramos em 100 gramas da polpa dos dois tipos:

    Açaí do Pará

    Energia: 51,4 cal

    Antocianinas: 17,5 mg

    Carboidratos: 4,3 g

    Gorduras totais: 1,3 g

    Açaí da juçara

    Energia: 63,8 cal

    Antocianinas: 61,8 mg

    Carboidratos: 5,7 g

    Gorduras totais: 3,5 g

    Tags: , , , , ,

  • foto-imagem-acai-derruba-o-colesterol

    A Universidade Federal do Pará (UFPA), estado que é o maior produtor mundial da fruta. Ali, a cardiologista Claudine Feio, numa primeira etapa, incitou 40 coelhos a ficarem com o colesterol nas alturas. Mais tarde, dividiu os bichos em duas turmas – mas só uma foi brindada com uma bebida à base de açaí… No momento em que a experiência completou 12 semanas, a médica analisou a aorta – a maior artéria do corpo – e o sangue dos animais. “Verifiquei que a glicemia e os níveis de triglicérides baixaram no grupo que recebeu o açaí. O colesterol também caiu muito, principalmente a fração LDL, considerada ruim”, relata a pesquisadora. Outra diferença significativa: as cobaias que não consumiram a bebida com o fruto exibiam placas de gordura por praticamente toda a extensão da artéria aorta. As cobaias que a ingeriram, por outro lado, tinham placas menores e mais esparsas. “Por causa desse resultado, chegamos à conclusão de que o açaí protege contra problemas cardiovasculares, como infarto e derrame”, diz Claudine.

    O que essa frutinha tem de tão especial?

    Acredite: tudo. Começando pelos fitoesteróis. “Eles são absorvidos no lugar do colesterol proveniente da dieta”, explica a expert da UFPA. Com isso, parte das moléculas gordurosas que poderiam sufocar os vasos é eliminada na digestão. Tem ainda as antocianinas, que dão a cor característica do fruto. “São essas substâncias que evitam a oxidação do coleterol ruim e, consequentemente, a formação de placas nos vasos”, ensina a nutricionista Jacqueline Carvalho Peixoto, professora da Universidade Castelo Branco, no Rio de Janeiro.

    Afinal, açaí engorda?

    A polpa de fato esbanja um tantão de gorduras. Mas elas são dos tipos mono e poli-insaturadas, festejadas por seus préstimos vasculares. Há mais uma vantagem em enviá-las para dentro do corpo: estimulam a sensação de saciedade, efeito potencializado pelas fibras da fruta roxa. Mas então de onde vem a fama do açaí de ser engordativo? “A culpa, em parte, é dos acompanhamentos que aparecem na tigela. O xarope de guaraná, por exemplo, é puro açúcar”, avisa Karen Signori Pereira, professora de engenharia de alimetos da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Para quem quiser adoçar, a especialista sugere um pouco de mel. Granola e frutas naturais têm sinal verde, porém sem exageros. Já leite condensado, leite em pó e afins tendem a anular suas vantagens.

    Há uma recomendação quanto à frequência de consumo?

    A nutricionista Jacqueline diz que, dentro do menu balanceado, você pode comer até todo dia, mas três vezes por semana já está na medida. Quem resiste às ciladas calóricas terá energia de sobra e artérias livres de enroscos, mesmo que não seja atleta profissional.

    Até para baixar a pressão

    Olha mais uma prova de que o açaí como um todo merece aplausos: sua semente guarda substâncias que ajudam a dilatar os vasos, garantindo o controle da pressão alta. A descoberta é do farmacêutico Roberto Soares de Moura, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. “Acredito que um remédio à base de açaí deve chegar às farmácias daqui a cinco ou dez anos. É pouco tempo, tendo em vista que há mais de duas décadas não surgem grandes novidades contra a hipertensão”, avalia o pesquisador.

    Tags: , ,

  • Diz a lenda que essa frutinha roxa com até 1,5 grama foi criada por Tupã, a entidade indígena associada aos trovões, para salvar uma tribo brasileira da fome. Aos olhos da ciência, porém, o açaí tem demonstrado que sua função mais trivial é forrar a barriga da gente. Entre seus feitos confirmados em laboratório estão a criação de barreiras protetoras para os neurônios, a derrubada dos níveis de colesterol e até mesmo a redução do risco de alguns tipos de câncer. Não é à toa, portanto, que a espécie típica dos ribeirinhos do Norte do país ganhe o mundo com status de superalimento – condição que faz com que nenhum estudioso se canse de vasculhar sua composição.

    Vem da Universidade Tufts, nos Estados Unidos, um novo trabalho que sinaliza o potencial de ação de sua polpa sobre a preservação da massa cinzenta. Os pesquisadores observaram que o consumo regular de açaí reduz a exposição das células nervosas a processos degenerativos e inflamatórios recorrentes, fenômeno que abre caminho ao colapso do tecido cerebral.

    Uma das hipóteses que buscam explicar essa façanha é a presença de substâncias antioxidantes, em especial a antocianina, que combatem os radicais livres por trás de uma série de danos ao organismo. “Os antioxidantes do açaí conseguem bloquear a formação dessas moléculas nocivas no início do processo de ataque às células”, explica a especialista em tecnologia de alimentos Ediluci Tostes, do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá. E a fruta amazônica não causa espanto apenas pela qualidade dos seus componentes. Em 1 litro da sua polpa, há 33 vezes mais antioxidantes que o encontrado em um mesmo litro de vinho tinto, bebida famosa por conter um monte desses ingredientes que varrem da circulação os temíveis radicais livres.

    Além dessa propriedade, substâncias do porte da antocianina respondem por um efeito anti-inflamatório, o que soma forças para deixar em paz as estruturas e as conexões cerebrais. Na prática, isso significa uma menor probabilidade de ocorrer um comprometimento crônico e progressivo de funções cognitivas, como a memória e a coordenação motora. “É por isso que o açaí teria uma ação preventiva contra males neurodegenerativos, caso das doenças de Par-kinson e Alzheimer”, completa Ediluci.

    A mesma antocianina que protagoniza benefícios ao cérebro pode afastar outro problema que ameaça tanto a massa cinzenta quanto o coração. É que sua ação antioxidante auxilia a debelar a formação de placas nos vasos sanguíneos, o que pode culminar em derrames e infartos. E é justamente esse papel protetor das artérias o que tenta provar o cardiologista Eduardo Augusto Costa, professor da Universidade Federal do Pará.

    Ele dividiu a população da pequena cidade de Igarapé-Miri, no estado paraense, em dois grupos: consumidores frequentes da fruta e pessoas que não a comiam. “Descobrimos que indivíduos que a ingerem regularmente apresentam taxas mais elevadas de HDL, a fração boa do colesterol”, conta Costa. “Enquanto isso, os níveis de LDL, o colesterol ruim, estavam em níveis aceitáveis e melhores do que os índices dos não consumidores da fruta”, completa.

    Já na Universidade de São Paulo (USP), a atenção está voltada para outra substância, que surge quando a polpa é adicionada ao leite antes da fermentação por bactérias, o que dá origem ao iogurte. “Durante esse processo, o ácido linoleico do leite é transformado em ácido linoleico conjugado, o chamado CLA”, explica a farmacêutica Maricê Nogueira de Oliveira, da USP. E hoje há indícios de que essa espécie de gordura auxiliaria a impedir o aparecimento de alguns tumores, como os de pele, mama e intestino.

    O CLA teria outros efeitos dignos de nota. “Sua ingestão diária poderia diminuir a massa gorda, aumentar a magra e até fortalecer o sistema imune”, diz Maricê. Se as defesas estão em alta, as chances de sucesso do câncer despencam. O iogurte à base de açaí e dotado de CLA deve chegar ao mercado em breve, representando uma alternativa mais magra diante das tigelas e seus complementos engordativos vendidos por aí. Será uma nova e vantajosa opção para prestigiar a superfruta na rotina.

    Companhias que engordam
    O açaí em si é calórico, mas os outros ingredientes da tigela é que costumam transformar a receita numa bomba. Quem precisa emagrecer deve ficar atento

    Mel 92,2 kcal (3 colheres = 30 g)

    Granola 152 kcal(5 colheres = 50 g)

    Banana 92 kcal(100 g)

    Polpa de açaí 247 kcal(100 g)

    Por que a fruta é uma campeã
    Os números não mentem. Na tabela comparativa, ela desbanca outros alimentos no que diz respeito à quantidade de micronutrientes

    Cálcio
    Leite 104 mg
    Açaí 330 mg

    Ferro
    Feijão-carioca 1,3 mg
    Açaí 4,5 mg

    Potássio
    Banana 376 mg
    Açaí 900 mg

    Antocianinas
    Vinho 0,1 mg
    Açaí 0,4 mg

    Zinco
    Brócolis 0,2 mg
    Açaí 2,8 mg

    Tags: , ,