• foto-imagem-bebe

    Quando Sierra Yoder estava grávida de cinco meses, os médicos da pequena cidade onde ela vivia no Estado de Ohio, nos Estados Unidos, disseram que seu filho tinha uma doença muito rara, conhecida como encefalocele.

    Isso significa que o cérebro do bebê estava crescendo fora do crânio.

    “Eles nos disseram que nosso filho não sobreviveria. Não nos deram nenhuma esperança”, explicou Yoder.

    Diante dos prognósticos ruins dados pelos médicos, ela e seu marido, Dustin Yoder, decidiram que interromperiam a gravidez.

    Eles já estavam dispostos a iniciar o procedimento do aborto, mas, de última hora, mudaram de ideia e seguiram em frente.

    E, apesar de todas as previsões negativas, Bentley nasceu com saúde e sobreviveu.

    foto-imagem-bebe

    Preparados para o pior

    Sierra teve uma gestação normal, e o bebê veio ao mundo em 31 de outubro de 2015, um dia depois do previsto.

    “Quando Bentley nasceu, esperávamos que ele não fosse chorar, que não fosse se mexer, pensávamos que não saberíamos nem identificar quando ele estivesse com fome”, disse Dustin.

    No entanto, o bebê chegou como todos os outros: chorando. “Nós nos olhamos e pensamos: eles nos disseram que ele nem sequer iria respirar”, contou Sierra.

    Apesar da surpresa, o processo não foi fácil. Apesar da alegria pelo nascimento do filho, a mãe tinha se preparado para perdê-lo – diante das previsões negativas, ela procurou saber, por exemplo, informações sobre os procedimentos para funerais.

    Mas o bebê se desenvolveu bem e recebeu alta.

    “Nós não conseguíamos entender como Bentley estava usando seu cérebro. Pensamos que ele talvez ele estivesse usando uma parte que ficava dentro do crânio”, disse Sierra.

    Esperançosos, eles decidiram pedir uma segunda opinião em uma clínica em Cleveland e contataram especialistas do Hospital Infantil de Boston. Foram os médicos de lá que disseram ao casal que era possível fazer uma cirurgia em Bentley.

    Os neurocirurgiões John Meara e Mark Proctor operaram o bebê em 24 de maio passado. E o procedimento foi um sucesso.

    foto-imagem-bebe

    Um caso raro

    Quando a equipe do hospital conheceu os pais do bebê, dois meses antes da operação, ficou surpresa com o fato de que Bentley tinha sobrevivido e felizes diante da possibilidade de dar a ele melhores condições de vida, contou Proctor à BBC.

    “Fizemos várias operações desse tipo durante o ano e por isso os pais vieram até nós. Não é algo que nunca havíamos visto”, explicou.

    “A encefalocele é uma doença rara que afeta um bebê em milhões. Mas o caso de Bentley era ainda mais particular porque ele tinha uma grande parte de seu cérebro ativa.”

    Por causa disso, havia razões para acreditar que o cérebro poderia funcionar normalmente, segundo o médico.

    De acordo com os especialistas, não há como saber exatamente a porcentagem que estava ativa – eles estimam, porém, que provavelmente chegava perto dos 90%.

    “Cada caso é um caso, mas o de Bentley era um dos mais complexos”, disse o neurocirurgião.

    Mas e agora, o que esperar do desenvolvimento do bebê?

    “É uma pergunta difícil de responder. Ele provavelmente vai demorar um pouco mais para desenvolver a fala, mas esperamos que possa ter uma vida normal. Ainda é complicado saber como ele vai evoluir”, afirmou o médico.

    foto-imagem-bebe

    Tags: , , ,

  • foto-imagem-transplante

    Nos últimos 18 meses, o americano Stan Larkin, de 25 anos, levou uma rotina semelhante a de outros jovens da mesma idade, com momentos de lazer ao lado a família, passeios de carro com os amigos e eventuais jogos de basquete. A diferença é que Larkin não tinha um coração.

    Diagnosticado com cardiomiopatia, condição genética que afeta o músculo do coração, o morador de Ypsilanti, no Estado de Michigan, foi submetido a uma cirurgia para a retirada do órgão em 7 de novembro de 2014.

    Durante os 555 dias seguintes, enquanto aguardava um doador compatível para que pudesse ser submetido a um transplante, Larkin foi mantido vivo graças a um coração artificial temporário.

    O dispositivo, denominado “Coração Artificial Total” e fabricado pela empresa SynCardia, é conectado por dois tubos que saem do corpo do paciente a uma máquina chamada Freedom Driver, que garante a energia para o funcionamento do coração artificial e permite que o sangue seja bombeado para o corpo.

    Pesando pouco mais de 6 kg, o Freedom Driver é carregado em uma mochila, o que permitiu que Larkin, em vez de esperar pelo transplante em uma cama de hospital, como a maioria dos pacientes nessa situação, pudesse ir para casa e levar uma vida praticamente normal durante o período.

