• Infecção alimentar ocorre ao consumir alimentos ou bebidas contaminadas com micróbios causadores de doenças, ou patogênicos, que incluem uma variedade de bactérias, vírus e parasitas. Os micróbios entram no organismo através do trato gastrintestinal e geralmente causam os primeiros sintomas lá, de modo que náusea, vômito, cólica abdominal e diarréia são comuns em muitas infecções alimentares.

    Muitos micróbios podem se espalhar de mais de uma forma, de modo que não é possível sempre saber se a doença foi de origem alimentar. Essa distinção é importante, uma vez que as autoridades públicas precisam saber como uma doença está se espalhando, para tomar as medidas apropriadas, a fim de combatê-la.

    Infecções alimentares mais comuns

    As infecções alimentares mais comuns são aquelas causadas pelas bactérias Campylobacter, E. coli O157:H7 e Salmonella, e também por um grupo de vírus chamado calicivirus.

    Campylobacter é uma bactéria patogênica, que causa febre diarréia e dor abdominal. É a bactéria mais comumente idenficada como causa de diarréia no mundo. Essa bactéria vive no intestino de pássaros saudáveis e a maioria das carnes de frango cruas têm a Campylobacter. Comer frango sem cozinhá-lo é a causa mais comum dessa infecção.

    Salmonella também é uma bactéria que vive no intestino de pássaros, répteis e mamíferos. Ela pode infectar humanos por vários tipos diferentes de alimentos de origem animal. A doença tipicamente inclui febre, diarréia e dor abdominal. Se a pessoa tiver o sistema imunológico fraco, a bactéria pode invadir a corrente sanguínea e causar infecção que precisa de tratamento por toda a vida.

    E. coli O157:H7 é uma bactéria patogênica que tem como hospedeiros gado e animais similares. A infecção em humanos geralmente segue-se ao consumo de alimentos ou água que foi contaminada com quantidades microscópicas de fezes de gado. Os sintomas da doença causada pela E. coli O157:H7 geralmente são diarréia grave com sangue e cólicas abdominais fortes, sem muita febre. De 3 a 5% dos casos há uma complicação chamada síndrome hemolítica urêmica, que pode ocorrer várias semanas depois dos sintomas iniciais. Essa complicação grave inclui anemia temporária, sangramento forte e falha renal.

    Os vírus Calicivirus são uma causa muito comum de infeccção alimentar, embora raramente diagnosticados porque os teste laboratorial não é amplamente disponível. Esse tipo de infeccção alimentar causa doença gastrintestinal aguda, geralmente com mais vômito do que diarréia, que costuma passar em dois dias. Acredita-se que a forma de contaminação desses vírus seja de uma pessoa infectada para a outra através do contato com alimentos.

    Diagnóstico da infecção alimentar

    A infecção alimentar geralmente é diagnosticada através de testes laboratoriais específicos, que identificam o organismo causador. Bactérias como a Campylobacter, E. coli O157 e Salmonella são encontradas em culturas de amostras de fezes. Parasitas podem ser identificados ao examinar as fezes no microscópio. Vírus são mais difíceis de identificar, uma vez que são muito pequenos para serem vistos ao microscópio e difíceis de fazer cultura. Os vírus geralmente são identificados ao testas amostras de fezes com marcadores genéticos que indicam que um vírus específico está presente. Muitas infecções alimentares não são identificadas por procedimentos laboratoriais rotineiros e precisam de testes experimentais, especializados ou caros, que geralmente não estão disponíveis.

    Quando deve-se consultar o médico em caso de diarréia

    Deve-se consultar o médico se a diarréia for acompanhada de uma dessas:
    * Febre alta.
    * Sangue nas fezes.
    * Vômito prolongado que impede manter os líquidos ingeridos.
    * Sinas de desidratação como diminuição na urinação, boca ou garganta seca, tonteira quando levanta.
    * Diarréia que dura mais de 3 dias.

    Não fique surpreso se o médico não receitar antibiótico. Muitos casos de diarréia causados por vírus melhorarão em 2 ou 3 dias sem antibióticos. De fato, antibióticos não têm efeito em vírus e podem causar mais mal do que bem se usados sem necessidade. Outros tratamentos podem aliviar os sintomas e lavar as mãos cuidadosamente pode prevenir que a infecção se espalhe para outras pessoas.

    Como prevenir a infecção alimentar

    Precauções simples podem reduzir os risco de infecção alimentar:
    * Cozinhe carne, aves e ovos cuidadosamente.
    * Separe os alimentos de modo que um não contamine o outro.
    * Coloque o que sobrou de comida na geladeira prontamente.
    * Lave bem as frutas e vegetais.

    Posted by @ 10:13

    Tags: , ,

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *