• Dietas malucas podem fazer muito mal ao organismo, pois os músculos ficam mais fracos e sofrem com a falta de energia.

    No Brasil, a busca incansável tem uma nova receita. Ração humana: você sabe o que é isso?

    São, pelo menos, 10 ingredientes, todos em pó e naturais. É uma receita que está se espalhando pelo Brasil, a dieta da moda.

    A corretora de seguros Léa Fornazzari resolveu substituir o café da manhã por essa mistura milagrosa que promete de tudo: perda de peso, rejuvenescimento e bom funcionamento do intestino. “Eu não engordo mais. Eu como, mas não engordo, e tenho disposição”, afirma.

    Paranaense de 52 anos, Léa mora em São Paulo. Ela é ativa, sempre interessada em alimentação saudável e chegou a tomar o suco vivo para emagrecer.

    A corretora de seguros conta que, com o suco vivo, ela tinha muita energia, que o cabelo e a pele melhoraram, mas explica por que parou de tomar. “Você não pode deixar ele cortado na geladeira. Você tem que cortar na hora em que você vai fazer. Então, não é uma coisa prática que eu possa carregar, levar para onde eu for. Por isso, eu parei, porque dava muito trabalho”, revela.

    Esse é um trabalho que a mistura de cereais não dá. Mas de onde vem a receita que parece mágica? Léa Fornazzari, como milhares de brasileiros, encontrou a fórmula na internet.

    E o Globo Repórter foi para a feira, junto com a corretora de seguros, em busca dos produtos naturais da farinha. Na receita, ela mistura 13 ingredientes. Léa leva a receitinha e já pede a quantidade que vai precisar para preparar a mistura.

    A corretora de seguros revela alguns itens que estão na sua lista: soja em pó, farelo de trigo, farelo de aveia, gergelim, levedo de cerveja, linhaça dourada moída.

    “A linhaça é um elemento muito importante que mantém o ritmo intestinal, tem vitaminas e modifica o trato de trânsito do intestino. Ao mesmo tempo, ele previne algumas alterações que nós temos de doenças”, aponta o nutrólogo e professor Mauro Fisberg, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

    Quantos produtos naturais! Mas será que misturar tudo isso é mesmo bom para todo mundo?

    O professor Mauro Fisberg diz que três colheres ao dia não fazem mal a ninguém. Mas quem é diabético ou tem problemas cardíacos, cuidado: é melhor evitar açúcar mascavo, cacau e o guaraná em pó. “Uma pessoa que é normal e come normalmente todos os tipos de alimentos não precisaria de nenhum outro suplemento”, afirma o nutrólogo.

    “Não adianta colocar coisas que sejam muito diferentes, porque a pessoa não consegue manter estes alimentos que não são do seu hábito durante muito tempo”, ressalta a nutricionista Sônia Tucunduva Phillípi, da Universidade de São Paulo (USP).

    Na receita da Léa, ainda tem gelatina sem sabor, açúcar mascavo, cacau, farinha de maracujá, quinua, gérmen de trigo e guaraná em pó. No total, a conta da corretora de imóveis deu R$ 36.

    Isso dá menos de R$ 1 por dia para duas pessoas e dura quase dois meses na geladeira. De todas as dietas que Léa já fez, essa é a mais saudável e prática.

    Mas Léa afirma que não vale tudo para entrar em um vestido, existem limites. “Eu não sou deste tipo que acha que vale tudo. Eu acho que em primeiro lugar está a minha saúde”, afirma.

    Pouca gente se preocupa com o corpo o ano inteiro. A maioria exagera, come o que tem vontade e não faz nada para queimar aquelas gordurinhas extras que em dias nublados nem chamam tanta atenção. Mas é só sair o sol que muitos deixam o bom senso de lado e são capazes de fazer loucuras para entrar em forma.

    As magrinhas se exibem e confessam sacrifícios assustadores. “Eu não tomava café da manhã, não comia nada, só almoçava salada e um grelhado, durante praticamente um ano. Mas tive tontura, dor de cabeça. Todo dia, passava mal”, conta a supervisora Vívian Nogueira.

    “A primeira coisa que você acaba perdendo são as proteínas mais nobres que são as proteínas musculares”, explica o nutrólogo Mauro Fisberg.

    O nosso corpo está programado para proteger os órgãos vitais, como o cérebro, o coração e os pulmões que precisam de muita energia, que vem dos alimentos.

    Quando entramos em um regime maluco, o cérebro determina: a energia deve ser retirada dos músculos. E eles ficam mais fracos, sofrem com a dieta. A falta de vitaminas derruba nossas defesas e aumenta a degeneração celular.

    “Para matar a fome, eu tomava muito café sem açúcar. Matava a fome, mas acabou com o meu estômago também”, lembra a aposentada Clarice Quagio.

    “A cafeína, em alguns elementos, tira bastante a fome, mas, ao mesmo tempo, tem uma ação estimulante importante. E ao mesmo tempo, uma ação tóxica age sobre o nosso trato intestinal, e ela acaba tendo uma duodenite, uma esofagite e pode chegar até a uma úlcera, por irritabilidade”, diz Mauro Fisberg.

    “Eu consegui emagrecer 20kg, em um ano”, conta a manicure Téia Santana que, há três anos, passou a comer só carne e salada durante a semana. As lasanhas, pizzas, carboidratos ficaram só para sábados e domingos.

    “Em vez de ela restringir o carboidrato para uma vez por semana, ela poderia comer porções muito menores de carboidrato todos os dias, combinadas com proteína, combinadas com vegetais, legumes e frutas que poderiam ser exatamente iguais em termos de perda de peso com muito menos dano para a vida futura dela”, explica o nutrólogo.

    “Acho que tudo tem que ter um equilíbrio. Eu não deixo de comer nada do que eu tenho vontade, mas eu sei até onde eu posso ir. Quando exagero, eu sei que eu tenho que voltar. E aí dar uma revisão na coisa. O ideal é você comer sem culpa”, comenta a corretora de seguros Léa.

    Sem culpa e com muito prazer. No dia seguinte, ela vai queimar os excessos, até porque aquele pretinho básico precisa entrar no verão que vem.

    Fonte G1

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  • Segundo laboratório, fármaco age em 15 minutos, tempo inferior ao dos principais concorrentes

    O laboratório americano de biotecnologia Vivus apresentou neste mês uma nova análise de um teste clínico realizado com o Avanafil, fármaco experimental contra a impotência, que atuaria 15 minutos depois do consumo –ou seja, mais rápido que o Viagra, o Cialis e o Levitra.

    “A amplitude do Avanafil nos primeiros 15 minutos foi surpreendente”, afirma Leland Wilson, presidente do Vivus, num comunicado que detalha resultados do teste clínico de fase 3 –a última antes da autorização da FDA (Food and Drug Administration), agência de regulação de medicamentos e alimentos nos Estados Unidos.

    “Estes novos dados vêm confirmar as características do Avanafil e suas diferenças com os demais fármacos usados por via oral atualmente no mercado para tratar a impotência”, salientou Wilson.

    Fonte Planeta Médico

    Tags: , , , , , , , , ,


  • Pesquisa da USP realizada com idosos relaciona sintoma com perda de audição e isolamento

    Uma pesquisa da Faculdade de Medicina da USP (Universidade de São Paulo) realizada com pacientes que sofrem com zumbido no ouvido relacionou o fenômeno com aspectos psicológicos, em especial entre idosos.

    O estudo da psicóloga Rosa Maria Rodrigues dos Santos aponta que a percepção de música e vozes sem fonte sonora externa, classificada como fenômenos alucinatórios, típico do zumbido, está associada não apenas as questões orgânicas como a perda de audição, mas também com aspectos emocionais dos pacientes, como a depressão.

    O trabalho surgiu a partir de relatos, cada vez mais frequentes, de pacientes do Grupo de Pesquisa em Zumbido da Clínica Otorrinolaringológica do Hospital das Clínicas da FMUSP, onde Rosa atua na área psicológica.

    Idosos

    Os pacientes, todos com perda de audição e, em sua maioria, idosos, relataram que ouviam músicas ou vozes, que se caracterizaram pelo chamado do próprio nome ou por falas incompreensíveis.

    Tanto esses fenômenos quanto o zumbido eram percebidos com muita frequência ou até mesmo constantemente, em alguns casos.

    – [Desde então,] o trabalho investigou se os fenômenos relatados tinham a ver com a ocorrência de psicoses ou depressão e se o conteúdo dos fenômenos alucinatórios (músicas ou vozes) estava relacionado a algum aspecto afetivo do paciente, afirma Rosa.

    Durante um ano, dez pacientes do ambulatório referiram tanto o zumbido quanto essas outras percepções complexas. Todos foram encaminhados para a pesquisa, passando por duas a quatro entrevistas para avaliação psicanalítica, além da aplicação de outros instrumentos para o estudo. “Nenhum dos entrevistados foi considerado psicótico por meio desta avaliação”, relata a psicóloga.

    – Mas todos os participantes apresentaram alguma questão relacionada à depressão, que se manifestava em diferentes níveis, seja leve, moderado ou grave.

    Perda da audição e desamparo

    Segundo a pesquisadora, a perda de audição no idoso favorece a quebra do contato com o outro, diminuindo a sustentação social e afetiva. “Hoje se diz que os idosos são mais ativos, mas muitos estão às voltas com o isolamento, sem condição de se colocarem no mundo, o que favorece o sentimento de tristeza e de desamparo”, alerta.

    – Muitas vezes, a depressão na terceira idade é sub-diagnosticada, sendo pouco percebida pelo próprio idoso e por seus familiares.

    Para os pacientes entrevistados, ouvir o chamado do próprio nome ou uma música especial, por intermédio do fenômeno alucinatório, refletia uma forma de lidar ou diminuir o desamparo, conclui o trabalho.

    Segundo Rosa, a insistência dos sintomas pode prejudicar a qualidade de vida da pessoa, tendendo a piorar aspectos depressivos, bem como o sofrimento com o zumbido ou com os fenômenos alucinatórios, se houver.

    Portanto, o ideal, segundo a psicóloga, é que os médicos estejam mais atentos aos relatos dos pacientes durante as consultas. “Se a pessoa apresenta a característica de evocar eventos desagradáveis de modo excessivo, associados ao zumbido ou não, o médico pode encaminhá-la para uma avaliação psicológica mais detida”, recomenda.

    Fonte R7

  • Medicina 17.02.2010 No Comments

    Pés descobertos, banho ligeiramente frio e ar condicionado são algumas delas

    A dificuldade em pegar no sono em noites mais quentes durante o verão é natural. De acordo com especialistas ouvidas pelo R7, a temperatura mais elevada causa no organismo uma reação que mantém as pessoas despertas. Normalmente, o corpo resfria cerca de um grau na primeira fase do sono, antes de dormir. E o calor atrapalha esta tendência natural. Trata-se de uma dilatação das artérias que leva a uma reação no sistema nervoso autônomo.

    Algumas medidas podem ajudar a aliviar esse desconforto antes de ir para a cama. As dicas são simples e têm a ver com regulação da temperatura corporal. Recorrer a elas pode significar bem estar no dia seguinte, já que uma noite mal dormida por causa do calor geralmente se transforma em queda de produtividade, mau humor, cansaço e falta de concentração.

    De acordo com Dalva Poyares, neurologista do Instituto do Sono de São Paulo e professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), atitudes que ajudam a baixar a temperatura do corpo são bem vindas em noites de calor. Deixar os pés descobertos, as janelas abertas e tomar um banho morno ou ligeiramente frio para dormir pode ser uma solução. Quem tem ar condicionado climatizado e ventilador pode recorrer a eles, sempre tomando cuidado para manter o ambiente umidificado, com uma bacia ou um copo com água, por exemplo.

    A pneumologista Flávia de Castro Guimarães, especialista em medicina do sono do Instituto do Sono de Campinas, também recomenda o uso de refrigeração, mas alerta para o cuidado com a temperatura muito baixa e com a limpeza dos equipamentos.

    – O ideal é resfriar o ambiente e não congelar. O mais importante é manter o ar condicionado em boas condições e limpar a grade todas as semanas. De seis em seis meses, também é adequado fazer uma limpeza geral.

    Segundo Dalva Poyares, outros fatores também podem atrapalhar o sono, não apenas o calor. Mesmo assim, o número de atendimentos a pessoas com distúrbio no sono costuma variar com as estações do ano, diz ela.

    – A incidência de insônia e de distúrbios do sono aumenta durante o verão. O calor piora a situação de quem tem insônia. Em ambientes de temperatura controlada, como no caso de uma UTI (Unidade de Terapia Intensiva), a média costuma ser entre 22 e 25 graus. Essa média vale para a maioria dos países tropicais, mas pode variar de acordo com cada indivíduo.

    Fonte R7

    Tags: , , , , , , , , , , , ,

  • Doenças, Gripe 17.02.2010 No Comments

    Instituição reviu 75 estudos sobre a eficácia da vacinação.

    Segundo ONG, apenas um deles é confiável e mostra resultados práticos.

    Um levantamento dos estudos sobre a vacina contra o vírus da gripe concluiu que praticamente não há dados seguros de que a vacina seja eficiente em pessoas com mais de 65 anos. Em vários países, como no Brasil, há campanhas que estimulam a vacinação de idosos contra a gripe.

    Segundo a pesquisa, conduzida pela organização não governamental Colaboração Cochrane, de 75 estudos sobre a vacinação apenas um deles usava métodos precisos e mostrava redução no número de casos da doença.

    Vários estudos, segundo a ONG, tinham baixa qualidade ou registravam resultados indiretos da vacina, como o aumento de anticorpos contra o vírus. Esse tipo de dado, de acordo com a Cochrane, não prova que houve diminuição do número de pessoas doentes.

    A organização recomenda que testes confiáveis e de longa duração sejam financiados pelos governos para avaliar a eficácia da vacina. Enquanto isso não ocorre, autores da pesquisa sugerem que outras ações, como melhorias na higiene e na alimentação, sejam realizadas paralelamente à imunização.

    Fonte G1

    Tags: , , , , , , , , , ,


  • Impotência, ejaculação precoce e frigidez são problemas que afetam homens e mulheres do mundo todo. Mas essas disfunções têm solução.

    Fonte R7

    Tags: , ,

  • Novo estudo americano mostra que a cerveja ajuda no fortalecimento dos ossos.

    O segredo está no silício presente na bebida – ou melhor, no ácido ortosilícico, a forma hidrossolúvel do ingrediente que aumenta a densidade mineral dos ossos.

    Pesquisadores da Universidade da Califórnia analisaram cem rótulos diferentes de cerveja comercial para determinar a relação entre os métodos de produção e o silício resultante.

    A pesquisa, publicada no Journal of the Science of Food and Agriculture, sugere que a cerveja é uma fonte significativa do mineral na dieta.

    A equipe liderada por Charles Bamforth concluiu também que as cervejas que contém maiores níveis de cevada e lúpulo são ainda mais ricas em silício. A concentração nas marcas analisadas ficou entre 6,4 e 56,6 mg/L.

    Os cientistas não incentivam o abuso da bebida, mas ressaltam que, baseados nos resultados, um consumo moderado de cerveja poderia ajudar a combater a osteoporose.

    Fonte Info

    Tags: , , , , , , , , , , , , ,


  • Cientistas ainda não sabem se a web estimula o transtorno ou se atrai os deprimidos

    Cientistas britânicos disseram nesta quarta-feira (3) que as pessoas que passam muito tempo na internet têm mais propensão a apresentar sintomas de depressão. Não está claro, no entanto, se a internet causa depressão ou se a rede atrai os deprimidos.
    Psicólogos da Universidade de Leeds, no Reino Unido, disseram ter notado uma “impressionante” evidência de que alguns internautas desenvolvem uma compulsão substituem a interação da vida real por salas de bate-papo e sites de relacionamento social.

    Catriona Morrison, coordenadora do estudo, comentou os resultados na revista científica Psychopathology (Psicopatologia, em português).

    – Esse estudo reforça a especulação pública de que o excesso de uso de sites que servem para substituir a função social normal, pode levar a transtornos psicológicos relacionados a esse tipo de atividade, como depressão e dependência. O uso excessivo pode ter um sério impacto sobre a saúde mental.

    No primeiro grande estudo com jovens ocidentais sobre esse assunto, os pesquisadores analisaram o uso da internet e os níveis de depressão entre 1.319 britânicos de 16 a 51 anos de idade. Concluíram que 1,2% deles era viciado em internet.

    Morrison explicou que esses dependentes passavam proporcionalmente mais tempo em sites com conteúdo sexual, de games ou comunidades online. Tinham também uma incidência maior de depressão moderada ou severa do que a média dos usuários normais.

    – O uso excessivo da internet está associado à depressão, mas o que não sabemos é o que vem primeiro. Se as pessoas deprimidas são atraídas para a internet ou se a própria rede causa depressão. O que está claro é que para um pequeno grupo de pessoas o uso excessivo da internet poderia ser um sinal de alerta para tendências depressivas.
    Morrison contou que, embora o percentual de 1,2% de dependentes da internet seja pequeno, representa o dobro da incidência dos viciados em jogo no Reino Unido, que é de cerca de 0,6%.

    Fonte R7

    Tags: , , , , , , , , , ,

  • Aqueles entre 66 e 83 anos dormem 20 minutos a menos que entre 40 e 55.
    Estes, por sua vez, dormem 23 minutos menos que pessoas entre 20 e 30.

    Idosos em boas condições de saúde precisam dormir menos do que adultos jovens, e mesmo com menos horas de sono têm menos chances de se sentirem cansados ao longo do dia, concluiu um estudo divulgado nesta segunda-feira (1º).

    O tempo dedicado ao sono diminui progressiva e significativamente com a idade, indica o estudo publicado pela SLEEP, órgão oficial da Academia Americana de Medicina do Sono e pela Sociedade de Pesquisas sobre o Sono.

    Por dia, adultos entre 66 e 83 anos dormem cerca de 20 minutos a menos que adultos entre 40 e 55 anos, que por sua vez dormem 23 minutos a menos que adultos jovens (entre 20 e 30 anos), afirmam os autores da pesquisa.

    Os adultos da terceira idade acordam, segundo o trabalho, com mais frequência durante a noite do que os adultos jovens.

    O estudo concluiu que o sono profundo, considerada a fase mais regeneradora do sono, também diminui com a idade.

    No entanto, apesar de adultos mais velhos dormirem menos profundamente e por menos tempo do que os jovens, sua necessidade de descanso ao longo do dia é menor.

    O estudo foi realizado na Clinical Research Center da Universidade de Surrey, no Reino Unido, com 110 adultos sãos sem problemas de sono ou outras doenças específicas.

    Fonte G1

    Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,