    No mês passado, os médicos finalmente encontraram um doador e Larkin recebeu um transplante. Ele passa bem e já teve alta.

    foto-imagem-transplante

    “É impressionante como ele levou uma vida ativa com o dispositivo, até jogando basquete”, disse à BBC Brasil o médico Jonathan Haft, que realizou ambas as cirurgias no Centro Cardiovascular Frankel da Universidade de Michigan.

    “Ele obviamente queria o transplante, queria se livrar da mochila e de todo o trabalho envolvido, mas em termos de independência e qualidade de vida foi realmente extraordinário ver como ele se saiu bem”, avalia o cirurgião.

    Grupo seleto

    Apesar de não ser inédito, o caso de Larkin é pouco comum. “Ele foi o primeiro paciente no Estado de Michigan a ser liberado do hospital usando essa tecnologia, esse componente externo que permite ao paciente esperar pelo transplante em casa”, salienta Haft.

    Segundo a Universidade de Michigan, antes dessa tecnologia portátil ser aprovada nos Estados Unidos (em junho de 2014), o coração artificial total temporário era ligado a uma máquina chamada “Big Blue”, que pesava cerca de 190 kg e tinha o tamanho de uma lavadora de roupas, obrigando os pacientes a permanecer no hospital por meses ou até anos até encontrarem um doador.

    De acordo com Haft, o coração artificial total do tipo usado por Larkin é implantado cerca de 200 vezes por ano ao redor do mundo, um número bastante baixo em um universo de milhões de pessoas com doenças cardíacas graves.

    O médico observa que, em caso de pacientes à espera de transplante, costuma ser mais frequente o uso de dispositivos de assistência ventricular, que auxiliam apenas um ou outro lado do coração.

    Ao contrário desses dispositivos, o coração artificial total é equipado para auxiliar quando ambos os lados do coração falham e precisam de assistência, como no caso de Larkin.

    Conforme a Universidade de Michigan, Larkin faz parte de um grupo seleto de pacientes nos Estados Unidos a se beneficiar da independência proporcionada por essa tecnologia portátil.

    Irmão

    Larkin foi diagnosticado em 2007, após desmaiar jogando basquete.

    Seu caso é ainda mais incomum porque seu irmão mais novo, Dominique, de 24 anos, descobriu ter a mesma doença e teve o coração removido menos de um mês depois de Larkin.

    Dominique teve seu coração substituído pelo órgão artificial em dezembro de 2014. Seis semanas depois, ainda no hospital, recebeu um transplante.

    foto-imagem-transplante

    “É raro o fato de dois irmãos, que sofriam da mesma doença havia anos, terem vindo parar no hospital na mesma época. Ambos chegaram a um estágio avançado da doença ao mesmo tempo, então tínhamos os dois na nossa Unidade de Tratamento Intensivo, e ambos receberam um coração artificial na mesma época, com poucas semanas de diferença”, observa Haft.

    Limitações

    Em entrevista coletiva após o transplante, Larkin descreveu os últimos 18 meses como uma “montanha-russa de emoções”.

    Apesar da independência proporcionada pelo dispositivo portátil, Larkin teve de conviver com algumas limitações.

    “Esse dispositivo obviamente precisa de energia para funcionar. Há baterias que dão ao paciente liberdade por um curto período de tempo, mas é preciso sempre levar baterias extras e poder carregar o dispositivo quando a carga estiver chegando ao fim”, ressalta Haft.

    “Nós também recomendamos aos pacientes levar um Driver extra para que, caso falhe, possam trocar onde estiverem. Larkin precisava estar sempre acompanhado de alguém que levasse o Driver extra”, diz o médico.

    Além disso, Haft ressalta que os tubos que saem da pele do paciente são grandes e suscetíveis a infecções.

    O cirurgião prevê que avanços tecnológicos irão produzir dispositivos menores, mais leves e com baterias mais duradouras.

    Haft afirma que, à medida que essa tecnologia se tornar mais frequente, vai permitir aos pacientes atividades como trabalhar e viajar.

    “É gratificante ver o resultado fantástico no caso de Larkin”, comemora.

    Tags: , , ,

  • foto-imagem-gengivite

    Diante de tantas marcas e cores de pastas de dente, não é fácil saber qual é a melhor opção para nós.

    Elas obviamente têm como objetivo principal ajudar a limpar os dentes durante a escovação, mas também podem trazer outros diferentes benefícios para a saúde dental.

    Quem tem uma boca saudável não deve usar o mesmo tipo de produto que alguém que sofre de gengivite ou sensibilidade nos dentes, por exemplo.

    Juan Carlos Llodra, professor titular de Odontologia Preventiva e Comunitária da Universidade de Granada e diretor-executivo do Conselho Geral dos Médicos Dentistas da Espanha, explicou à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC, o que deve ser levado em conta ao comprar uma pasta de dente. Confira:

    Prevenir as cáries

    Se você tem uma boca saudável e quer apenas prevenir cáries, faça a higiene oral com frequência e use uma pasta de dente contendo flúor.

    Essa substância ajuda a remineralizar o esmalte dos dentes, fortalecendo-os e removendo a placa, fazendo assim que as bactérias não possam perfurá-lo.

    Mas para isso, segundo o especialista, é essencial que a pasta de dente tenha uma quantidade superior a 1 mil partes por milhão (ppm) de fluoreto.

    foto-imagem-pasta-de-dente

    “Cremes dentais que têm pouco flúor, abaixo de 1 mil ppm, são inúteis”, alerta Llodra.

    “Dessa forma, escovar os dentes com ou sem esse tipo de pasta de dentes é a mesma coisa”, diz.

    Na opinião de Llodra, o mais comum é que o produto tenha concentração de 1500 ppm de fluoreto.

    Ele ainda aconselha seus pacientes a não lavar a boca após a escovação, pois a água retira o flúor, reduzindo seu efeito. A recomendação é somente cuspir a pasta de dentes.

    Aliviar a sensibilidade

    Se você sente dor ao comer alimentos ou ingerir bebidas quentes ou frias, é porque tem sensibilidade nos dentes.

    Tal problema pode ser tratado com pastas de dentes específicas.

    “A sensibilidade dentária é um sinal de que o esmalte está desgastado”, afirma Llodra.

    Ele explica que esse tipo de creme dental contém substâncias que obstruem os poros espalhados pela dentina e que ligam os nervos aos dentes, causando reação às mudanças de temperatura.

    Doenças periodontais

    A gengivite é uma doença oral bacteriana que geralmente provoca inflamação e sangramento nas gengivas.

    Segundo Llodra, o paciente precisa de uma ajuda adicional quando esse problema aparece.

    Nesses casos, é necessária uma pasta de dentes mais potente, que, além de flúor, contenha algum antisséptico mais potente, como o triclosano.

    foto-imagem-pasta-de-dente

    No entanto, “esses cremes dentais são destinados a tratar um problema específico e não devem ser utilizadas por mais de duas semanas consecutivas. Se o problema persistir, você deve consultar um dentista”, alerta Llodra.

    “Na maioria das vezes, é um problema trivial, de fácil solução, mas há certas doenças graves, como a leucemia, que têm a gengivite como um dos sintomas.”

    Dentes mais brancos

    Ter dentes brancos está cada vez mais popular. Por isso, muitas pessoas optam por branqueá-los usando pastas de dente específicas.

    Mas, aparentemente, elas não são muito eficazes quando usadas sozinhas.

    Segundo Llodra, pastas de dente com essa finalidade são recomendadas apenas para complementar o clareamento dental realizado em consultórios odontológicos.

    Esse tipo de creme dental, que têm como principais componentes o peróxido de carbamida e o bicarbonato de sódio, facilita também a remoção de manchas causadas pelo café, cigarro e outras substâncias.

    Seu uso excessivo pode, entretanto, sensibilizar os dentes.

    Tags: , , ,

  • foto-imagem-cacau-Chocolate

    O cacau é a nova droga recreativa da vez. De acordo com o site de notícias americano Ozy, a substância tem sido usada em festas eletrônicas onde o consumo de bebidas alcoólicas não é permitido, como a Lucid, realizada mensalmente em Berlim, na Alemanha. De acordo com seus usuários, a ingestão de cacau – na forma de pílula, bebida e até mesmo via nasal – excita o cérebro e provoca sensação de energia e disposição.

    Na Lucid, o cacau amargo balinês é servido em bebidas misturadas com mel, xarope de agave e canela. Já a Morning Gloryville, uma empresa que organiza festas nos Estados Unidos e na Europa, abastece seus bares com bebidas à base de cacau e com a substância em cápsulas. A forma mais curiosa — ou estranha — de consumir o cacau é via nasal. O produto em pó pode ser encontrado na loja do belga Dominique Persoone. Ele inventou um dispositivo que ajuda a “inalar” o alimento, além de ter criado uma mistura inédita da substância com menta e gengibre.

    Segundo os defensores, o cacau cru, além de ser uma substância lícita em todas as partes do mundo, é muito mais potente do que se imagina. Ele desencadearia uma onda de endorfina na corrente sanguínea, aumentando a sensação de euforia. Em seguida, o cacau reduziria a tensão corporal ao promover o relaxamento muscular. Além disso, a substância é cheia de flavonoides que, de acordo com um estudo publicado recente no periódico científico American Journal of Clinical Nutrition, responsáveis por aumentar a circulação sanguínea e estimular o cérebro. Outra vantagem descrita pelos adeptos: ao contrário de outras drogas, o cacau não distorce a realidade. De acordo com Ruby May, organizadora da Lucid, ele apenas “amplifica” a experiência musical.

    Por outro lado, segundo Catherine Kwik-Uribe, diretora de pesquisa e desenvolvimento da Mars Symbioscience, empresa de tecnologia dedicada ao desenvolvimento de produtos com base científica, embora o cacau puro contenha certos compostos que melhoram o humor, como a anandamida e feniletilamina, a quantidade deles na substância seria tão baixa que não teria qualquer influência direta sobre o humor. Ou seja, os efeitos “entorpecentes” citados seriam apenas um placebo.

    Tags: , , , , ,