• Câncer, Dicas, Doenças 02.02.2017

    foto-imagem-cancer

    Se 2016 não foi um ano bom sob vários aspecto, para os tratamentos contra o câncer esteve entre os mais frutíferos. A FDA (agência que regula os medicamentos nos Estados Unidos) aprovou oito novas terapias contra a doença e 12 novos usos para outras já existentes.

    Nessa avalanche de novidades, destaca-se a imunoterapia, considerada a mais promissora em 2016 pela Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco, na sigla em inglês). Em resumo, trata-se de um grupo de drogas que, ao invés de mirar o câncer, ajuda as nossas defesas a detectá-lo e agredi-lo.

    Curiosamente, os primeiros estudos sobre o tema foram feitos há mais de um século: em 1881, cientistas usaram bactérias para impulsionar a resposta do sistema imunológico contra tumores malignos. Mas só em 1980 que uma medicação que se vale dessa lógica foi aprovada — e era bastante agressiva.

    Hoje, as drogas imunoterápicas agem de diferentes maneiras — a principal envolve os chamados inibidores de pontos de verificação imunológicos. Esses “pontos” na verdade são moléculas especializadas que agem como freios no sistema imune, assegurando que as células de proteção sejam utilizadas apenas quando necessário. O mecanismo é extremamente importante, porque tropas de defesa descontroladas, que entram em cena sem a presença de um inimigo, podem causar inflamações e doenças autoimunes.

    O problema é que as células cancerosas conseguem enganar esses pontos de verificação. Nesse contexto, o sistema imunológico não percebe a doença como uma ameaça e a deixa evoluir. E é aí que entra a imunoterapia: ao bloquear esse sistema, ela faz o próprio corpo consegue combater o tumor.

    O que anima a comunidade científica é que, só no ano passado, foram descobertos cinco novos usos para os inibidores de pontos de verificação imunológicos. São eles: câncer de cabeça e pescoço, bexiga e pulmão e linfoma de Hodgkin. Aliás, esse é o primeiro tratamento que surge contra nódulos malignos originados na bexiga em três décadas.

    Apesar disso, não são todas as pessoas com esses tumores que se beneficiam dos medicamentos. Os estudos estão focados justamente em identificar quem pode tirar mais proveito da imunoterapia, poupando os pacientes dos custos altos e dos efeitos colaterais. Mas isso não é motivo para desanimar: a Asco liberou um relatório com várias terapias que ganharam destaque em 2016.

    Posted by @ 22:08

    Tags: ,

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *