Estudo contesta explicação sobre formação de memória de longo prazo