• Amêndoas, Avelãs 23.04.2011

    Antes de chegar às prateleiras de supermercados, padarias e chocolaterias, os ovos de Páscoa passam por um longo e delicado processo, que garante a textura e o sabor perfeitos ao doce mais tradicional desta época do ano. A receita parece simples: o chocolate é composto, basicamente, de massa de cacau, açúcar e leite. Ainda assim, o chocolate como o conhecemos exige produção sem pressa e matéria-prima bem selecionada.

    “O chocolate é um alimento muito delicado e influenciado por qualquer descuido, por isso a importância de uma produção atenciosa. A temperatura e a umidade relativa do ar do ambiente em que o chocolate é preparado, por exemplo, são fundamentais para a qualidade do produto final”, afirma Dirceu Batista, diretor técnico e comercial da Munik.

    Para garantir todo esse cuidado, a figura do “degustador” aparece em todo o processo de produção e o chocolate é provado em todas as suas fases. Na Munik, por exemplo, as degustações dos produtos ocorrem a cada três meses e consideram tanto os próprios produtos quanto os de fábricas concorrentes. Já a degustação de todas as fases da produção (liquor, manteiga de cacau e de cacau) ocorre quando há troca de fornecedores.
    Na degustação, é possível avaliar, principalmente, três aspectos: a textura do produto, e se ela contribuiu ou não para a percepção do sabor do chocolate; a capacidade que o chocolate tem de “derreter” na boca e o que tempo que ele leva para iniciar esse processo; e o equilíbrio dos ingredientes, principalmente em casos de enriquecimento com amêndoas, avelã ou outro ingrediente que fuja do convencional.

    “O tempo de derretimento do chocolate na boca depende da quantidade de manteiga de cacau, que derrete em contato com a temperatura do corpo. Quanto mais produtos de origem animal na receita, mais rápido o derretimento do chocolate, como é o caso de grande parte dos produtos europeus. Já quanto maior o uso de gordura vegetal, maior a demora para o início do derretimento”, afirma Batista.

    O diretor trabalha com chocolates há 30 anos e explica que as elevadas temperaturas no Brasil, por exemplo, dificultam a produção de chocolates tão macios e de derretimento tão rápido como os europeus.
    Produzindo chocolates
    A produção do chocolate começa ainda na fazenda, com a colheita do cacau. Suas sementes, envolvidas em uma substância gelatinosa, fermentam por cerca de sete dias depois de retiradas do fruto e são, em seguida, encaminhadas para a secagem. Depois de seca, a casca da semente é retirada e a substância dura no interior da semente é descartada. Só então o cacau estará pronto para ser manipulado e virar chocolate.

    O cacau passa então por um processo de refino e dele é extraída a massa de cacau ou liquor – que é muito amargo e não contém açúcar. “Quanto mais liquor um chocolate tiver, mais saudável ele é como alimento, porque é mais puro e contém menor quantidade de açúcar e manteiga de cacau”, diz Batista.

    O liquor é então prensado e dele é obtida a parte líquida do cacau (manteiga de cacau) e a parte sólida, o pó de cacau. No caso do chocolate ao leite, a receita é acrescida de leite (em pó), açúcar e manteiga de cacau. Já o chocolate amargo não leva leite.

    Depois, o chocolate segue para um novo processo de refino que irá definir a granulometria ou cremosidade do alimento. Só então a matéria-prima líquida será temperada e segue para a fabricação de bombons, barras e ovos de páscoa.
    “É a quantidade de liquor, leite e açúcar que definirá o chocolate ao leite e o amargo e, entre os amargos, quão intenso será o sabor. Já o chocolate branco, ‘o menos autêntico’ dos chocolates, não possui liquor. Ele é composto apenas de manteiga de cacau, açúcar e leite”, diz Dirceu Batista.

    A temperatura ambiente do local em que o cacau é produzido pode, segundo o diretor, determinar sua suavidade. “O maior produtor de cacau atualmente é a Costa do Marfim, que possui um cacau mais suave. O cacau brasileiro costuma ser mais intenso, principalmente o produzido na Bahia. No Amazonas, temos um cacau um pouco mais suave. Por isso, em geral, fábricas costumam misturar o cacau importado com o brasileiro, para obter sabores diferentes e característicos de cada marca.”

    Fonte:G1

    Posted by @ 12:03

    Tags: , , ,

  • Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *