• Há duas novidades para enfrentar o câncer de rim no Brasil. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso combinado dos remédios ipilimumabe e nivolumabe, da farmacêutica Bristol-Myers Squibb, e a medicação cabozantinibe, da Ipsen, para o tratamento de tumores renais metastáticos – quando já se espalharam para outros órgãos.

    “São boas opções para essa doença. Cabe lembrar que, no Brasil, cerca de 30% dos cânceres de rim são diagnosticados em fase avançada”, contextualiza o oncologista Andrey Soares, do Centro Paulista de Oncologia. Vamos conhecer mais essas armas modernas?

    Imunoterapia em dose dupla

    Comecemos pelo combo ipilimumabe e nivolumabe. Ambas as drogas já são usadas em outros tipos de tumor, separadamente ou mesmo em conjunto. Elas estimulam as nossas próprias células de defesa a atacarem o câncer. Esse tipo de estratégia é conhecido como imunoterapia e faz parte de uma verdadeira revolução recente na oncologia.

    No estudo que justificou a sua liberação, a união desses fármacos diminuiu a probabilidade de morte em 37% entre pacientes com tumor renal avançado que não haviam sido tratados anteriormente. Isso em comparação com pessoas que tomaram a droga sunitinibe, da Pfizer, considerada uma terapia padrão e que elevou o tratamento contra esse problema para outro patamar em 2005.

    “Além disso, os imunoterápicos oferecem uma melhora na qualidade de vida”, completa Soares. “O paradigma de tratamento que tínhamos há mais de uma década para a doença foi quebrado”, arremata.

    Cabe destacar que esses resultados foram observados em tumores renais avançados e mais agressivos. “Por meio de exames, nós separamos esse câncer basicamente em três categorias: risco baixo, intermediário ou alto. Essa combinação está indicada para as últimas duas”, esclarece Andrey.

    O ipilimumabe e o nivolumabe são administrados por meio de infusões intravenosas dentro do hospital. A ideia de empregá-los em conjunto é a de incitar nosso sistema imune contra a enfermidade por diferentes vias.

    Entre os efeitos colaterais, há a possibilidade de erupções na pele, coceira, cansaço, diarreia e dor de cabeça. Via de regra, sintomas bem mais tranquilos do que os experimentados com a químio.

    Uma terapia-alvo mais potente

    Já o cabozantinibe integra uma linha de tratamento batizada de terapia-alvo, que ataca pontos específicos do câncer responsáveis por seu desenvolvimento. Por mirar essas vias celulares, a estratégia agride menos o nosso corpo, em comparação com a quimioterapia tradicional. Se a terapia-alvo é um míssil teleguiado, a químio funciona como uma bomba.

    Acontece que o tal cabozantinibe parece ser mais potente do que outras armas similares frente ao câncer de rim metastático. Na pesquisa que garantiu sua aprovação, ele garantiu uma queda de 52% no risco de progressão da doença em pacientes avançados que não haviam sido tratados antes – de novo, quando comparado ao sunitinibe, que também é uma terapia-alvo.

    Só tenha em mente que frear o câncer não é sinônimo de menor probabilidade de morte. “Isso ainda está em investigação. Mas o maior controle da doença garante, no mínimo, uma melhor qualidade de vida”, avalia Soares.

    Ao contrário do combo ipilimumabe e nivolumabe, o cabozantinibe também foi aprovado para o que os médicos chamam de segunda linha de tratamento. Ou seja: para a pessoa com um tumor renal avançado que já experimentou outro remédio, sem sucesso.

    Outra diferença envolve a forma de uso. Como dissemos, a dupla de imunoterápicos é administrada diretamente nas veias. Já a nova terapia-alvo é um comprimido oral.

    Suas reações adversas incluem diarreia, fadiga, aumento da pressão, sangramentos… “Em geral, é uma toxicidade um pouco maior do que a observada na imunoterapia”, compara Andrey.

    Como o médico escolhe entre uma e outra?

    Vários critérios entram em cena na hora de escolher entre esses tratamentos – e tantos outros. Daí porque o principal recado é ouvir o médico e, acima de tudo, tirar todas as suas dúvidas antes de tomar uma decisão.

    De acordo com Andrey, de maneira muito geral os especialistas devem, ao menos por enquanto, preferir a combinação entre ipilimumabe e nivolumabe na luta contra o câncer de rim avançado. “Os estudos com ela são maiores e, portanto, mais confiáveis. Mas, de novo, todos os casos precisam ser avaliados individualmente”, reitera.

    Para puxar um exemplo genérico: pacientes com o tumor e uma doença autoimune grave (como o lúpus) talvez se beneficiem mais do cabozantinibe. Isso porque a imunoterapia pode agravar essa outra enfermidade.

    Já sujeitos com câncer renal metastático de baixo risco eventualmente podem recorrer ao sunitinibe, mais conhecido entre os profissionais de saúde.
    Outra questão importantíssima é o acesso. Medicamentos novos geralmente são mais caros e não estão disponíveis para uma parte considerável da população.

    Atraso no sistema público

    Você deve ter reparado que, nos estudos, as duas novas opções foram comparadas ao sunitinibe, um medicamento disponível no Brasil há mais de uma década nos hospitais privados. Acontece que nem esse fármaco está disponível na rede pública.

    No Sistema Único de Saúde (SUS), o brasileiro só tem à disposição o interferon, um agente significativamente menos eficaz, segundo Soares. Ainda de acordo com o médico, o sunitinibe – que já não é novo – dobrou o tempo de sobrevida em comparação com esses remédios.

    No momento, a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec) tem uma consulta pública aberta para incluir o sunitinibe e outra droga similar na rede pública. A orientação preliminar do órgão é, acredite, pela não incorporação. O relatório que justifica a decisão provisória alega falta de evidências sobre benefícios significativos e um custo considerável para o governo.

    Mas calma. Médicos, pacientes, familiares e quaisquer outras pessoas podem dar sua opinião acessando o site da Conitec e procurando pela consulta pública número 54, até o dia 29 de outubro. Lá, você também encontra outras informações sobre esse caso.

    Tags: ,

  • Mais uma marca foi flagrada vendendo produtos de beleza sem autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Dessa vez, todos os cosméticos para pele do site raizprodutos.com.br serão retirados do mercado.

    De acordo com a decisão desse órgão regulador, nem dá para saber qual a empresa por trás desses produtos. E, sem um registro junto à Anvisa, é impossível comprovar a segurança e a eficácia dos produtos.

    O site raizprodutos.com.br vendia manteiga corporal, máscaras faciais de argila rosa ou verde, repelentes, tônico facial, esfoliante de café e por aí vai. São cosméticos mais voltados para a saúde da pele.

    Com a decisão, esses itens deixarão de ser produzidos. Os que já estão no mercado devem ser inutilizados.

    Tags: , ,

  • Pré-diabetes não é pré-doença.E novidades do Congresso Europeu de Diabetes de 2018, realizado em Berlim (Alemanha), deixam isso bem claro. O endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri, da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto, acompanhou as novidades que estão sendo discutidas por lá sobre o tratamento das pessoas que estão com a glicemia alterada, mas ainda não são caracterizadas como diabéticas.

    No vídeo abaixo, ele revela que o uso de ao menos um remédio no pré-diabetes deve ser considerado. Às vezes, até mais de um.

    E não para por aí. Couri ainda destaca que, para os pacientes que já tem diabetes tipo 2, o foco principal do tratamento deve ser o coração. Dê uma olhada:

    Tags: , ,

  • Como você já deve ter lido neste espaço, o diabetes tipo 2 é uma doença crônica cujo tratamento é usualmente feito com medicamentos de uso oral e mudanças no estilo de vida (alimentação saudável, exercícios regulares…). O ponto que muitos se esquecem é que falamos de um problema de saúde progressivo, ou seja, com o passar do tempo o pâncreas vai perdendo sua capacidade de produzir insulina, o hormônio que permite à glicose virar combustível para as células. Daí se torna necessária a utilização de mais medicamentos a fim de controlar o açúcar no sangue… Até um momento em que é preciso repor a tal da insulina.

    Apesar de sua enorme importância, as injeções desse santo hormônio ainda suscitam vários mitos e preocupações. Alguns pacientes diabéticos precisam, de fato, recorrer a duas, três, quatro aplicações ao dia para atingir níveis adequados de glicose. E, em geral, esse processo é acompanhado de muitas picadinhas nos dedos que permitem acompanhar, por meio do glicosímetro, como andam as taxas de açúcar no sangue.

    Pois bem, em 2018 tivemos um enorme avanço na insulinização voltada ao diabetes tipo 2. Houve o lançamento de uma insulina sintética de longa duração misturada com outro hormônio sintético, o GLP-1, na mesma caneta de aplicação. O GLP-1 é uma substância naturalmente produzida no corpo humano pelo intestino e tem várias ações: ajuda a regular a oferta de glicose ao longo dia, inclusive durante as refeições, reduz o risco de hipoglicemia, modula o apetite e o peso…

    A indústria farmacêutica já fabrica há alguns anos moléculas que imitam o GLP-1 orgânico (é a classe de medicamentos injetáveis batizada de análogos de GLP-1). A grande sacada agora, dos laboratórios Novo Nordisk e Sanofi, foi fazer a união, dentro de uma mesma caneta de aplicação, da insulina e desse outro hormônio. Com isso, o paciente precisa apenas aplicar o remédio e medir a glicose na ponta do dedo uma única vez ao dia. Menos medições de glicemia, menos picadas de insulina.

    Os resultados dos estudos com as soluções de ambas as companhias mostram que os pacientes conseguem atingir ótimo controle do diabetes, com melhor qualidade de vida e menor risco de hipoglicemias e ganho de peso. No geral, usa-se uma dose de insulina bem inferior à dos tratamentos disponíveis até então. Em poucas palavras, a medicina está aperfeiçoando ferramentas para domar o diabetes tipo 2 com mais conforto e bem-estar.

    No século 21, já não faz mais sentido temer a insulinização. Em pesquisa recente que conduzimos junto a SAÚDE e a área de Inteligência de Mercado do Grupo Abril, observamos que 24% dos diabéticos tinham como uma de suas principais preocupações o medo da insulina. Precisamos conscientizar as pessoas da importância desse hormônio quando indicado pelo médico. A insulina pode fazer toda a diferença na qualidade e na expectativa de vida dos indivíduos com diabetes.

    Tags: , , ,