• O exame de papanicolau, um exame de rotina que as mulheres devem se submeter a cada um ou dois anos para detectar o câncer de colo do útero, pode ajudar a identificar outros tipos de câncer, de acordo com uma pesquisa americana divulgada nesta quarta-feira (9).

    O novo exame utilizaria o fluido extraído do colo do útero para examinar a presença de determinadas mutações específicas do câncer. Desta forma, os cientistas esperam identificar o câncer de ovário e de útero, dois dos carcinomas mais comuns e mortais que, até o momento, não eram detectados em um exame de rotina.

    Atualmente, o papanicolau detecta apenas o vírus do papiloma humano (HPV) e o câncer do cólo do útero. No estudo piloto, o exame foi capaz de detectar com precisão 24 tipos de câncer de endométrio, com uma taxa de êxito de 100%, de acordo com os resultados publicados na quarta-feira na revista “Science Translational Medicine”.

    O exame também encontrou nove dos 22 tipos de cânceres de ovário, uma taxa de sucesso de 41%, durante o estudo piloto. E, em nenhum caso, as mulheres saudáveis do grupo de controle foram diagnosticadas com câncer.

    foto-imagem-ovario-papanicolau
    Os cientistas advertiram, contudo, que o novo estudo deve ser testado em um grupo muito maior antes de ser colocado à disposição do público. Mas consideram que o exame pode ser uma ferramenta poderosa na luta contra o câncer de ovário e câncer endometrial.

    O câncer de ovário provoca mais mortes do que qualquer outro câncer do sistema reprodutivo feminino, de acordo com a agência de saúde CDC, acrescentando que o tratamento é mais eficaz quando detectado em seus estágios iniciais.

    O câncer de endométrio é o mais comumente diagnosticado, de acordo com o CDC, e também é melhor tratado quando diagnosticado precocemente. De acordo com especialistas, o preço do exame pode ser semelhante ao exame do vírus HPV, que custa nos Estados Unidos cerca de US$ 100.

    A cada ano, cerca de 70.000 mulheres americanas são diagnosticadas com câncer de ovário ou câncer de endométrio, e cerca de um terço delas morre disso, indicaram os autores do estudo.

    Posted by @ 15:14

    Tags: , , , , , , ,

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *